Partilhar

O que é esquizofrenia

Por Dr. George Boeree. 26 janeiro 2021
O que é esquizofrenia

Quando as pessoas pensam em "loucos" e em pessoas em instituições mentais, muitas vezes estão pensando em pessoas com esquizofrenia. A esquizofrenia é o principal exemplo que psicólogos e psiquiatras costumam usar para nomear uma psicose. A característica geral das pessoas com uma psicose é que parecem estar fora da realidade.

Muitos transtornos de humor, especialmente a mania, também são considerados uma psicose. Alguém com uma neurose parece estar mais preocupado emocionalmente, talvez até mesmo excessivamente sensível à realidade do que fora de contato com a mesma. As desordens de ansiedade são os principais exemplos. A seguir, neste artigo de Psicologia-Online, explicamos o que é a esquizofrenia e as principais dúvidas relacionadas ao tema.

O que é esquizofrenia

Nossa compreensão da esquizofrenia se desenvolveu desde que seus sintomas foram catalogados pela primeira vez pelo psiquiatra alemão Emilio Kraepelin no final do século XIX. Embora a causa dessa desordem permaneça indefinida, seus espantosos sintomas e correlatos biológicos foram absolutamente bem definidos. Apesar disso, abundam as ideias equivocadas sobre os sintomas: a esquizofrenia não é "personalidade dividida" nem "personalidade múltipla". Além disso, as pessoas com esquizofrenia não são perpetuamente incoerentes ou psicóticas.

A esquizofrenia é caracterizada pela interrupção profunda na cognição e emoção, afetando as qualidades humanas mais fundamentais: linguagem, pensamento, opinião, afeto e o senso de si mesmo. O arsenal de sintomas, ao mesmo tempo de grande alcance, inclui com frequência manifestações psicopáticas, tais como ouvir vozes internas ou experimentar outras sensações não conectadas com uma fonte óbvia (alucinações) e atribuir um significado ou sentido incomum à acontecimentos normais ou manter fixas falsas crenças (delírios). Não existe um sintoma definitivo para o diagnóstico; ao contrário, o diagnóstico engloba um padrão de sinais e sintomas, juntamente com o funcionamento ocupacional ou social prejudicado.

O que é esquizofrenia - O que é esquizofrenia

Sintomas de esquizofrenia

A seguir, tiramos as dúvidas sobre alguns falsos mitos sobre os sintomas da esquizofrenia, que, na medida do possível, não são destrutivas nem perigosas para aqueles que sofrem ou aqueles ao seu redor:

  • As ideias delirantes são crenças errôneas firmemente sustentadas devido às distorções ou aos exageros do raciocínio e/ou às interpretações de opiniões ou experiências. Os delírios de ser perseguido ou observado são comuns, assim como a crença de que o rádio ou os programas de TV, etc. estão dirigindo mensagens especiais diretamente para ele/ela.
  • As alucinações são distorções ou exageros da percepção em qualquer um dos sentidos, embora as alucinações auditivas ("ouvir vozes" dentro da sua mente, diferentes dos próprios pensamentos) são as mais comuns, seguido pelas alucinações visuais.
  • O discurso/pensamento desorganizado, também descrito como "desordem do pensamento" ou "perda de associações", é um aspecto chave da esquizofrenia. O pensamento desorganizado geralmente é avaliado com base principalmente na fala da pessoa. Portanto, a fala tangencial, associada livremente, ou incoerente que é bastante severo para deteriorar substancialmente a comunicação eficaz, é utilizada como indicador de transtorno do pensamento.
  • O comportamento gravemente desorganizado inclui dificuldades no comportamento direcionado à objetivos (levando a dificuldades em atividades da vida diária), a agitação ou lentidão imprevisível, a desinibição social, ou os comportamentos que são estranhos aos espectadores. Seu despropósito os distingue do comportamento incomum incitado pelas crenças delirantes.
  • Os comportamentos catatônicos são caracterizados por uma diminuição acentuada na reação ao ambiente circundante imediato, às vezes assumindo a forma de imobilidade ou falta de consciência óbvia, as posturas rígidas ou estranhas, ou excesso de atividade motora sem objetivo.

Sintomas alarmantes de esquizofrenia

Por outro lado, aqui mostramos alguns sintomas que talvez sejam um pouco mais alarmantes para quem está próximo do paciente:

  • O achatamento afetivo é a redução no alcance e intensidade da expressão emocional, incluindo a expressão facial, o tom da voz, o contato visual e a linguagem corporal.
  • Alogia, ou pobreza de fala, é a diminuição da fluidez e produtividade da fala, o pensamento é refletido atrasado ou os pensamentos bloqueados, e muitas vezes se manifestam como lacônicos, as respostas às perguntas são vazias.
  • Abulia é a redução, a dificuldade ou a incapacidade de iniciar e de persistir em comportamentos direcionados a objetivos; muitas vezes é confundido com um desinteresse óbvio.

