Partilhar

Quando devo procurar um psicólogo?

 
Por Anna Badia Llobet, Psicóloga e redatora. Atualizado: 29 setembro 2020
Quando devo procurar um psicólogo?

Ir ao psicólogo funciona? Embora algumas pessoas dizem "não acreditar" na psicologia ou afirmam que "ir ao psicólogo é coisa de louco", nada está mais longe da verdade. A psicologia não é uma crença que se pode ter ou não ter, é uma ciência, uma disciplina com uma base científica sólida e uma profissão da saúde reconhecida pelo sistema, como as outras. Evidentemente, ver um psicólogo ou uma psicóloga funciona. Existem métodos de avaliação validados e protocolos de tratamento eficazes com evidência científica. Mas veja bem, a psicologia não é magia e não resolve todos os problemas de todo mundo. É interessante saber em que áreas trabalha, que tipo de problemas soluciona e em quais situações é recomendado procurar estes profissionais. Quando devo procurar um psicólogo? Neste artigo de Psicologia-Online, você encontrará 30 motivos pelos quais você precisar ir a um psicólogo ou a uma psicóloga.

Também lhe pode interessar: Como reage um psicopata quando é rejeitado

O que é um(a) psicólogo(a)

Um ou uma profissional da psicologia é uma pessoa com ensino superior, que cursou a licenciatura ou o bacharelado de psicologia. A psicologia é a ciência que estuda os processos mentais e o comportamento das pessoas. Como as pessoas passam por diferentes fases durante a vida e temos várias áreas ou aspectos, também existem especialidades diferentes da psicologia, que abordam cada uma destas divisões. Entre elas, encontramos a psicologia clínica ou médica, a educativa, do esporte, do trabalho e das organizações, social, comunitária, forense, experimental, neuropsicologia... Dentro da psicologia clínica encontramos especialidades diferentes em função do tipo de paciente que trata, como a psicologia infantil, juvenil, de adultos, psicogerontologia, especializada em transtornos de personalidade, em maus tratos, em autoestima...

Além de todas estas especializações, é muito importante saber que na psicologia existem diferentes correntes ou enfoques. Mesmo assim, o objetivo é o mesmo: estudar os fenômenos mentais e comportamentais para favorecer o bem-estar psicológico, e isto pode ser feito seguindo métodos e técnicas bem diferentes, porém igualmente válidos. São perspectivas e formas de trabalhar diferentes.

De acordo com suas necessidades e seus objetivos, você deverá procurar um tipo de profissional ou outro. A seguir veremos quando ir ao psicólogo ou psicóloga.

Quando devo procurar um psicólogo?

Como saber se tenho que ir a um(a) psicólogo(a)? Em primeiro lugar, você deve saber que ir ao psicólogo ou à psicóloga pode ajudar em qualquer situação. Sempre será benéfico se conhecer mais e aprender sobre seus processos psicológicos, analisar seus pensamentos e gerenciar suas emoções. Embora exista uma série de motivos para ir ao psicólogo, há algumas situações específicas onde é melhor consultar com um profissional.

Para que serve ir ao psicólogo? A seguir veremos em quais casos é importante consultar com um ou uma profissional da psicologia:

1. Causa danos a você ou aos outros. Agressões físicas ou verbais, na forma de autoagressividade ou heteroagressividade, devem ser interrompidas o quanto antes. Um psicólogo ou psicóloga fará uma avaliação de sua personalidade e de sua atual situação, para encontrar a causa deste comportamento e te ensinar estratégias para gerir suas emoções e desenvolver autocontrole. Além disso, as agressões deixam consequências psicológicas que devem ser tratadas por profissionais.

2. Viveu uma situação de maltrato ou violência: existem muitos tipos de violência, desde a violência doméstica até agressões sexuais, passando pelo assédio moral. A ajuda profissional será útil para reconstruir sua autoestima e te fornecer estratégias de cuidados pessoais.

3. Viveu uma situação traumática: desde um atentado até um acidente de trânsito, o acompanhamento de um psicólogo ou psicóloga te ajudará a processar o fato e enfrentar os possíveis sintomas pós-traumáticos.

4. Sofreu uma perda: é possível que um familiar tenha falecido, que tenha perdido seu trabalho ou que precise emigrar. Quando existe uma grande perda, uma fase de luto é necessária. A ajuda psicológica será útil para percorrer o processo de luto de forma mais sadia.

