Partilhar

É possível amar duas pessoas ao mesmo tempo?

 
Por Ana Díaz Azorín. 8 outubro 2019
É possível amar duas pessoas ao mesmo tempo?

Na cultura popular, tradicionalmente se tem relacionado o amor à união incondicional com outra pessoa, que te quer, respeita, deseja e aceita acima de tudo. Todos estamos familiarizados com as grandes ideias românticas sobre a alma gêmea, a metade da laranja, a cara metade. Contudo, hoje em dia existem cada vez mais vozes que defendem outras formas de conceber o amor e as relações. Talvez uma das mais conhecidas seja a que afirma que nenhuma pessoa é capaz de satisfazer todas as necessidades afetivas e sexuais de outra, por isso que recorrerem a várias pessoas para satisfazê-las. Ou seja, defendem a existência de vários amores. Estamos falando do poliamor, mas em que isso consiste exatamente? É possível amar duas pessoas ao mesmo tempo? O poliamor é para as pessoas que não se comprometem? Em Psicologia-Online te contamos.

Também lhe pode interessar: Como falar para uma pessoa que gosta dela

O que é poliamor

O poliamor é uma forma de "não monogamia" em consenso por todas as partes através da qual mulheres e homens estabelecem relações íntimas, emocionais e/ou sexuais com várias pessoas em simultâneo. O poliamor é diferente de outras formas de relações abertas, como a troca de casais, que faz com que os casais tenham relações sexuais ocasionais fora do relacionamento, especificamente sem nenhum vínculo emocional. Muitas vezes, também é confundida com a poligamia, prática na qual um indivíduo é casado com várias pessoas ao mesmo tempo.

As pessoas que praticam o poliamor podem ou não ser casadas, mas a diferença fundamental com a poligamia é que esta muitas vezes é praticada como poliginia, isto é, quando um homem se casa com várias mulheres. Geralmente, nessas relações, não é permitido que as mulheres tenham outros parceiros masculinos e também são proibidas de terem relações sexuais entre elas. O poliamor, ao contrário, permite que as mulheres tenham diversos parceiros, assim como os homens. Além disso, a poligamia costuma estar intimamente ligada à religião, que pode estar presente ou não no caso do poliamor.

É possível gostar de duas pessoas ao mesmo tempo?

No parágrafo anterior, estabelecemos as diferenças básicas entre o poliamor, troca de casais e poligamia. Assim, como foi dito, para estabelecer várias relações poliamorosas, é necessário o conhecimento e consentimento de todas as partes envolvidas e que hajam certos níveis de intimidade em todas elas. Neste artigo, o objetivo é ir um passo além:é possível gostar de duas pessoas ao mesmo tempo? É possível amar dois homens ao mesmo tempo? Pode-se estar apaixonado por várias pessoas ao mesmo tempo sem trair nenhuma?

Uma das características fundamentais do poliamor é que se rejeita a ideia de exclusividade, e qualquer um dos membros da relação pode ter diversos parceiros de qualquer gênero. Esta ideia bate de frente com as noções românticas amplamente difundidas na sociedade ocidental relacionadas com a fidelidade, lealdade e compromisso. Quando damos as costas a outros possíveis amantes, estamos confirmando para nossa parceira ou parceiro o quão especial é para nós. Em um mundo onde é tão fácil ser despedido, perder amizades, esquecer relações, passar despercebido, etc. a monogamia ganha uma importância sem igual: te confirma que, ao final do dia, sim, você é especial, ao menos para a pessoa que você ama.

Contudo, os defensores do poliamor questionam os ideais românticos relacionados com a monogamia, manifestando o seguinte paradoxo: à medida que se intensifica a necessidade de fidelidade, o mesmo ocorre com o impulso para a infidelidade. O fardo de delegar todas as nossas necessidades emocionais e desejos sexuais seria despretensioso para somente uma pessoa. Assim, um dos principais argumentos que os defensores do poliamor usam é a noção de que as necessidades emocionais e sexuais de algumas pessoas poderiam ser melhor satisfeitas com mais de uma pessoa. Isto também funcionaria ao contrário, aliviando a pressão de ter que satisfazer todas as necessidades de outra pessoa. Assim, uma relação desgastada poderia encontrar fôlego e ter suas energias renovadas.

Desta forma, as pessoas envolvidas em relações poliamorosas realmente podem se apaixonar por duas pessoas ao mesmo tempo, na medida que cada parceiro contribui de forma diferente, contribuindo com seu vínculo emocional, ao mesmo tempo que existe espaço entre ambos, já que o casal está envolvido com uma terceira pessoa, a qual fomenta o desejo.

É possível amar duas pessoas ao mesmo tempo?

A maioria da sociedade que rejeita a ideia do poliamor questiona se as pessoas podem amar várias pessoas ao mesmo tempo. É possível amar duas pessoas ao mesmo tempo e não estar louco? Como é possível ter várias relações em simultâneo? Como se comprometer com mais de uma pessoa?

