Partilhar

Taxonomia de Bloom: o que é, para que serve e objetivos

 
Por Nerea Babarro Rodríguez, Psicóloga. 9 março 2020
Taxonomia de Bloom: o que é, para que serve e objetivos

Benjamin Bloom foi o criador da taxonomia de Bloom. Essa taxonomia classifica e ordena o aprendizado das pessoas, levando a uma melhor ação de planejamento dos profissionais docentes. Neste sentido, é uma ferramenta fundamental para o processo de ensino e aprendizagem, razão pela qual a maioria dos docentes a utilizam para estabelecer metas e objetivos de aprendizagem. Para conhecer e aprofundar mais sobre a criação de Benjamin Bloom, não hesite em continuar lendo este artigo de Psicologia-Online: taxonomia de Bloom: o que é, para que serve e objetivos.

O que é a taxonomia de Bloom: resumo

Como já mencionamos, Benjamin Bloom, doutor em Educação pela Universidade de Chicago, foi o criador da taxonomia de Bloom. Trata-se de uma taxonomia que classifica os domínios da aprendizagem, ou seja, uma lista que classifica as habilidades e os processos que podem aparecer nas tarefas educacionais escolares e, portanto, ficam sujeitos à avaliação. Assim, de acordo com essa taxonomia, entende-se que, depois de realizar um processo de ensino-aprendizagem, os alunos devem ter adquirido novas habilidades e novos conhecimentos.

Especificamente, Benjamin Bloom desenvolveu uma hierarquia dos objetivos educacionais que se pretende alcançar com os alunos. Deste modo, os alunos não podem alcançar os objetivos superiores sem antes ter alcançado os objetivos inferiores classificados na hierarquia. Dentro dessa hierarquia, três domínios são identificados: o cognitivo, o afetivo e o psicomotor, sobre os quais aprofundaremos a seguir.

Taxonomia de Bloom: objetivos

Os táxons ou grupos classificados (domínios) são estruturados hierarquicamente. Cada um desses grupos abrange diferentes subgrupos ou subáreas e, ao mesmo tempo, esses grandes grupos são condicionados e subordinados à grupos maiores. De modo que os grupos mais altos podem ser alcançados ou atingidos sem terem atingidos os grupos inferiores anteriormente.

Assim, como mencionamos, distinguem-se três objetivos educacionais ou domínios classificados hierarquicamente: o domínio cognitivo, o domínio afetivo e o domínio psicomotor.

Taxonomia de Bloom: níveis

1. Domínio cognitivo de Bloom

Esse domínio da taxonomia de Bloom refere-se à área intelectual dos alunos. Além disso, o domínio cognitivo compreende seis níveis ou subáreas que devem ser levados em consideração: conhecimento, compreensão, aplicação, análise, síntese e avaliação.

  • Conhecimento: esse nível refere-se ao conhecimento que os alunos devem ter sobre dados específicos e às formas e meios de tratar esses dados. Geralmente trata-se de elementos que devem ser memorizados.
  • Compreensão: para os alunos, esse nível consiste em capturar o sentido direto de uma comunicação, de um fenômeno ou da apreciação de um fato que aconteceu. Também cabe destacar que esse nível é subdividido em outros três níveis: transferência (trocar uma forma de informação por outra), interpretação (explicar o conceito de maneira personalizada) e extrapolação (determinar possíveis resultados ou consequências).
  • Aplicação: esse nível se refere à capacidade de aplicar as informações aprendidas em um caso ou problema real ou levantado hipoteticamente.
  • Análise: Nesse ponto, é quando as diferentes partes de um mesmo problema devem ser divididas para serem analisadas minuciosamente. Assim, compreendemos três tipos de análise: análise de elementos (identificar os elementos que compõem um todo), análise de relacionamentos (capturar os relacionamentos existentes no mesmo evento) e análise de princípios organizacionais (identificar linhas mestres que sustentam a estrutura do problema).
  • Síntese: refere-se à verificação dos elementos que compõem um todo, ou seja, a verificação das diferentes partes que compõem o problema ou situação a ser avaliada.
  • Avaliação: esse último nível inclui a atitude crítica que os alunos devem ter diante dos fatos que compõem o problema.

2. Domínio afetivo de Bloom

Nesse domínio da taxonomia de Bloom, os objetivos educacionais são baseados na consciência e no crescimento dos alunos quanto a atitudes, emoções e sentimentos (próprios e dos outros). Dentro do domínio afetivo, podem ser identificadas cinco subáreas, ordenadas hierarquicamente, do nível mais baixo ao mais alto, os quais devem ser alcançados de maneira ordenada: recepção, resposta, avaliação, organização e caracterização.

  • Recepção: nesse nível, os alunos devem ser capazes de prestar atenção e observar passivamente as emoções e atitudes próprias e das pessoas ao seu redor. Em outras palavras, trata-se de uma tomada de consciência de emoções e atitudes.
  • Resposta: os alunos devem participar ativamente de seu processo de aprendizagem, atendendo à estímulos (recepção) e reagindo a eles de uma maneira ou de outra.
  • Avaliação: os alunos devem atribuir valores aos objetos, fenômenos e/ou informações. Trata-se de um comportamento internalizado e consciente.
  • Organização: nesse nível, os alunos podem agrupar os diferentes valores atribuídos, as diferentes informações e ideias e acomodar todo esse conjunto dentro do seu próprio esquema mental. Deste modo, os alunos podem comparar, relacionar e elaborar todas essas informações aprendidas.
  • Caracterização: nesse nível, os alunos já forjaram um valor ou crença particular que influência no seu comportamento, tornando-se uma característica pessoal.