5. Recebeu um diagnóstico impactante: o diagnóstico de uma doença grave, por exemplo, implica em muitas mudanças e perdas e, portanto, exige uma fase de luto, que será melhor vivida com ferramentas e acompanhamento profissional. Por isso, por exemplo, existe a psico-oncologia.

6. Tem problemas de sono: você dorme pouco ou demais há algum tempo e isto não é normal em você. Tanto dormir horas demais (hipersonia) como a dificuldade para dormir (insônia), são sintomas que podem indicar algum problema ou transtorno psicológico. Sempre é melhor consultar um profissional.

7. Seu apetite mudou drasticamente: outro dos indicadores de como estamos é nosso apetite. Da mesma forma que no caso anterior, tanto se você sente mais fome que o normal quanto se sente muito menos, pode sinalizar problemas ou desordens psicológicas, e vale a pena realizar uma avaliação profissional.

8. Está se sentindo muito cansado(a): é outro dos sintomas característicos dos transtornos psicológicos.

9. Não tem vontade de fazer nada: a falta de interesse, de motivação e de vontade para realizar tarefas, são sintomas típicos de transtornos depressivos, mas também de demências, entre outros. Por isso, a melhor opção é consultar um profissional. Saiba mais sobre as causas de não ter vontade de fazer nada nesse artigo.

10. Dificuldade de se concentrar e tomar decisões: se você sente dificuldade na hora de pensar, raciocinar ou tomar decisões, consulte um ou uma profissional, pois é possível que seja sintoma de transtornos psicológicos.

11. Tem problemas de memória: a falta de memória ou de percepção da mesma, também são sintomas de problemas e doenças psicológicas, que podem ir desde um episódio de estresse até o início da doença de Alzheimer, logo vale a pena consultar com especialistas.

12. Você sente muito mais energia do que o normal: se você sente que está pensando mais rápido que o normal (taquipsiquia), que você tem muita energia, que não precisa dormir e se sente capaz de realizar projetos inteiros, é possível que você esteja apresentando sintomas de algum episódio ou transtorno psicológico.

13. Há coisas que te preocupam muito: você sente que se preocupa muito mais que os outros, e há certos temas que te sobrecarregam tanto que interferem em seu dia a dia. Você passa muito tempo pensando no mesmo tema e se sente nervoso ou nervosa frequentemente.

14. Há alguma situação pontual que te faz transbordar: você tem um pico de estresse devido à problemas familiares, mudanças no trabalho, oposições, término de relacionamento, uma mudança... qualquer evento que seja difícil de lidar. Um profissional te ensinará técnicas de relaxamento, de gestão emocional, de reestruturação cognitiva, de gestão do estresse ou o que seja necessário para o seu caso particular.

15. Não consegue seguir sua vida com naturalidade: há questões que interferem em sua vida diária normal. Por exemplo, você tem um medo que não te permite ter uma vida social saudável ou seu estado de humor te impede de desempenhar suas funções profissionais.

Quando devo procurar um psicólogo? - Quando devo procurar um psicólogo?

16. Não consegue aproveitar a vida: outro motivo pelo qual você deveria consultar um profissional é o fato de não poder aproveitar a vida. A anedonia, ou incapacidade de sentir prazer e desfrutar de atividades que antes eram prazerosas (hobbies, sexualidade...), é outro sintoma psicopatológico que vale a pena ser investigado.

17. Seu estado de humor muda constantemente: você sente que não tem um ponto médio, sempre se excede, não consegue encontrar equilíbrio em sua vida... a instabilidade emocional é muito incômoda e um sinal de alerta que pode indicar certos transtornos psicológicos, como o transtorno de personalidade limítrofe. É necessário consultar um ou uma profissional para receber uma avaliação de seu caso específico.

18. Você tem problemas com seu(sua) companheiro(a) que não consegue lidar: sejam problemas de comunicação, problemas sexuais ou qualquer situação que você sente que não tem ferramentas para lidar. Contar com ajuda psicológica será realmente útil para descobrir a origem dos problemas e chegar a um entendimento.

19. Você não quer ficar com seu(sua) companheiro(a), mas não consegue deixa-lo(a). Se seu relacionamento não te gera bem-estar, se você não se sente amado(a) e não quer continuar com a relação, se há mal-estar, mas você não consegue terminar, talvez você esteja em uma situação de dependência emocional. A ajuda profissional é chave para acabar com os falsos mitos do amor romântico, para reforçar sua autoestima e sair de situações prejudiciais, parar poder construir relações sadias e benéficas.

