Psicologia clínica

Somatização: o que é e como curá-la

 
Andrea Fernández García
Por Andrea Fernández García. 9 julho 2022
Somatização: o que é e como curá-la

Todos conhecemos ou vivemos em nossas próprias peles a situação de começar a doer a cabeça sem nenhum motivo aparente, ou outros tipos de desconforto. Então, você vai ao médico, mas ele/a também não encontrar nada claro, e você começa a se sentir pior e sem força. Quando você para e pensa, percebe que esteve submetido/a a muito estresse e isso te causou ansiedade.

Que relação estes desconfortos têm com a ansiedade? Por que ocorrem e como acalmá-los? Estamos falando de um fenômeno chamado somatização, que afeta mais a mulheres do que a homens em nossa sociedade e que, se não tratado de forma devida, pode chegar a produzir um transtorno psicológico: o transtorno por somatização ou de sintomas somáticos. Neste artigo de Psicologia-Online, falaremos sobre a Somatização: o que é e como curá-la, além de quais são seus sintomas e causas mais frequentes.

Índice
  1. O que é somatização
  2. Sintomas da somatização
  3. Causas da somatização
  4. Tipos de transtornos de somatização
  5. Como curar a somatização

O que é somatização

O que é somatizar? O termo somatização foi introduzido por Stekel (1943) como um processo hipotético através do qual uma neurose profundamente enraizada poderia causar um transtorno corporal. Posteriormente, surgiram posturas contrárias como a de Lipowski, que concebeu a somatização como uma tendência a experimentar mal-estar psicológico na forma de sintomas somáticos que o sujeito interpreta erroneamente como sinal de alguma doença física severa.

Hoje em dia, pode se definir a somatização como múltiplas doenças físicas cuja origem é psicológica. Segundo o DSM-V[1], as somatizações podem derivar em um transtorno de somatização, classificado dentro dos transtornos somatoformes, que atualmente conhecermos como transtorno de sintomas somáticos.

Características do transtorno de somatização

O transtorno de sintomas somáticos é definido como a presença de sintomas somáticos múltiplos e recorrentes durante um longo período de tempo. As características principais são sentir dor, dificuldade para respirar, fraqueza física, cansaço e podem variar de intensidade e de manifestação. A dor, normalmente, é o sintoma mais frequente e pode estar associada com pensamentos e comportamentos como os seguintes:

  • Preocupação excessiva sobre a possibilidade de sofrer alguma ou algumas doenças.
  • Associar os sintomas físicos como sinais de doenças graves.
  • Dificuldade para obter um diagnóstico médico claro devido a falta de provas e evidências.
  • Revisão constante do corpo buscando anormalidades.
  • Percepção dos sintomas como sendo mais intensos do que realmente quando sofre de uma condição médica.

O fato de que estes sintomas, normalmente, não possuam uma origem orgânica, faz com que os pacientes frequentem diferentes serviços de atenção médica com a finalidade de encontrar um diagnóstico e um tratamento definitivo. Como consequência, ao somatizar e suas causas não serem identificadas, podem aparecer diferentes psicopatologias como a ansiedade, o estresse e a depressão.

Geralmente, a doença somática ou transtorno de somatização começa no início da idade adulta, aproximadamente ao redor dos 30 anos, e sua prevalência na população geral é de 5 a 7%.

Sintomas da somatização

Os sintomas que uma pessoa que experimenta a somatização pode apresentar podem ser classificados nas seguintes categorias:

  • Dores: se manifestam em quatro ou mais áreas diferentes como a cabeça, o abdômen, as costas, as articulações, as extremidades, o tórax ou o reto.
  • Alterações gastrointestinais: presença de náuseas e inchaço abdominal.
  • Disfunções sexuais: menstruações irregulares em mulheres ou disfunção erétil ou ejaculatória em homens. Neste artigo você encontrará mais informações sobre os transtornos sexuais.
  • Alterações psiconeurológicas: coordenação e equilíbrio alterados, paralisia ou fraqueza muscular, dificuldades para engolir, afonia, sensação urinária, alucinações, cegueira, perda de consciência, entre outras.

Além dos sintomas da somatização mencionados anteriormente, a pessoa pode ter pensamentos, sentimentos ou comportamentos excessivos associados à preocupação com a saúde.