Curso do transtorno

O início geralmente ocorre durante a idade adulta jovem (meados dos 20 anos nos homens, final dos 20 nas mulheres), embora o começo possa ser anterior ou posterior. Pode ser abrupto ou gradual, mas a maioria das pessoas experimenta alguns sintomas precoces, tais como aumento do isolamento social, da perda de interesse, o comportamento incomum ou as diminuições do funcionamento antes do início dos sintomas positivos ativos. Frequentemente, estes são os primeiros comportamentos que preocupam os familiares e amigos.

A maioria dos indivíduos experimentam períodos de exacerbação e remissão dos sintomas, enquanto outros mantêm um nível constante de sintomas e de incapacidade que podem variar de moderados a graves. Uma pequena porcentagem (cerca de 10%) dos pacientes está seriamente doente durante longos períodos de tempo. A maioria não volta ao seu estado anterior de funcionamento mental. No entanto, vários estudos de longo prazo revelam que cerca de metade a dois terços das pessoas com esquizofrenia melhoram ou se recuperam significativamente, alguns totalmente.

O que é esquizofrenia - Curso do transtorno

Variação cultural

Em uma primeira consideração, os sintomas como as alucinações, os delírios e o comportamento bizarro parecem estar facilmente definidos e serem claramente patológicos. No entanto, a atenção crescente à variação cultural tornou muito claro que o que é considerado delirante em uma cultura pode ser aceito como normal em outra. Por exemplo, entre os membros de alguns grupos culturais, as "visões" ou as "vozes" de figuras religiosas são parte de uma experiência religiosa normal.

Em muitas comunidades, "ver" ou "ser visitado" por uma pessoa recentemente falecida não é incomum entre os membros da família. Portanto, rotular uma experiência como patológica ou sintoma psiquiátrico pode ser um processo sutil para o clínico com uma formação cultural ou origem étnica diferente do paciente; de fato, as variações e nuances culturais podem ocorrer dentro das diversas subpopulações de um único grupo racial, étnico ou cultural.

No entanto, muitas vezes o treinamento dos clínicos, as habilidades e seus pontos de vistas tendem a refletir suas próprias influências sociais e culturais. A esquizofrenia é mais comum em culturas egocêntricas do que em culturas sociocêntricas. Em sociedades egocêntricas, cada pessoa é vista como mais ou menos responsável por si mesma, e outras podem se afastar da vítima e permitir que ela caia no isolamento. As famílias podem se sentir livres para expressar críticas e até hostilidade quando um membro não corresponde às expectativas. As sociedades sociocêntricas, embora tenham outras qualidades muito negativas, no entanto, proporcionam ajuda e apoio na forma de famílias grandes. E, como o sucesso individual não é tão importante como o bem-estar da família, não julgam os indivíduos com a mesma dureza.

Que tipo de cultura é melhor?

O psicólogo cultural Richard Castillo sugere que a vida na cidade, o trabalho do assalariado e a sociedade capitalista impõem muitas exigências às pessoas, algumas das quais não estão à altura. Espera-se que seja independente, a menos que esteja incapacitado. Portanto, se você não pode trabalhar, deve estar incapacitado, e novamente será inadequado.

Aqui está outra observação interessante sobre países menos desenvolvidos e algumas sociedades não ocidentais: a recuperação da esquizofrenia é comum. Em algumas dessas sociedades, as vozes são interpretadas como as vozes dos antepassados. Às vezes, as vozes são positivas, dando ao ouvinte e à sua família conselhos necessários. Quando o conselho é seguido, o ancestral é retirado. Mesmo se as vozes e os impulsos são negativos, são considerados como os efeitos de demônios ou da bruxaria, e os rituais apropriados trarão aquela pessoa de volta a si mesma. Na sociedade ocidental, por outro lado, a esquizofrenia é definida como uma "doença cerebral incurável."

Entenda também o que é o transtorno esquizoafetivo.

Este artigo é meramente informativo, em Psicologia-Online não temos a capacidade de fazer um diagnóstico ou indicar um tratamento. Recomendamos que você consulte um psicólogo para que ele te aconselhe sobre o seu caso em particular.

Se pretende ler mais artigos parecidos a O que é esquizofrenia, recomendamos que entre na nossa categoria de Psicologia clínica.

Escrever comentário

O que lhe pareceu o artigo?

O que é esquizofrenia
1 de 3
O que é esquizofrenia

Voltar ao topo da página