20. Faz muito tempo que você não tem um relacionamento, apesar de procurar: você sente mal-estar pelo fato de estar sem um(a) companheiro(a) e gasta tempo procurando por um(a). É possível que este desejo nasça do medo da solidão, talvez seus padrões de relacionamento sejam desajustados e suas relações não tenham sucesso... Pode estar relacionado a muitos fatores que um profissional poderá identificar e te ajudar a tratar.

21. Tem problemas do trabalho: não se sente à vontade com o trabalho que faz, suporta uma grande carga de trabalho e também não sabe colocar limites, está inserido em ambiente de trabalho ruim... Qualquer situação complicada que você vive no trabalho, exigirá estratégias para passar por ela e um profissional da psicologia pode te ajudar a adquiri-las.

22. Não tem amizades e isso te preocupa: outra ocasião na qual é necessário ir a um(a) psicólogo(a) é quando não se tem um lado social. Somos seres sociais e precisamos contar com uma rede de apoio, compartilhar com outras pessoas, nos sentirmos acompanhados(as) e parte de um grupo. Por isso, é possível que produza mal-estar não ter amizades. Talvez alguns traços de sua personalidade dificultem construir relações profundas, ou que suas habilidades sociais precisem ser treinadas, entre muitos outros motivos. Seja qual for, a ajuda psicológica será chave para superar essa situação.

23. Perde a calma com seus filhos(as) frequentemente: assim como no papel de companheiro(a), no papel de pai ou mãe, nossas vulnerabilidades podem ser observadas. Criar os filhos é uma tarefa complexa que requer equilíbrio psicológico e muitas habilidades.

24. Se compara com os outros constantemente: a comparação é um sinal de que sua autoestima é negativa e/ou instável. Ir ao psicólogo(a) te ajudará a se conhecer, se aceitar e se respeitar, construindo assim uma autoestima sadia. A autoestima é o eixo central que sustenta nosso bem-estar psicológico e é muito importante trabalhar com ela.

25. Possui algum vício: consumo de substâncias, jogo patológico, compras compulsivas, vício em trabalho... Existem vícios de muitos tipos, transtornos psicológicos com graves consequências que precisam de tratamento psicológico.

26. Seu entorno te recomenda isso. Há muitos sintomas psicopatológicos que passam desapercebidos para a pessoa que os apresenta ou que esta não é capaz de observar sua relevância. Se várias pessoas próximas te sugerem procurar um profissional, é motivo suficiente para fazer isso. Ao menos consulte para ter uma avaliação profissional da situação.

27. Não sabe como orientar sua vida: Quando devo procurar um(a) psicólogo(a)? Quando você não sabe do que gosta, do que te apaixona, não sabe o que estudar, que tipo de trabalho procurar, se sente perdido(a), sobrecarregado(a), não sabe o que fazer com sua vida... É possível que você esteja passando por uma crise existencial e que um psicólogo ou psicóloga possa te ajudar a se conhecer, se reencontrar e clarear suas ideias.

28. Tem hábitos pouco saudáveis: fumo, álcool, comida ruim, vida sedentária... Se sente identificado? A autoestima não é se sentir bem na frente do espelho, a autoestima é se cuidar física e emocionalmente, respeitar seu corpo e atuar de acordo com o que é melhor para você e sua saúde. O consumo de substâncias, a má alimentação, o descuidado pessoal, assistir tv de forma improdutiva, etc., são hábitos que denotam problemas de autoestima e que, além disso, servem para camuflar carências ou evitar problemas psicológicos que não se soube lidar. Uma das tarefas dos psicólogos e psicológicas é promover a saúde, ajudar a abandonar hábitos prejudiciais e implementar hábitos saudáveis, solucionando o mal-estar subjacente com estratégias adaptadas.

29. Quer se conhecer e entender melhor. Ir ao psicólogo te ajudará a saber como você é, a analisar seus pensamentos, a sentir suas emoções e compreender seus comportamentos. Você descobrirá cargas emocionais que talvez nem sabia que tinha, mas que estavam condicionando sua forma de agir. Poderá curar, melhorar e viver de forma mais consciente, e de acordo com seus valores e suas crenças. De forma geral, ir ao psicólogo ou psicóloga te ajudará a ter uma vida melhor.

