menu
Partilhar

Teste do relógio: o que é e como fazer

 
Por Sara Sanchis, Psicóloga especializada em Crescimento Pessoal. 2 fevereiro 2024
Teste do relógio: o que é e como fazer
Imagem: Reprodução/O Credencial

O "teste do relógio" é uma avaliação cognitiva utilizada no âmbito da saúde para auxiliar na detecção de possíveis problemas cognitivos, especialmente na área da memória e funções cognitivas complexas. Este exame é utilizado para avaliar aspectos como a orientação temporal, a capacidade de planejamento e organização, fornecendo informações valiosas sobre o estado cognitivo geral da pessoa avaliada.

Através da tarefa de desenhar um relógio indicando uma hora específica, geralmente às 11:10, podem-se observar habilidades como a memória, a atenção e a execução de tarefas simples. Neste artigo de Psicologia-Online, explicaremos em detalhes o teste do relógio: o que é e como fazer. Confira!

Também lhe pode interessar: Teste psicológico do bosque

O que é o teste do relógio

O teste do relógio, criado por Battersby e seus colaboradores no início do século XX, surgiu originalmente como uma ferramenta para detectar lesões secundárias decorrentes de certos traumatismos cerebrais. Ao longo das últimas três décadas, este instrumento evoluiu e consolidou-se como uma ferramenta válida para analisar as funções cognitivas superiores, bem como para rastrear e detectar possíveis anomalias nessas funções.

Sua disseminação e uso generalizado se devem, em parte, à sua aplicação ser simples e rápida, tornando-o uma opção eficiente para realizar triagens e discriminar facilmente os casos que apresentam certas alterações cognitivas.

Assim, o teste do relógio tornou-se uma ferramenta valiosa devido à sua capacidade de avaliar diversas funções cognitivas superiores. Entre as funções executivas que aborda, podemos citar:

  • Concentração;
  • Compreensão verbal;
  • Memória semântica;
  • Memória episódica;
  • Planejamento mental;
  • Raciocínio;
  • Perseverança.

Este instrumento é utilizado em diversos contextos clínicos e de pesquisa, fornecendo informações valiosas sobre o estado cognitivo dos indivíduos avaliados. Sua aplicação se estende a campos como a neuropsicologia, psiquiatria e geriatria, sendo especialmente útil na avaliação de transtornos neuropsiquiátricos e na monitorização do declínio cognitivo associado ao envelhecimento. Sua versatilidade e capacidade de avaliar múltiplas dimensões cognitivas aumentaram sua relevância no âmbito da avaliação neuropsicológica.

Descubra mais sobre as funções executivas em nosso artigo sobre os tipos de memória.

Como fazer o teste do relógio

A aplicação do teste do relógio é bastante simples. A seguir, explicamos como ele é realizado:

  1. Apresentação do material: o indivíduo recebe uma folha de papel em branco com um círculo desenhado no centro e um lápis;
  2. Instruções iniciais: solicita-se à pessoa que imagine que o círculo representa a esfera de um relógio e que deve desenhar o relógio de modo a indicar uma hora específica;
  3. Teste da hora: pede-se ao indivíduo que desenhe os ponteiros do relógio indicando uma hora específica, por exemplo, "desenhe os ponteiros do relógio marcando 10:05". É importante informar que não há limite de tempo e que a atividade pode ser realizada com calma;
  4. Avaliação: observa-se como a pessoa realiza o desenho em termos de orientação espacial (os ponteiros estão posicionados corretamente em relação aos números do relógio?), planejamento (os ponteiros estão na proporção certa e mostram a hora indicada?) e execução motora (o desenho é claro e legível?);
  5. Pontuação: pode-se atribuir pontos com base em critérios específicos, como, por exemplo, dar pontos para cada ponteiro desenhado e posicionado corretamente.

Na versão de Cacho-Gutiérrez et al. (1999), após essa fase inicial, é aplicada uma segunda versão do teste chamada "cópia de relógio" (CDT-C). Neste segundo caso, também é fornecido um lápis e uma borracha às pessoas. Nem todos os autores concordam com a adequação de administrar esta segunda versão do teste.

Teste do relógio: o que é e como fazer - Como fazer o teste do relógio

Como interpretar os resultados do teste do relógio

A interpretação dos resultados do teste do relógio pode variar de acordo com a abordagem específica do profissional de saúde mental ou neuropsicólogo que o aplica. No entanto, aqui estão algumas diretrizes gerais para interpretar os resultados:

  • Distribuição dos números: um relógio com todos os números corretamente distribuídos indica boa orientação espacial e compreensão do formato do relógio;
  • Ponteiros corretos: ponteiros desenhados e posicionados corretamente sugerem habilidades adequadas de planejamento e execução motora.;
  • Precisão da hora indicada: a precisão ao desenhar os ponteiros de acordo com a hora indicada fornece informações sobre a função cognitiva relacionada à memória e compreensão do tempo;
  • Erros específicos: alguns erros comuns incluem esquecer números, colocar ponteiros errados ou desenhar apenas um ponteiro. Esses equívocos podem indicar deficiências em áreas específicas, como memória, atenção ou percepção;
  • Símbolos adicionais: a inclusão de detalhes desnecessários ou símbolos extras no relógio pode indicar distração, confusão ou problemas de concentração;
  • Avaliação do conjunto: é importante avaliar o conjunto do desenho e não focar apenas em erros específicos. A interpretação deve considerar a combinação de fatores para obter uma compreensão mais completa das funções cognitivas do indivíduo;
  • Comparação com a norma: algumas avaliações do teste do relógio incluem normas específicas para comparar os resultados do indivíduo com a população em geral. Isso pode fornecer uma referência útil para identificar possíveis deficiências cognitivas.

Como se pontua o teste do relógio

Quanto à pontuação, ela é atribuída com base em uma variedade de critérios. No máximo, são dados os seguintes pontos:

  • 2 pontos para o desenho do círculo;
  • 4 pontos para o desenho dos números;
  • 4 pontos para o desenho dos ponteiros.

De acordo com estudos científicos, a nota de corte que diferencia entre pessoas saudáveis e aquelas com relativa deterioração cognitiva está no número 6. Assim, pessoas com uma pontuação alta de 6 ou mais não apresentam nenhum tipo de alteração, enquanto uma pontuação de 6 ou menos é um claro indicativo da presença de certos desajustes e/ou deterioração cognitiva.

Apesar do resultado final obtido no teste ser determinante para confirmar a suspeita de deterioração cognitiva, a observação do processo de execução revela diversas dificuldades e alterações cruciais. Embora o teste do relógio ofereça muitas vantagens em termos de administração e capacidade de triagem, é fundamental conduzir estudos mais aprofundados para detalhar um diagnóstico preciso e definitivo da condição cognitiva do indivíduo.

Este artigo é meramente informativo, em Psicologia-Online não temos a capacidade de fazer um diagnóstico ou indicar um tratamento. Recomendamos que você consulte um psicólogo para que ele te aconselhe sobre o seu caso em particular.

Se pretende ler mais artigos parecidos a Teste do relógio: o que é e como fazer, recomendamos que entre na nossa categoria de Testes Psicológicos.

Bibliografia
  • Mencacci, L.A. (2020). Test del dibujo del reloj: Nuevos criterios de puntuación. Areté, 1-8.

Escrever comentário

O que lhe pareceu o artigo?
Teste do relógio: o que é e como fazer
Imagem: Reprodução/O Credencial
1 de 2
Teste do relógio: o que é e como fazer

Voltar ao topo da página