3. Domínio psicomotor de Bloom

Os objetivos educacionais do domínio psicomotor referem-se à mudança desenvolvida no comportamento, na destreza e/ou nas habilidades psicomotoras dos alunos, como por exemplo, a manipulação de objetos com as mãos. Esse domínio da taxonomia de Bloom compreende cinco subáreas a serem consideradas: percepção, predisposição, resposta guiada, resposta mecânica e resposta completa e clara.

  • Percepção: esse é o primeiro dos níveis e consiste em que os alunos tomem consciência do mundo exterior que os rodeia através dos sentidos.
  • Predisposição: os alunos devem demonstrar estar preparados fisicamente, mentalmente e emocionalmente para poder realizar as atividades determinadas.
  • Resposta guiada: nesse nível, os alunos são orientados pelo professor ou por instruções que os acompanham para realizar determinadas ações, ou seja, se trata de realizar ações por meio de auxílios que posteriormente serão retirados no devido momento.
  • Resposta mecânica: quando os alunos realizaram as ações guiadas várias vezes, gerando uma resposta mecânica para tais ações. Portanto, esse nível representa o momento prévio ou anterior da resposta se tornar uma resposta automatizada habitual.
  • Resposta completa e clara: esse nível refere-se ao momento no qual os alunos são capazes de realizar tais ações de maneira eficaz e eficiente, sem a necessidade de qualquer ajuda.

Para que serve a taxonomia de Bloom

A taxonomia de Bloom é muito fácil e eficaz para estabelecer objetivos de aprendizagem para os alunos e, assim, planejar o processo de ensino-aprendizagem. No entanto, cabe destacar que para realizar um bom planejamento do processo de aprendizagem dos alunos, é essencial esclarecer uma série de aspectos. Mais especificamente, a área de aprendizagem, os objetivos propostos, os instrumentos e ferramentas de avaliação e as atividades a serem realizadas devem ser claras.

Taxonomia de Bloom: verbos

Depois de realizar as atualizações e revisões relevantes da taxonomia de Bloom, considerou-se necessário realizar uma modificação específica: alterar o uso de substantivos pelo uso de verbos. Os verbos da taxonomia de Bloom atualizada referem-se ao fato de usar verbos, e não substantivos, para descrever os objetivos educacionais ou níveis que encontramos dentro do processo de ensino-aprendizagem. Por exemplo, alguns desses verbos são aplicar (aplicação), avaliar (avaliação), definir (definição), interpretar (interpretação), entre outros.

O fato de classificar os objetivos educacionais da taxonomia de Bloom atualizada por meio de verbos, permite que os profissionais obtenham uma maior clareza sobre as ações que seus alunos devem colocar em prática. No entanto, cabe destacar que esses verbos são empregados apenas no domínio cognitivo e em suas subáreas ou níveis.

Os verbos utilizados não são a base da classificação taxonômica ou taxonomia de Bloom, mas correspondem ao nível lógico, psicológico e pedagógico que inclui o objetivo esperado do aluno.

Taxonomia de Bloom: tabela

A tabela utilizada na taxonomia de Bloom refere-se a uma tabela de verbos relacionados com a descrição ou definição de cada um dos objetivos educacionais determinados, geralmente no caso do domínio cognitivo e suas subáreas.

Neste sentido, trata-se de confeccionar uma tabela em que os objetivos educacionais a serem cumpridos pelos alunos apareçam ordenadamente e classificada sequencialmente. Cada um desses objetivos corresponde, em uma coluna contígua, a sua descrição e, na coluna seguinte, aos verbos relacionados, como você pode consultar na imagem seguinte.

Como exemplo, encontramos o primeiro objetivo “Conhecimento”, que é definido como reconhecimento de informações aprendidas anteriormente e ao qual os verbos são atribuídos, como: escrever, descrever, identificar, numerar, listar, definir, entre outros. Assim, é uma maneira mais esclarecedora de organizar os objetivos educacionais estabelecidos pelos profissionais docentes.

Taxonomia de Bloom: o que é, para que serve e objetivos - Taxonomia de Bloom: tabela
Imagem: slideshare

Este artigo é meramente informativo, em Psicologia-Online não temos a capacidade de fazer um diagnóstico ou indicar um tratamento. Recomendamos que você consulte um psicólogo para que ele te aconselhe sobre o seu caso em particular.

Se pretende ler mais artigos parecidos a Taxonomia de Bloom: o que é, para que serve e objetivos, recomendamos que entre na nossa categoria de Educação e técnicas de estudo.

Bibliografia
  • Aliaga, S.W. (2011). Taxonomía de Bloom. Universidad Cesar Vallejo.
  • Guzmán, H. (2007). Aspectos conceptuales, metodológicos y operativos de los objetivos de aprendizaje. Educación Médica: Gaceta Médica Boliviana, 72-79.

Escrever comentário sobre Taxonomia de Bloom: o que é, para que serve e objetivos

O que lhe pareceu o artigo?

Taxonomia de Bloom: o que é, para que serve e objetivos
Imagem: slideshare
1 de 2
Taxonomia de Bloom: o que é, para que serve e objetivos

Voltar ao topo da página