menu
Partilhar

Psicose maníaco-depressiva: o que é, sintomas, causas e tratamento

 
Por Iván Piquero, Psicólogo. 20 julho 2021
Psicose maníaco-depressiva: o que é, sintomas, causas e tratamento

A psicose maníaco-depressiva constitui um transtorno que, mesmo que continue nas principais classificações diagnósticas, aparece descrito sob outra denominação: transtorno bipolar. Em qualquer caso e como seu nome indica, a psicose maníaco-depressiva faz referência a um transtorno no qual se alternam episódios maníacos, hipomaníacos e depressivos.

A psicose maníaco-depressiva ou transtorno bipolar é um transtorno que recebeu muita atenção na literatura científica, e mesmo que exista a necessidade de continuar a ser pesquisado, é certo que contamos com numerosos estudos que permitem contextualizar e conhecer este quadro psicopatológico. Neste artigo de Psicologia-Online iremos explicar a psicose maníaco-depressiva: o que é, sintomas, causas e tratamento.

O que é a psicose maníaco-depressiva

A psicose maníaco-depressiva ou transtorno bipolar é reconhecido nas classificações diagnósticas DSM-5 (Associação Americana de Psiquiatria) e CIE-11 (Organização Mundial da Saúde).

Trata-se de um transtorno no qual aparecem episódios depressivos maiores, episódios maníacos e episódios hipomaníacos que podem ir se alternando no tempo de forma mais ou menos rápida (podem ocorrer quatro episódios diferentes em um ano no caso de ciclos rápidos). De acordo com a aparição de uns ou outros episódios, podemos distinguir:

  • Transtorno bipolar tipo I: este é caracterizado pela aparição de um episódio maníaco e, antes ou depois deste, podem estar presentes episódios de depressão maior e/ou hipomaníacos.
  • Transtorno bipolar tipo II: existe histórico de um ou vários episódios depressivos maiores e presença ou histórico de um episódio hipomaníaco.
  • Ciclotimia: aparecem sintomas depressivos e/ou maníacos, mas não são cumpridos os critérios requeridos para o diagnóstico dos episódios.

Nas classificações diagnósticas aparecem, além destas, outras categorias como, por exemplo, transtorno bipolar devido a ingestão de substâncias e/ou medicamentos.

Por último, exporemos que parece haver certa evidência da existência de um terceiro tipo de transtorno bipolar, o transtorno bipolar tipo III. Neste tipo os pacientes contam com antecedentes familiares de transtorno bipolar e os episódios de depressão e hipomania se apresentariam no contexto de tratamento farmacológico com antidepressivos (González Parra, D. et al, 2007).

Neste artigo, você encontrará mais informações sobre os tipos de bipolaridade.

Sintomas da psicose maníaco-depressiva

Os sintomas da psicose maníaco-depressiva dependerão do episódio no qual o paciente se encontra, pois cada episódio apresenta sintomas diferentes. A seguir, serão expostas as principais características de cada um dos episódios e serão indicados os sintomas associados a eles seguindo a classificação diagnóstica DSM-5.

Episódio depressivo maior

Dentro do episódio depressivo maior, que tem uma duração de ao menos duas semanas, podemos encontrar os seguintes sintomas:

  • Experimentação de estado de humor deprimido.
  • Ausência de prazer e/ou interesse em todas ou quase todas as atividades.
  • Aumento ou diminuição do peso corporal e/ou perda de apetite.
  • Insônia ou hipersonia.
  • Agitação ou atraso psicomotor.
  • Fadiga ou perda de energia.
  • Sentimento de culpa excessiva e/ou inutilidade.
  • Diminuição da capacidade de concentração e/ou tomada de decisões.
  • Ideias suicidas e/ou pensamentos de morte recorrentes.

Episódio hipomaníaco

Durante o episódio hipomaníaco encontramos um estado de humor anormalmente alto, expansivo ou irritadiço. Entre os sintomas necessários para o diagnóstico na classificação DSM-5 encontramos:

  • Aumento de autoestima ou sentimento de grandeza.
  • Diminuição da necessidade de dormir.
  • Fica mais falante do que o normal.
  • Apresenta fuga de ideias ou, neste caso, a experiência subjetiva de que seus pensamentos estão muito rápidos.
  • Se distrai facilmente.
  • Agitação psicomotora ou aumento de atividade dirigida a um objetivo.
  • Participa de forma excessiva em atividades que podem ter consequências negativas (como compras compulsivas, comportamentos sexuais de risco, etc.)

