Partilhar

Max Weber: biografia, teoria, contribuições e obras

 
Por Irene Alabau, Psicóloga. 7 maio 2020
Max Weber: biografia, teoria, contribuições e obras

Max Weber é considerado o pai da sociologia moderna, já que realizou grandes contribuições para esta área, assim como a economia, a política e a religião. Este autor analisou o sistema capitalista atual e os fatores que contribuíram para a sua origem, assim como teve papel na assinatura do Tratado de Versalhes, que colocou fim à Primeira Guerra Mundial. Além disso, suas contribuições e influência seguem vigentes na área da sociologia até hoje. Se você quer saber mais sobre esta figura, continue lendo este artigo de Psicologia-Online: Max Weber: biografia, teoria, contribuições e bibliografia, onde encontrará as informações mais importantes sobre a vida profissional e pessoal do autor, assim como suas obras mais influentes.

Biografia de Max Weber

Quem foi Max Weber? Maximilian Karl Emil Weber nasceu na cidade alemã de Erfurt em 21 de abril de 1864. É considerado um economista, filósofo, historiador, jurista, cientista político e sociólogo, destacando-se por esta última função.

A atmosfera familiar exerceu uma grande influência nos interesses e inclinações de Weber, e marcou grande parte da biografia do alemão. Foi criado em uma família junto com sete irmãos, sendo ele o mais velho. Seu pai foi um jurista e político pertencente ao Partido Liberal Nacional, e sua mãe uma calvinista moderada. Tratava-se de uma família burguesa, cuja casa era visitada por pessoas de âmbitos acadêmico e público, e onde habitualmente tratavam de termas econômicos, políticos e intelectuais.

Desde a adolescência este sociólogo já lia autores como Kant, Schopenhauer, Homero e Spinoza. Estudou nas universidades de Heidelberg, Berlim e Gotinga. Outro fato interessante da biografia de Max Weber é que em 1882 ingressou no curso de direito da universidade de Heidelberg onde teve como professor seu tio Hermann Baumgarten, autor de duas obras sobre história espanhola.

Posteriormente, em 1890, tornou-se doutor em ciências econômicas com uma tese que obteve a qualificação de excelente. Durante este período serviu de maneira intermitente no serviço militar em Estrasburgo e, em 1888, ingressou na Associação Profissional de Economistas Alemães, focado na função da economia como ferramenta de solução para os problemas de tipo social. Nela Weber foi encarregado de investigar e escrever sobre o fenômeno migratório no processo de industrialização, trabalho pelo qual recebeu grandes elogios e se consolidou como um especialista em economia agrária.

Em 1893 se casou com uma parente distante, Marianne Schnitger, uma feminista e socióloga que estudou a proteção legal das mulheres e a igualdade de gênero mediante a formação econômica e educativa, e ainda teve papel fundamental na recompilação de escritos de Weber quando este faleceu.

No ano seguinte, o casal se muda para Freiburg, em cuja universidade trabalha como professor de economia política. Dois anos mais tarde continuaria lecionando as mesmas aulas, mas na universidade de Heidelberg.

1897 foi um ano difícil, pois ocorreu um acontecimento importante na biografia de Max Weber: seu pai faleceu dois meses depois de ambos terem uma calorosa discussão que não havia sido resolvida. Isto causa nele estados de nervosismo e insônia, que acaba submetendo-o a um estado melancólico, que causa grandes dificuldades para cumprir suas tarefas como docente.

Em 1898 se afasta do ensino e ingressa em um sanatório até o ano seguinte, e quando saiu desta instituição, dedica dois anos a viajar com sua esposa. Quando retorna renuncia ao seu cargo de professor, passando a exercer esta profissão unicamente de forma privada, e aceita trabalhar em um arquivo de ciências sociais.

Em 1904 viaja para os Estados Unidos para participar do Congresso das Artes e das Ciências, e entre este ano e o seguinte, é quando começam a publicar as suas obras mais influentes, sendo em 1905 a publicação de seu icônico ensaio A ética protestante e o espírito do capitalismo. Em 1912 tentou fundar, sem sucesso, um partido político de esquerda entre liberais e social-democratas.

Quando estoura a Primeira Guerra Mundial, Weber serve durante um tempo como diretor de nove hospitais do exército de Heidelberg, participa de grupos cujo objetivo é manter o controle alemão na Bélgica e na Polônia, é membro do conselho de trabalhadores e soldados, e trabalha como consultor da Comissão do Armistício Alemão, que negociou a rendição do país mediante o Tratado de Versalhes, colocando um fim à guerra. Esta comissão também lhe incumbiu de escrever a Constituição de Weimar, na qual incluiu o artigo 48, que permitia a adoção de medidas de emergência e a promulgação de decretos de urgência, tendo em vista que Weber temia o estouro da revolução comunista na Alemanha. No fim, este artigo foi utilizado por Adolf Hitler para proclamar lei marcial e se declarar ditador.

