Personalidade

Como deixar de ser perfeccionista

 
Judit Caamaño
Por Judit Caamaño. 13 julho 2022
Como deixar de ser perfeccionista

O desejo de alcançar a excelência e de se destacar na sociedade atual cada vez mais exigente tornou-se quase uma necessidade para muitas pessoas. No caso de uma pessoa mentalmente saudável, querer ser excelente é completamente normal e aumenta a satisfação pessoal e não necessariamente tem que estar relacionado ao perfeccionismo.

Entretanto, no momento em que o desejo de perfeição se torna excessivo, devemos começar a nos preocupar, pois é quando isso pode afetar seriamente a saúde mental e as relações sociais. Felizmente, e embora em casos extremos possa ser mais difícil de alcançar, é possível superar o perfeccionismo. Neste artigo de Psicologia-Online lhe daremos uma série de dicas sobre como deixar de ser perfeccionista.

Índice
  1. O que é o perfeccionismo
  2. Eliminar a necessidade de ser infalível
  3. Planejar de forma realista
  4. Fixar-se em objetivos mais modestos
  5. Exposição gradual
  6. Terapia cognitivo-comportamental (TCC)

O que é o perfeccionismo

Estudantes que não conseguem conceber ficar abaixo de um "10", artistas que repetem suas obras uma e outra vez até corrigirem o menor detalhe, obsessivos por limpeza que passam horas e horas limpando... é muito comum em nosso dia a dia ouvir alguém se referir a si mesmo como perfeccionista, mas como definimos exatamente o termo?

O perfeccionismo é um esforço para a perfeição e para alcançá-la em todos os aspectos da vida. Os perfeccionistas muitas vezes vêem todas as suas atividades e interações como um teste para provar seu valor, por isso consideram que é primordial sempre acertar e tomar a decisão "certa". Os objetivos que estabelecem para si mesmos são tão difíceis de alcançar que, na maioria das vezes, se afogam em sua própria frustração. Se eles conseguem algum deles, muitas vezes nem sequer são capazes de desfrutá-lo.

O que está por trás de um perfeccionista

Por outro lado, numerosos estudos corroboram que pacientes com ansiedade ou distúrbios alimentares tendem a mostrar níveis mais elevados de perfeccionismo. Da mesma forma, a incapacidade de tratar o perfeccionismo a tempo pode levar à depressão ou agravar os distúrbios existentes.

Se você quiser saber mais sobre as características do perfeccionismo, veja O que é uma pessoa perfeccionista.

O perfeccionismo prejudica as relações pessoais e o trabalho, além de sujeitar a pessoa que sofre com ele a uma angústia insuportável. Se você detectar que atingiu os níveis incapacitantes mencionados acima, é hora de tentar encontrar uma solução. Aqui estão algumas maneiras para saber como deixar de ser perfeccionista.

Eliminar a necessidade de ser infalível

O perfeccionista tende a ver os erros como terríveis e tenta evitá-los a todo custo. No entanto, o primeiro passo para melhorar é aceitar que todos cometem erros e aprender a reconhecê-los, sem usar justificativas e/ou distorcer o que aconteceu para ficar bem. Desta forma, a pessoa acabará percebendo que aceitar seus erros não a fará parecer menos inteligente ou perder amizades por causa disso, mas, ao contrário, permitirá que ela se veja como mais humana e se sinta mais liberada.

Planejar de forma realista

O que há de errado em ser perfeccionista? Ao realizar trabalhos ou atividades (como escrever um livro ou um relatório), os perfeccionistas tendem a estabelecer expectativas que raramente são alcançáveis, sem levar em conta fatores que podem condicionar tais atividades, tais como restrições de tempo.

É importante estabelecer metas realistas que se concentrem em completar a tarefa, em vez de tentar aperfeiçoar cada detalhe. Aceitar que o projeto em que você está trabalhando pode não se tornar a obra-prima que você imaginou inicialmente ajudará a reduzir significativamente a ansiedade causada pelo perfeccionismo.

Como deixar de ser perfeccionista - Planejar de forma realista

Fixar-se em objetivos mais modestos

Estar consciente de suas capacidades e até onde você pode ir com os recursos que tem à sua disposição o ajudará a concluir as tarefas mais rapidamente. Permitir-se ser medíocre de tempos em tempos não só lhe poupará tempo e energia, como também o fará sentir-se mais relaxado e menos pressionado. Da mesma forma, aprender a priorizar também será um fator chave para deixar de ser perfeccionista.

Exposição gradual

A exposição gradual é uma estratégia chave para deixar de ser perfeccionista, que consiste em mudar o comportamento perfeccionista cometendo gradualmente pequenos erros intencionais, tais como bagunçar a sala ou organizar os livros na estante de forma "errada".

Terapia cognitivo-comportamental (TCC)

Numerosos estudos confirmaram que as terapias cognitivo-comportamentais (TCC) podem ajudar a tratar o perfeccionismo. Ao iniciar a TCC, sugere-se que o profissional realize uma entrevista com o paciente para avaliar seu nível de perfeccionismo, fazendo perguntas que abordem os principais fatores de manutenção no modelo comportamental. Este tipo de terapia, com foco no perfeccionismo clínico, visa trabalhar em conjunto com o paciente para localizar crenças maladaptativas e modificá-las (Shafran et al., 2002).

Deixar de ser perfeccionista melhorará a saúde física e mental do paciente e reduzirá os sentimentos de culpa quando não for "produtivo". O tratamento também pode ajudar a reduzir os sintomas de distúrbios associados, tais como ansiedade, TCAs ou depressão. A redução das exigências excessivas sobre o entorno também melhorará as relações pessoais.

Este artigo é meramente informativo, em Psicologia-Online não temos a capacidade de fazer um diagnóstico ou indicar um tratamento. Recomendamos que você consulte um psicólogo para que ele te aconselhe sobre o seu caso em particular.

Se pretende ler mais artigos parecidos a Como deixar de ser perfeccionista, recomendamos que entre na nossa categoria de Personalidade.

Bibliografia
  • Alonso González, P., & José Carrasco, M. (2019). Perfeccionismo en Salud Mental.
  • De Rosa, L., Dalla Valle, A., Rutsztein, G., & Keegan, E. (2012). Perfeccionismo y autocrítica: consideraciones clínicas. Revista Argentina De Clínica Psicológica, (3), 209-215.
  • García Fernández, J., Vincent, M., & González, C., et al. (2016). Perfeccionismo durante la infancia y la adolescencia. Análisis bibliométrico y temático (2004-2014). Revista Iberoamericana De Psicología Y Salud, (2), 79-88.
  • Mallinger, A., & De Wyze, J. (2010). La obsesión del perfeccionismo (12a ed.).
Escrever comentário
O que lhe pareceu o artigo?
1 de 2
Como deixar de ser perfeccionista