Partilhar

Como aprender a amar

Como aprender a amar

Talvez o que mais te surpreenda neste título seja a concepção do amor como algo que pode ser aprendido. Será que é possível aprender a amar alguém? O amor não é algo que se sente e já está? O amor é um conceito abstrato, utópico, idealista..., um sentimento que cada um sente à sua maneira, mas amar, como verbo que é, é uma ação. Uma ação tão importante e com um impacto tão grande que pode mudar tanto a sua vida como a dos outros. Amar é fundamental, por isso, neste artigo de Psicologia-Online, vamos explicar como aprender a amar.

Também lhe pode interessar: Diferentes formas de amar alguém

É possível aprender a amar?

O verbo amar vem da ideia de amor, que é algo muito abstrato e difícil de definir. O amor é algo que se pensa, se sente e se faz: "Eu te amo", como você sabe "Porque eu sinto". Amar é algo que acaba se expressando em pequenos comportamentos: você pensa nessa pessoa, você se preocupa com ela, você cuida dela, você a mima, etc. E como todo comportamento que vai além da mera sobrevivência, se aprende.

Aprendemos a amar desde a infância, tendo a nossa família como modelo geral, mas também os filmes, desenhos, histórias, séries, etc. Todos eles nos mostram como amar através do tipo de relações que estabelecem, como interagem, como se tratam, como falam, como reagem, etc., e também contribuem para os nossos valores e crenças e para o próprio conceito de amor. Algumas dessas crenças nos ajudam a desenvolver relacionamentos saudáveis e outras dificultam esse trabalho para nós, razão pela qual nossos modelos e aprender a amar bem (do qual falaremos mais tarde) são tão importantes.

Como aprender a amar sem apegos

O apego é um ingrediente inerente do amor, portanto, é impossível aprender a amar sem apego. Amar uma pessoa é uma das consequências de ter estabelecido previamente um vínculo com ela. Esse vínculo é conhecido como apego, e existem diferentes tipos.

O tipo de apego é muito importante porque determina como amamos. Mary Ainsworth (uma psicóloga canadense conhecida por sua contribuição à teoria do apego) argumentou que o apego é definido pela relação com os pais e que, posteriormente, condiciona os tipos de relações que estabelecemos. Ela distinguiu quatro tipos de apego:

  • Apego seguro.
  • Apego evitante.
  • Apego ambivalente.
  • Apego desorganizado.

A primeira, o apego seguro, é aquela que nos permite estabelecer relações saudáveis e os outras nos levam a estabelecer relações disfuncionais. Ao detectarmos os comportamentos tóxicos da relação, podemos evitá-los e tentar amar melhor.

Como aprender a se amar

A primeira coisa para ser capaz de amar os outros saber como se amar a si mesmo/a, para aprender a amar seu corpo e sua mente. Se você não se ama corretamente, você não será capaz de amar bem os outros, mas você vai estabelecer padrões de dependência ou outros comportamentos tóxicos. E para se amar bem, aspectos como aprender a amar a solidão, estar bem e em paz consigo mesmo, gostar de si mesmo/a tanto fisicamente como na sua maneira de ser, saber estar sozinho/a, não se aborrecer, etc., são essenciais. Você pode seguir algumas das seguintes dicas para se amar:

  • Trabalhe a sua auto-estima seguindo os conselhos que explicamos no seguinte artigo: Como melhorar a auto-estima.
  • Encontre partes do seu corpo que você gosta e realce-as.
  • Exercite-se, contribua para o seu bem-estar emocional, saudável e físico.
  • Tenha uma boa noite de sono. Dormir bem também ajuda a regular o seu estado emocional.
  • Encontre aspectos positivos de si mesmo/a, da sua personalidade, da sua maneira de fazer e pensar, etc., e dê-lhes poder.
  • Mude os aspectos que você realmente não gosta ou que lhe causam angústia. Para isso, você pode sempre pedir ajuda a um profissional.
  • Alimente a sua mente. Ler, explorar, assistir documentários, experimentar, aprender sobre o que mais lhe interessa, etc.
  • Faça o que você quer. Passe tempo com os seus passatempos favoritos e explore novos.
  • Cuide de você. Ofereça um capricho a você mesmo/a, faça algo por você até mesmo peça aos outros para fazer algo por você.
  • Não seja tão exigente com você. Não existe perfeição e isso é algo a ter em mente. Fazer demasiadas exigências a si próprio pode fazer com que você chegue ao ponto de não conseguir sequer viver.
  • Se expresse. Nem todos os dias são bons e não podemos estar sempre de bom humor, permita-se a estar mal e dê tempo a você mesma/o.
Como aprender a amar - Como aprender a se amar