Somatização: o que é e como curá-la - Sintomas da somatização

Causas da somatização

A somatização foi associada muitas vezes aos transtornos de ansiedade. Neste sentido, e seguindo a definição oferecida por Lipowski, se entende por somatização a "transformação" da sintomatologia cognitiva e as alterações afetivas em doenças ou condições físicas reais que se agravam, ou surgem devido ao estresse e/ou devido a altos níveis de ansiedade sustentada no tempo.

Neste caso, entende-se que a somatização é a expressão afetiva em um plano físico. Desta forma, poderíamos determinar que a causa da somatização se encontra em uma aflição psicológica não tratada, geralmente associada à ansiedade ou às alterações afetivas.

Se você se pergunta o que causa a somatização, atualmente, não existe uma etiologia concreta e definida para explicar por que este fenômeno aparece, mas podemos concluir que existem diferentes fatores que indicam predisposição, mostrando uma vulnerabilidade e que explicam por que algumas pessoas a tem e outras não:

  • Fatores biológicos como ser mais sensível a dor.
  • Fatores genéticos.
  • Antecedentes familiares: histórico clínico familiar e pessoal de ansiedade ou depressão.
  • Fatores pessoais: nível educativo, menor percepção para identificar e processar as emoções, personalidade ansiosa ou neuroticismo.
  • Fatores ambientais: ter experimentado eventos vitais estressantes recentemente, desemprego, estresse social e fatores de reforço social ao mostrar queixas sobre doenças.
  • Vítimas de abuso sexual ou maltrato físico na infância.

Em alguns casos, cabe destacar que a somatização aparece devido à existência de outra patologia médica prévia como o câncer ou doenças cardíacas, entre outras.

Tipos de transtornos de somatização

Existem diferentes tipos de transtornos de somatização incluídos dentro do DSM-V. A seguir, te mostraremos quais são:

  • Transtorno de sintomas somáticos.
  • Transtorno de ansiedade por doença ou hipocondria.
  • Transtorno de conversão.
  • Transtorno com fatores psicológicos que influi em outras condições médicas.
  • Transtorno factício.

Como curar a somatização

Como deixar de somatizar? Este transtorno pode ser tratado através do enfoque da psicologia cognitivo-comportamental, já que, esta corrente leva em conta e se encarrega de trabalhar com os aspectos comportamentais, os pensamentos e outros aspectos psicológicos que podem estar prejudicando o funcionamento normal do paciente.

Este tratamento pode ajudar a aliviar os sintomas de dor, a tomar consciência da existência desta problemática, a controlar os pensamentos negativos recorrentes, a saber controlar o estresse e a ter um melhor bem-estar e qualidade de vida.

Nos casos que assim exigirem, também é importante trabalhar com o entorno e as cognições, de maneira que o indivíduo não possa obter benefícios sociais por manifestar suas queixas. O objetivo é eliminar reforçadores sociais que estejam diretamente implicados na manutenção da somatização.

Além disso, se o paciente sofre de outros transtornos psicológicos, como a depressão ou a ansiedade, buscar um profissional especializado nesta corrente poderia ser de grande ajuda. O tratamento farmacológico, utilizando remédios antidepressivos e/ou ansiolíticos, também é recomendado nestes casos para aliviar os sintomas da depressão ou a ansiedade. Uma combinação deste tratamento junto com o psicológico seria o mais recomendado pelos especialistas.

Somatização: o que é e como curá-la - Como curar a somatização

Este artigo é meramente informativo, em Psicologia-Online não temos a capacidade de fazer um diagnóstico ou indicar um tratamento. Recomendamos que você consulte um psicólogo para que ele te aconselhe sobre o seu caso em particular.

Se pretende ler mais artigos parecidos a Somatização: o que é e como curá-la, recomendamos que entre na nossa categoria de Psicologia clínica.

Referências
  1. American psychiatric association, (2014). Manual diagnóstico y estadístico de los trastornos mentales DSM – 5. Madrid, España. Editorial medica panamericana.
Bibliografia
  • Belloch, A., Sandín, B., Ramos, F., (2009). Manual de psicopatología, volumen II. Madrid. McGraw Hill / Interamericana de España, S.A.U.
Escrever comentário
O que lhe pareceu o artigo?
1 de 3
Somatização: o que é e como curá-la