Com o término da guerra, este sociólogo retoma seu cargo como docente, primeiro na Universidade de Viena e em seguida na de Munique. Na universidade de Munique inaugura o primeiro instituto de sociologia de uma universidade no país. Em 14 de junho de 1920 falece com a idade de 56 anos, devido à uma pneumonia.

Max Weber: biografia, teoria, contribuições e obras - Biografia de Max Weber
Imagem: Assinatura do Tratado de Versalhes

Max Weber: teoria

O sociólogo aplicou a metodologia da sociologia em campos como a política, o direito, a religião e a economia. Seu pensamento se caracteriza por ser anti positivista, hermenêutico e idealista. Este autor tinha como objetivo entender a inter-relação que se produz entre os fatores que contribuíram para a fundação da estrutura social, sublinhando o papel dos elementos culturais e a mentalidade ou ética coletiva ao longo da história.

Weber destacou a racionalização como chave para o desenrolar da civilização ocidental. Identifica a racionalidade baseada em burocracia como motor deste processo. Ademais, Weber considerou que a conduta do ser humano se encontra guiada e ligada à cultura e religião do lugar de procedência. A partir deste pensamento, elabora-se a teoria da burocracia de Max Weber, a qual estabelece as condições mediante as quais as pessoas que ostentam o poder legitimam seu status de dominação e como as pessoas se submetem a ele.

Max Weber: contribuições

Continuando, destacamos algumas das contribuições de Max Weber:

  • É um dos fundadores da sociologia, junto a Marx, Durkheim e Comte.
  • É considerado um dos pais da sociologia moderna e da administração pública.
  • Renovador das ciências sociais e de sua metodologia.
  • Estabeleceu os fundamentos do método de trabalho da sociologia moderna, fornecendo-lhe rigor e legitimidade.
  • Introdução do anti positivismo nas ciências sociais.
  • Seu livro Economia e Sociedade é considerado o livro mais importante da sociologia do século XX.
  • Desenvolveu conceitos concretos para a interpretação da história; uma análise e interpretação racionais.
  • Contribuições teóricas a diferentes campos, entre eles a psicologia social e as organizações.
  • Seu pensamento e escritos são uma influência na elaboração de teorias sociológicas da atualidade.

Max Weber: Obras principais

Os livros mais importantes de Max Weber são os seguintes:

  • A ética protestante e o espírito do capitalismo (1905)
  • A política como vocação (1919)
  • A ciência como profissão (1919)
  • Sociologia da religião (1920)
  • Economia e Sociedade (1922)
  • Conceitos básicos de sociologia (1922)
  • História econômica geral (1923)
  • A metodologia das ciências sociais (1949)

Max Weber: biografia resumida

Os fatos mais relevantes da biografia de Max Weber são os seguintes:

  • Nasceu na Alemanha em 1864.
  • Estudou direito e economia.
  • Em 1888 ingressa na Associação Profissional de Economistas Alemães.
  • Terminou o doutorado em 1890.
  • Se casou em 1893.
  • Foi professor de economia política.
  • Abandonou a docência em 1898 devido a problemas emocionais.
  • Em 1905 publica seu famoso ensaio A ética protestante e o espírito do capitalismo.
  • Durante a Primeira Guerra Mundial colabora com a negociação do Tratado de Versalhes.
  • Faleceu em 1920, com 56 anos de idade.

Este artigo é meramente informativo, em Psicologia-Online não temos a capacidade de fazer um diagnóstico ou indicar um tratamento. Recomendamos que você consulte um psicólogo para que ele te aconselhe sobre o seu caso em particular.

Se pretende ler mais artigos parecidos a Max Weber: biografia, teoria, contribuições e obras, recomendamos que entre na nossa categoria de Biografias.

Bibliografia
  • Gil, F. M. T., & Mollá, C. C. (2006). Historia da psicologia. McGraw-Hill, Interamericana de España.
  • Hogg, M. y Graham, V. (2010). Psicologia social. Panamericana.
  • Weber, M. (2017). Max Weber: uma biografia. Routledge.

Escrever comentário sobre Max Weber: biografia, teoria, contribuições e obras

O que lhe pareceu o artigo?

Max Weber: biografia, teoria, contribuições e obras
Imagem: Assinatura do Tratado de Versalhes
1 de 2
Max Weber: biografia, teoria, contribuições e obras

Voltar ao topo da página