Episódio maníaco

Os sintomas que podemos encontrar no episódio maníaco são iguais aos que encontramos no episódio hipomaníaco, mesmo que neste caso a gravidade de tais sintomas é tão grande que causam deterioramento em diversas áreas da vida do paciente, como a social ou a profissional. Por outro lado, se surgem características psicóticas, por definição o episódio seria maníaco e não hipomaníaco. No seguinte artigo, você encontrará mais informações sobre o que é hipomania, seus sintomas, causas e tratamento.

No seguinte artigo, falamos objetivamente sobre Como lidar com pessoas bipolares no amor.

Causas da psicose maníaco-depressiva

Segundo Sevillá, J., Pastor, C. y Ruiz, L.(2014)[1], não parece haver uma causa bem definida e estabelecida para a origem da psicose maníaco-depressiva. Atendendo à complexidade do transtorno devemos levar em conta numerosas variáveis que podem estar influenciando sua aparição e desenvolvimento.

Entre elas podemos atender às variáveis biológicas, concretamente ao funcionamento dos neurotransmissores, ao funcionamento do sistema endócrino ou a problemas na regulação dos ritmos circadianos. Aqui você pode ver os neurotransmissores e a relação com as emoções.

Quanto às teorias psicológicas, mais especificamente as teorias cognitivo-comportamentais, complementam às anteriores e ressaltam o papel dos fatores de vulnerabilidade no desenvolvimento do transtorno bipolar ou psicose maníaco-depressiva.

Por tudo isso, devemos atender à origem e desenvolvimento da psicose maníaco-depressiva desde um ponto de vista biopsicossocial, no qual integramos todas as variáveis que podem estar intervindo no caso.

Psicose maníaco-depressiva: o que é, sintomas, causas e tratamento - Causas da psicose maníaco-depressiva

Tratamento da psicose maníaco-depressiva

O tratamento da psicose maníaco-depressiva é fundamentalmente farmacológico, sendo os fármacos mais utilizados:

  • Os estabilizadores do estado de humor, como o lítio ou o ácido valproico.
  • Fármacos antipsicóticos para o controle, sobretudo de episódios maníacos e hipomaníacos.
  • Fármacos antidepressivos para o controle de episódios depressivos.

Quanto à terapia psicológica, é indicada a psicoeducação e a terapia cognitivo-comportamental, sempre em conjunto e complementando a terapia farmacológica. Esta intervenção psicológica é mais dirigida a trabalhar a aderência à medicação, detecção de sinais de recaída e trabalho de possíveis complicações que apareçam no decorrer da doença.

Aqui você encontrará mais informações sobre Como identificar uma pessoa bipolar.

Este artigo é meramente informativo, em Psicologia-Online não temos a capacidade de fazer um diagnóstico ou indicar um tratamento. Recomendamos que você consulte um psicólogo para que ele te aconselhe sobre o seu caso em particular.

Se pretende ler mais artigos parecidos a Psicose maníaco-depressiva: o que é, sintomas, causas e tratamento, recomendamos que entre na nossa categoria de Psicologia clínica.

Referências
  1. SEVILLÁ, J., Pastor, C. y Ruiz, L.(2014). Trastorno bipolar y trastornos relacionados. En Caballo, V.E., Salazar, I.C. Y Carrobles, J.A. (2014) Manual de Psicopatología y Trastornos Psicológicos. Madrid. Pirámide.
Bibliografia
  • ASSOCIAÇÃO AMERICANA DE PSIQUIATRIA (2014). DSM-5. Guía de consulta de los criterios diagnósticos del DSM-5-Breviario. Madrid: Editorial Médica Panamericana.
  • GONZÁLEZ PARRA, D., González de María, V., Leal Sánchez, C., Sánchez Iglesias, S. (2007) Enfermedad bipolar. Medicine, 9 (85) 5461-5468
  • ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE (OMS) (2018) Clasificación Internacional de Enfermedades, 11.a revisión. Recuperado de https://icd.who.int/es

Escrever comentário

O que lhe pareceu o artigo?

Psicose maníaco-depressiva: o que é, sintomas, causas e tratamento
1 de 2
Psicose maníaco-depressiva: o que é, sintomas, causas e tratamento

Voltar ao topo da página