30. Quer tratar pacientes: no caso de você querer se dedicar à psicologia clínica ou da saúde, e trabalhar como psicoterapeuta atendendo pacientes (ou até mesmo atender clientes como coach), creio que é imprescindível passar por um processo de psicoterapia para se conhecer com profundidade, ser consciente de suas próprias questões internas para poder manejá-las e para que elas não interfiram em sua terapia, sendo assim um bom ou uma boa profissional.

Neste artigo falamos dos motivos para jovens, adultos ou pessoas de idade procurarem um(a) psicólogo(a).

Como escolher um psicólogo ou psicóloga

Se você se sentiu identificado ou identificada com alguns dos pontos anteriores, talvez você tenha decidido iniciar um processo de psicoterapia com um profissional. Para escolher um bom psicólogo ou uma boa psicóloga, devemos ter em mente vários requisitos:

  • Formação acadêmica regulamentada. Uma pessoa que se dedica profissionalmente à psicologia, seja em qual ramo for, é obrigada a possuir o diploma oficial de Graduado(a) ou Licenciado(a) em Psicologia. Além disso, dentro de cada especialidade, outros títulos podem ser exigidos.
  • Especialização. Além da formação acadêmica, outro fator a se levar em conta ao escolher um profissional, é que este seja especializado na área específica que tem a ver com seu problema. Ou seja, que se dedique à uma categoria de pacientes, uma área ou uma fase da vida específica. Como vimos, a psicologia é muito ampla e um(a) psicólogo(a) que se dedica à psicologia forense pode não saber como lidar com pessoas com demência ou com crianças com dificuldades escolares. É importante saber que tipo de profissional se deve procurar em função da problemática apresentada. Por exemplo, uma profissional especializada em psicologia educativa, para tratar de problemas de aprendizagem; em psicologia clínica de adultos, quando se trata de transtornos psicológicos de ansiedade, depressão, transtornos de personalidade...; ou em terapia de casal, se você está consultando por problemas de relacionamento.
  • Atualização. Outro fator relevante é que o(a) profissional de psicologia esteja atualizado(a). A psicologia é uma ciência relativamente nova e em constante crescimento e mudança, em função dos resultados das pesquisas realizadas constantemente. Por isso, os profissionais da psicologia devem estar informados dos estudos recentes.
  • Comodidade. Um requisito imprescindível é que o profissional te transmita confiança. O mais provável é que você não se adapte com todos os profissionais e a forma de trabalhar de cada um deles. Logo, se você não está cômodo(a) com um profissional, se você não confia em suas técnicas ou sente que seus métodos não funcionam para você, não hesite em se expressar e procurar outro profissional se necessário. Um bom profissional pode te recomendar ou direcionar para outros profissionais que trabalham mais de acordo com suas necessidades.

Como é uma consulta com psicólogo(a)?

Na primeira consulta com o psicólogo ou psicóloga, geralmente é feita uma sessão de apresentação e avaliação. O mais provável é que o ou a profissional te pergunte o motivo da consulta, a sua situação atual e como foi a evolução do problema, com o objetivo de reunir a informação principal.

Por sua vez, o profissional também te explicará o funcionamento do processo de psicoterapia. Irá expor sua visão do problema ou situação apresentada, e como pode ser trabalhado. Te explicará como será o processo de avaliação e que técnicas serão utilizadas (testes, entrevistas, interconsultas, exames médicos...) para poder chegar a um diagnóstico ou à causa e explicação do problema apresentado. Também irá te explicar quais opções de tratamento existem, as diferentes técnicas e métodos que podem ser utilizados para ir solucionando e melhorando os vários aspectos da problemática.

Durante as primeiras sessões, os sintomas que você apresenta e seus traços de personalidade serão avaliados, para fazer um "raio x psicológico" de sua pessoa, tanto de sua forma de ser como de seu problema atual. Desta forma, o psicólogo ou psicóloga poderá adaptar as técnicas da forma que funcionarem melhor para você. Juntos ou juntas vocês estabelecerão alguns objetivos principais, que serão as linhas de trabalho iniciais, mesmo que frequentemente vão surgindo novos objetivos ao longo do processo.

Quando você vai ao psicólogo pela primeira vez, também deve observar os fatores mencionados anteriormente, sobre como escolher um bom profissional.

Quando devo procurar um psicólogo? - Como é uma consulta com psicólogo(a)?

