Crescimento pessoal e autoajuda

Como dizer não

 
Anna Rafaela Pires
Por Anna Rafaela Pires. 12 agosto 2022
Como dizer não

Muitas vezes dizemos sim quando queremos dizer não – nos submetendo a situações desagradáveis e relacionamentos tóxicos. Não conseguimos dizer não, pois temos medo de sermos rejeitados - mas por que o medo de sermos rejeitados se somos nós que estaríamos nos rejeitando? Essa é a grande questão: como lidar melhor com a rejeição aprendendo a dizer não para as pessoas?

Neste artigo você irá aprender a importância do não no seu dia a dia e como podemos adicioná-lo ao nosso vocabulário. Quer saber como? Nesse artigo de Psicologia-Online lhe ensinaremos como dizer não.

Também lhe pode interessar: Pensamentos suicidas: como combatê-los
Índice
  1. Por que temos medo de dizer não?
  2. Como dizer não de forma assertiva
  3. Formas de dizer não
  4. Além da rejeição, por que tenho dificuldade em dizer não?
  5. O medo da rejeição e o medo do não

Por que temos medo de dizer não?

O principal motivo do nosso medo de dizer não para as pessoas, é o receio de sermos rejeitados.

No livro "Sem medo da rejeição"[1] de Jia Jiang ela comenta:

A simples lembrança de uma experiência desse tipo de medo pode fazer uma pessoa lutar com afinco para nunca mais voltar a enfrentar um momento de vulnerabilidade. Já que a dor da rejeição é equivalente à dor física.

Ou seja, caso nos tenhamos passado por alguma situação marcante em que fomos rejeitados na infância é o bastante para irmos contra aquela experiência com todas as nossas forças.

A Terapia Comportamental Dialética retrata que existem pessoas biologicamente mais sensíveis. Logo, se você é mais sensível, as rejeições que você sofreu lhe marcam de maneira muito mais forte e com isso te torna mais suscetível a ter dificuldade de dizer não.

Como dizer não de forma assertiva

Para dizer não para as pessoas, precisamos ter a atitude certa – se temos dificuldade de rejeitar pois temos medo de sermos rejeitados, logo, se acreditarmos que estamos sendo agradáveis se tornará uma situação mais fácil tanto para nós quanto para os outros.

O essencial na hora de dizer não de maneira assertiva é:

  • Não menosprezar o rejeitado
  • Ter uma postura tranquila
  • Ser compreensível
  • Saber o porquê estamos dizendo não

Formas de dizer não

O livro para o paciente da Terapia Comportamental Dialética[2]ensina como podemos dizer não enquanto buscamos manter nossa saúde emocional.

Ao pensar como dizer não para as outras pessoas é de extrema importância analisarmos o quão intenso iremos ser ao negar aquele pedido, se seremos mais insistentes, mais flexíveis ou menos flexíveis.

Por exemplo, existem situações que nós não gostaríamos de fazer, porém se for urgente podemos fazer mesmo sem gostar.

É superimportante essa noção ao dizermos não, muitas vezes acreditamos que dizer não é difícil pois somos muito inflexíveis com essa atitude. Nem sempre dizer não, quer dizer "de jeito nenhum", às vezes é apenas "não quero fazer, mas dependendo posso ceder".

O que saber antes de dizer não para as pessoas

Precisamos saber algumas coisas antes de dizer não[2]:

  1. A capacidade que nos temos de lidar com essa situação. Você tem o que a pessoa quer? Se sim, por que não dar? Se não, deixe isso bem claro.
  2. A capacidade do outro lidando com essa situação/rejeição. Essa pessoa já possui um histórico de reações fortes? Como posso rejeita-la de uma maneira mais gentil?
  3. Minhas prioridades. Caso você diga sim, querendo dizer não – seu autorrespeito está em perigo? Se sim, vale a pena colocá-lo em risco?
  4. Os meus direitos e o do outro nessa situação. Dizer não irá violar os direitos de alguém?
  5. O tipo de relacionamento que você tem com a outra pessoa.

Além da rejeição, por que tenho dificuldade em dizer não?

Outro fator que pode afetar, é quando não sabemos o que queremos da outra pessoa. Como poderemos dizer não a alguém se não temos certeza da nossa resposta? A confusão e o apego pode afetar constantemente nossas reações no dia a dia.

Nossas emoções afetam nossas ações, contudo, existem pessoas com mais dificuldade no autocontrole – como já foi dito, cada um sente as emoções de uma maneira, alguns mais sensíveis que outros, isso é a teoria biossocial dentro da Terapia Comportamental.

A Terapia Comportamental Dialética, além de comentar sobre a sensibilidade biológica, também retrata o papel do ambiente invalidante local onde nossas emoções são reprimidas ou ignoradas.

Vamos imaginar que você está em uma situação complicada em seu relacionamento, onde você precisa dizer não ao seu/sua parceiro(a).

Você tenta explicar para sua/seu parceira(o) o motivo de estar tão angustiada(o) com a situação, contudo, ela/ele não entende, ignorando sua explicação e sua emoção. Nessa ocasião sua emoção é invalidada, aumentando sua intensidade em busca da compreensão que não foi atendida.

Quanto maior a intensidade da emoção mais difícil será agir de maneira racional, ou seja, há uma chance muito maior de dizer sim em situações que você quer dizer não.

O medo da rejeição e o medo do não

Uma frase superinteressante do livro "Sem medo da rejeição" [1]de Jia Jiang é

Tinha medo de que elas me rejeitassem por causa da minha rejeição.

E no fim das contas, esse é o principal vínculo entre rejeitar e ser rejeitado. Ficamos com medo de que se rejeitarmos aquela pessoa, ela poderá nos rejeitar depois. E isso vem muitas vezes de como fomos ensinados sobre rejeição.

A rejeição é parte da vida de todo ser humano e se tivermos pensamentos catastróficos e irreais sobre ela, sofreremos constantemente por algo que deveria ter sido menos doloroso.

Dizer ou ouvir não em situações cotidianas como por exemplo “dizer não, pois não quer fazer o jantar” é algo natural e talvez se fosse normalizado seria menos angustiante.

E como foi dito antes, às vezes será necessário fazer algo mesmo que não seja nosso desejo. Então, parte de dizer não é saber que, às vezes, será dito não e mesmo assim terá que ser feito, situações emergenciais principalmente.

O não, não é algo definitivo – acreditar que o não do outro e o nosso não podem ser mais flexíveis é a chave principal para falarmos não para outras pessoas de maneira constante e equilibrada.

Este artigo é meramente informativo, em Psicologia-Online não temos a capacidade de fazer um diagnóstico ou indicar um tratamento. Recomendamos que você consulte um psicólogo para que ele te aconselhe sobre o seu caso em particular.

Se pretende ler mais artigos parecidos a Como dizer não, recomendamos que entre na nossa categoria de Crescimento pessoal e autoajuda.

Referências
  1. Jiang, Jia. Sem medo da rejeição: como superei o medo de ouvir um “não” e me tornei mais confiante/ Jia Jiang; tradução de Ana Claudia Fonseca. – São Paulo: Saraiva, 2016. 208p.
  2. Linehan, Marsha M. Treinamento de habilidades em DBT : manual de terapia comportamental dialética para o paciente [recurso eletrônico] / Marsha M. Linehan ; tradução: Daniel Bueno ; revisão técnica: Vinícius Guimarães Dornelles. – 2. ed. – Porto Alegre : Artmed, 201
Escrever comentário
O que lhe pareceu o artigo?
Como dizer não