De acordo com a teoria de Stenberg, o amor tem três componentes básicos: intimidade, paixão e compromisso.

  • A intimidade está relacionada com a proximidade, conexão e vínculos afetivos.
  • A paixão diz respeito ao intenso desejo e união com a outra pessoa.
  • O compromisso é o elemento pelo qual o casal decide permanecer unido a longo prazo.

Assim, os defensores do poliamor defendem que seria impossível manter várias relações ao mesmo tempo nas quais ocorrem as três características citadas. Para isso, estabelecem uma diferença fundamental entre fidelidade sexual e compromisso emocional. Desta forma, existiria um compromisso significativo em muitas relações poliamorosas, mas não de forma exclusiva. Conseguem isso investindo grandes quantidades de tempo e esforço para manter tais relações saudáveis, tratando de aprender até mesmo novas habilidades de comunicação, analisando seus problemas e buscando ativamente soluções satisfatórias.

Portanto, a comunicação é o pilar fundamental no qual se apoiam, devido ao fato de que precisam lidar com possíveis ciúmes que surjam, assim como definir claramente seus limites. As pessoas poliamorosas se comprometem em se tratar bem, a dizer a verdade, se ajudar a crescer e se apoiarem em tempos difíceis. Seus defensores mostram que o poliamor exige mais palavras que o relacionamento tradicional, já que investem muito tempo em dar explicações, em contar para cada um dos seus parceiros seus sentimentos e tudo o que está acontecendo.

Assim, através do poliamor, as pessoas envolvidas manifestam que é possível amar várias pessoas ao mesmo tempo, devido ao fato de que este tipo de vínculo contribui para eliminar de forma significativa o que Dan Savage aponta como inconvenientes da monogamia: tédio, desespero, falta de variedade, "morte sexual" e assumir a outra pessoa.

Como escolher entre duas pessoas?

Uma pergunta frequente a respeito do poliamor é se é uma forma de experimentação, na qual uma pessoa conhece várias durante um período de tempo, para depois escolher um(a) parceira(o) com a qual tenha formado um vínculo de maior intensidade, tenha mais coisas em comum, possa estabelecer planos futuros, etc.. A resposta a esta pergunta, segundo seus defensores, é que não.

O poliamor se sustenta na ausência de preferência, ou seja, não há primeiro nem segundo lugar, desta forma se evitam rivalidades e problemas de ciúmes, já que todos saberiam seu papel na relação, evitando ter de assim escolher entre duas pessoas e amando ambas.

O poliamor funciona?

O poliamor é uma forma de entender as relações amorosas que dá uma opção às pessoas que não se sentem confortáveis com os modelos tradicionais que não cobrem a enorme variedade de diversidade sexual e de gênero que existe hoje em dia.

Se o poliamor funciona, assim como qualquer outra relação, depende das pessoas envolvidas e de como se organizam. Portanto, o poliamor não é para todos. Pode ser um estilo de relação complexo e intenso que requer tempo e dedicação para se manter. Muitas pessoas podem preferir a simplicidade, a segurança e a exclusividade da monogamia.

Em suma, é possível gostar de duas pessoas ao mesmo tempo e até amá-las, mas é essencial te ruma mente aberta para este tipo de modelo de relação, ultrapassar o julgamento e estigma da sociedade e, como em qualquer relação monôgama, trabalhar para que os relacionamentos funcionem.

Este artigo é meramente informativo, em Psicologia-Online não temos a capacidade de fazer um diagnóstico ou indicar um tratamento. Recomendamos que você consulte um psicólogo para que ele te aconselhe sobre o seu caso em particular.

Se pretende ler mais artigos parecidos a É possível amar duas pessoas ao mesmo tempo?, recomendamos que entre na nossa categoria de Sentimentos.

Bibliografia
  • Conley, T. D., Moors, A. C., Matsick, J. L., & Ziegler, A. (2013). The fewer the merrier?: Assessing stigma surrounding consensually non‐monogamous romantic relationships. Analyses of Social Issues and Public Policy, 13(1), 1-30.
  • Perel, E. (2017). The state of affairs: Rethinking infidelity-A book for anyone who has ever loved. Hachette UK.
  • Sternberg, R. J. (1986). A triangular theory of love. Psychological review, 93(2), 119.
  • Sheff, Elisabeth. The polyamorists next door: Inside multiple-partner relationships and families. Rowman & Littlefield, 2013.
  • Sheff, E. (2011). Polyamorous families, same-sex marriage, and the slippery slope. Journal of Contemporary Ethnography, 40(5), 487-520.

Escrever comentário sobre É possível amar duas pessoas ao mesmo tempo?

O que lhe pareceu o artigo?

É possível amar duas pessoas ao mesmo tempo?
É possível amar duas pessoas ao mesmo tempo?

Voltar ao topo da página