Como aprender a amar alguém

Para poder amar bem, além de se amar a si mesmo/a, é também importante ter sido bem amado/a, ter tido um apego seguro e exemplos de relacionamentos saudáveis. Para poder amar bem, é necessário:

  1. Livrar-se de ideais românticos. O modelo romântico do casal perfeito está incutido em nós desde a infância, parece bonito, mas na realidade está atormentado por crenças tóxicas que devem ser erradicadas (aqui vos deixo algumas, mas há muitas mais): não há meias laranjas e ninguém completa você, você já é um ser completo e outras pessoas serão fontes de reforço ou susceptíveis de receber seu amor, você não precisa da outra pessoa para ser feliz, sua felicidade não depende de ninguém, o ciúme não é um sinal de amor, é um sinal de possessividade e insegurança, o amor não pode fazer tudo, nem é uma desculpa para suportar atitudes intoleráveis ou sofrimentos desnecessários, o mito da exclusividade (amar uma pessoa não significa que você não pode gostar dos outros ou se sentir atraído por eles).
  2. Se conhecer a você mesmo/a. É importante conhecer-se bem, assim como amar a si mesmo, para saber o que quer, o que gosta e o que não gosta, como reage, como pensa, como se sente, etc., para poder expressar tudo isso e para que os outros também te conheçam.
  3. Ser fiel ao que você pensa e sente. Você não deve seguir o que está estabelecido apenas porque, existem muitos tipos de relacionamentos e ter um ou outro não significa que você ama mais ou menos, ou melhor ou pior. Você deve conhecer a si mesmo, conhecer seus limites e estabelecer a relação com a qual você se sente mais confortável.
  4. Querer conhecer a outra pessoa. Ter um interesse genuíno por ela e querer conhecê-la de verdade, aprender dela e com ela.
  5. Estabelecer limites. Os limites são importantes em qualquer relacionamento, tanto para preservar sua vida e não cair em dinâmicas de dependência ou assédio, como para manter o relacionamento saudável.
  6. Respeitarem-se uns aos outros. Respeite os limites, os desejos, os sentimento e a liberdade da outra pessoa, trate-a bem e respeite-a como pessoa.
  7. Amar não é possuir. Ninguém pertence a você e você não pertence a ninguém. Todos nós devemos ser pessoas livres que escolhem estar juntas livremente.
  8. Amar não é depender. E se você encontrar sinais de dependência, é importante começar voltando ao ponto de se amar a si mesmo.

Este artigo é meramente informativo, em Psicologia-Online não temos a capacidade de fazer um diagnóstico ou indicar um tratamento. Recomendamos que você consulte um psicólogo para que ele te aconselhe sobre o seu caso em particular.

Se pretende ler mais artigos parecidos a Como aprender a amar, recomendamos que entre na nossa categoria de Sentimentos.

Bibliografia
  • Fromm, E., & Rosenblatt, N. (1982). El arte de amar: Una investigación sobre la naturaleza del amor. Paidós.
  • Goicoechea, P. H. (2017). Educando la alegría. Desclée De Brouwer.
  • Shaffer, D. R., & Kipp, K. (2017). Developmental psychology: Childhood and adolescence. W. Ross MacDonald School Resource Services Library.

Escrever comentário sobre Como aprender a amar

O que lhe pareceu o artigo?
1 comentário
A sua avaliação:
Felipe Gomes
Olá Amei esse site

Como aprender a amar
1 de 2
Como aprender a amar

Voltar ao topo da página