Partilhar

Síndrome de Stendhal: causas, sintomas e tratamento

 
Por Anna Badia Llobet, Psicóloga e redatora. Atualizado: 17 setembro 2019
Síndrome de Stendhal: causas, sintomas e tratamento

Você alguma vez se sentiu ansioso ou aturdido na hora de contemplar arte? Sim, pode acontecer, e tem nome. Se trata de Síndrome de Stendhal, também conhecida como síndrome de Florença ou Firenze, estresse do viajante, síndrome da beleza ou “Stendhal syndrome” em inglês. É uma descompensação mental aguda caracterizada por fortes emoções e manifestações psicossomáticas. Também possui relação com a síndrome de Paris, com o qual tem algumas semelhanças, embora sejam síndromes diferentes.

Esta síndrome costuma ocorrer ao visitar outras cidades e contemplar obras de arte. Existem alguns fatores de risco e medidas preventivas que vale a pena conhecer.

Nesse artigo de Psicologia-Online, explicamos as possíveis causas, sintomas apresentados e tratamentos correspondentes a Síndrome de Stendhal.

Síndrome de Stendhal ou de Florença: o que é

A história da Síndrome de Stendhal tem início há um par de séculos atrás. Stendhal é o pseudônimo de Marie-Henri Beyle, o famoso novelista francês do século XIX e um homem de sensibilidade extrema que viajou a Nápoles em 1817 e visitou a basílica de Santa Cruz em Florença, onde podem ser encontrados frescos e pinturas além dos túmulos de sábios e artistas de grande relevância como Maquiavel e Galileu.

Nesse lugar, experienciou um fenômeno que descreveu no seu livro Nápoles e Florença: Uma viagem de Milão a Reggio:

Cheguei a esse ponto de emoção que cumpre com as sensações celestiais que brindam as Belas Artes e os sentimentos apaixonados. Ao sair de Santa Cruz, tinha um batimento irregular, a minha vida estava acabando, caminhava com medo de cair.

Mais tarde, em 1989, a Dra. Graziella Margherini foi a primeira a usar a terminação. Publicou os seus estudos depois de ano avaliando pacientes que, durante a sua visitas a tesouros artísticos de Florença, sofriam de um conjunto de sintomas similares. A psiquiatra italiana compilou estas manifestações sob o nome de síndrome de Stendhal.

Síndrome de Stendhal: causas

As causas da Síndrome de Stendhal ou Florença parecem ser as viagens de tipo cultural e artístico devido à saturação da capacidade humana para receber impressões de grande beleza artística em pouco tempo, uma vez que ocorre perante a experiência de contemplar obras de arte durante um período de tempo.

A síndrome está relacionada com viagens turísticas a cidades famosas cheias de arte e história como Florença, Paris, Atenas, Tóquio e Roma. Estas experiências interagem com a predisposição pessoal e com a descompensação mental, mas não se limita a pessoas com antecedentes psiquiátricos.

Síndrome de Stendhal: causas, sintomas e tratamento - Síndrome de Stendhal: causas

Síndrome de Stendhal: sintomas

A síndrome de Stendhal ou Florença apresenta episódios de início abrupto e de curta duração, ou seja, começam de forma repentina e podem durar entre umas horas e pouco mais de uma semana. Provoca sintomas psicofisiológicos como:

  • Sensação de falta de ar
  • Dor no peito
  • Elevação do ritmo cardíaco
  • Transpiração
  • Fadiga
  • Vertigem
  • Enjoo
  • Confusão
  • Desorientação
  • Visão turva
  • Alucinações
  • Sentimentos de euforia ou tristeza

A Dra. Magherini distingiu três apresentações clínicas: 66% dos pacientes referiram principalmente sintomas que afetavam o pensamento (delírios, alucinações, despersonalização), 29% apresentaram predominantemente sintomas relacionados com estado de humor (alterações emocionais, depressão, mania) e 5% sintomas de ansiedade característicos de um ataque de pânico (episódio agudo de ansiedade).

Síndrome de Stendhal: tratamento

Quanto ao tratamento da Síndrome de Stendhal, é importante saber que a síndrome é uma entidade polimórfica do ponto de vista clínico e, por esse motivo, deve ser abordada de forma individual. Costuma remitir em um período breve de tempo. Contudo, de forma geral, é necessário prevenir possíveis complicações através de psico-educação e estratégias necessárias para cada caso, assim como descartar comorbilidades através do diagnóstico diferencial.

A prevenção é a melhor opção e, para evitar sofrer da síndrome de sobredose de beleza, devem ser adotadas algumas medidas preventivas como o descanso, a hidratação, a alimentação correta e a proteção solar. Além disso, sabendo que o fato de possuir antecedentes psiquiátricos é um fator de risco importante, será prudente avaliar os pacientes com doenças mentais preexistentes antes de visitar lugares com grande importância pessoal e emocional. Outros fatores de risco a ter em conta incluem viver sozinho e ter recebido uma educação religiosa.

Síndrome de Stendhal: filme

Por último, é importante clarificar que a Síndrome de Florença não é um transtorno específico e definido, uma vez que não foi reconhecido como tal pela American Psychiatric Association (APA) nem pela Organização Mundial de Saúde (OMS). No entanto, o termo síndrome de Stendhal se popularizou devido ao filme “A síndrome de Stendhal” de 1996 dirigida pelo italiano Dario Argento que se converteu em uma referência romântica para referir-se à reação perante a acumulação de beleza e prazer artístico e estético.

Este artigo é meramente informativo, em Psicologia-Online não temos a capacidade de fazer um diagnóstico ou indicar um tratamento. Recomendamos que você consulte um psicólogo para que ele te aconselhe sobre o seu caso em particular.

Se pretende ler mais artigos parecidos a Síndrome de Stendhal: causas, sintomas e tratamento, recomendamos que entre na nossa categoria de Psicologia clínica.

Bibliografia
  • Amâncio, E. (2005). Dostoevsky and Stendhal´s sydrome. Arquivos De Neuro-Psiquiatria, 63(4), 1099-1103. doi: 10.1590/s0004-282x2005000600034
  • Arias, M. (2016). Neurología del éxtasis y fenómenos aledaños: epilepsia extática, orgásmica y musicogénica. Síndrome de Stendhal. Fenômenos autoscópicos. Neurologia. http://dx.doi.org/10.1016/j.nrl.2016.04.010
  • Guerrero, A., Barceló, A., Ezpeleta, D. (2010). Síndrome de Stendhal: origen, naturaleza y presentación en un grupo de neurólogos. Neurología. 2010;25(6):349-356
  • Nicholson, T., Pariante, C., & McLoughlin, D. (2009). Stendhal syndrome: a case of cultural overload. Case Reports, 2009(feb19 1), doi: 10.1136/bcr.06.2008.0317
  • Palacios-Sánchez, L., Botero-Meneses, J., Pachón, R., Hernández, L., Triana-Melo, J., & Ramírez-Rodríguez, S. (2018). Stendhal syndrome: a clinical and historical overview. Arquivos De Neuro-Psiquiatria, 76(2), 120-123. doi: 10.1590/0004-282x20170189

Escrever comentário sobre Síndrome de Stendhal: causas, sintomas e tratamento

O que lhe pareceu o artigo?

Síndrome de Stendhal: causas, sintomas e tratamento
1 de 2
Síndrome de Stendhal: causas, sintomas e tratamento

Voltar ao topo da página