Motivos para procurar um psicólogo ou psicóloga

Quais são os benefícios de ir ao psicólogo ou à psicóloga? A seguir veremos, de forma geral, as principais razões para ir a um psicólogo ou a uma psicóloga:

  • Não recebemos educação emocional suficiente. Todos e todas temos emoções, mas não temos nem ideia de como funcionam. Da mesma forma que temos pensamentos e nos comportamos de maneiras que muitas vezes não gostamos. Por quê? Geralmente não temos nem ideia de como funciona a mente e isso faz com que não entendamos nossa forma de pensar, de sentir e de agir. Ir ao psicólogo ajuda a obtermos estas informações.
  • Podemos deixar de sofrer. A mudança é possível, mas não é fácil. Exige conhecimento, tempo e prática. Há muitos transtornos psicológicos que possuem tratamentos eficazes estabelecidos e muitos problemas que podem ser solucionados através de técnicas psicológicas. Por isso, ir a um(a) psicólogo(a) sempre é bom.
  • Precisamos conhecer a nós mesmos(as). É fundamental saber quem somos e porque somos assim. Consultar um profissional da psicologia traz luz e clareza à estas questões.
  • Precisamos nos regular. Precisamos aprender a gerir nossas emoções de uma forma mais sadia e funcional, já que esta é a maneira de nos relacionarmos com nós mesmos(as), e com o mundo, de forma respeitosa e positiva.
  • Merecemos viver em paz. A principal razão para consultar um psicólogo ou qualquer outro profissional da saúde, é que você merece viver com bem-estar. Ir ao psicólogo ou à psicóloga é uma forma de se cuidar, da mesma forma que se nutrir corretamente e realizar os exames médicos regulares. Lembre-se que a saúde é o mais importante.

Quando parar de ir ao psicólogo ou à psicóloga

Uma das perguntas mais comuns é quanto tempo dura um tratamento psicológico, e quando se pode deixar de ir ao psicólogo. Estas perguntas não possuem uma resposta exata.

Não é necessário deixar de ir ao psicólogo, mesmo que, geralmente, as sessões são finalizadas quando a pessoa obteve os aprendizados suficientes, incorporou estratégias adequadas e realizou as mudanças necessárias para poder enfrentar por si mesma as situações futuras.

De acordo com a pessoa e, sobretudo, de acordo com sua patologia (ou problema), a duração da terapia irá variar. Por exemplo, existe a terapia breve, que utiliza menos de 20 sessões (normalmente, por volta de 10 sessões), que representaria entre 2 e 4 meses, aproximadamente. Por outro lado, um episódio depressivo geralmente requer entre 9 e 12 meses de tratamento, podendo se estender por muito mais tempo em casos de recorrência ou resistência.

Também dependerá da colaboração ou não colaboração, tanto do paciente, quanto de seu entorno próximo, e de sua aderência ao tratamento. Isto é, se as sessões e tarefas passadas são cumpridas.

De forma definitiva, o(a) psicólogo(a) é um(a) profissional de saúde que deve ser consultado e ao qual se deve ter o direito de consultar sempre que seja necessário.

Este artigo é meramente informativo, em Psicologia-Online não temos a capacidade de fazer um diagnóstico ou indicar um tratamento. Recomendamos que você consulte um psicólogo para que ele te aconselhe sobre o seu caso em particular.

Se pretende ler mais artigos parecidos a Quando devo procurar um psicólogo?, recomendamos que entre na nossa categoria de Psicologia clínica.

Bibliografia
  • American Psychiatric Association. (2014). Manual Diagnóstico y Estadístico de los Trastornos Mentales: DSM-5. Madrid: Editorial Médica Panamericana.
  • Caballo, V. E., Buela-Casal, G., y Sierra, J. C. (1996). Manual de evaluación en psicología clínica y de la salud. Siglo XXI de España Editores.
  • Ortiz, M. Á. C., Ucles, I. M. R. y del Barrio Gandara, V. (2013). Evaluación clínica: diagnóstico, formulación y contrastación de los trastornos psicológicos. Sanz y Torres.
  • Vallejo, M. A. (1998). Manual de terapia de conducta. Madrid: Dykinson, Vols I y II.
  • Watzlawick, P., & Nardone, G. (1997). Terapia breve strategica. Cortina.

Escrever comentário sobre Quando devo procurar um psicólogo?

O que lhe pareceu o artigo?

Quando devo procurar um psicólogo?
1 de 3
Quando devo procurar um psicólogo?

Voltar ao topo da página