Sentimentos

Limerência: como identificar se tenho

 
Equipe editorial
Por Equipe editorial. 14 outubro 2022
Limerência: como identificar se tenho

O amor é um dos sentimentos mais bonitos que existe neste mundo e são muitas as pessoas que desejam viver um relacionamento de casal que seja romântico e profundo. O problema surge quando um dos membros do casal manifesta comportamentos de apego tão intensos que se convertem em patológicos e negativos.

Apesar de que a etapa de paixão geralmente é acompanhada de diferentes emoções, o normal é que pouco a pouco as sensações se equilibrem para firmar a relação. Se isto não acontecer, é possível que se esteja diante de um caso de limerência que causará muito estresse e ansiedade na relação. Neste artigo de Psicologia-Online, Limerência: como identificar se tenho, você descobrirá toda a informação de que precisa, já que te diremos o que é a limerência e as chaves para reconhecê-la.

Também lhe pode interessar: Como saber se tenho obsessão por alguém
Índice
  1. O que é a limerência
  2. Presença de pensamentos obsessivos e intrusivos ao longo do dia
  3. Dependência emocional excessiva
  4. Necessidade compulsiva de que sintam o mesmo por você
  5. Perde sua própria essência
  6. Medo excessivo da rejeição
  7. Foco obsessivo permanente
  8. A vida real acontece em segundo plano
  9. Procura a validação de seu/sua companheiro/a para tudo
  10. Idealização excessiva
  11. Comportamentos compulsivos permanentes
  12. Falta de controle emocional e ideias suicidas
Ver mais >>

O que é a limerência

A limerência, também conhecida como "amor obsessivo" é um estado mental em que a pessoa manifesta alterações ou obsessões permanentes pelo/a companheiro/a com a necessidade de ser amado e correspondido, o que pode desencadear um apego excessivo pela outra pessoa.

Trata-se de uma espécie de excitação emocional que implica euforia e desespero e que pode se confundir com a paixão ou o amor à primeira vista. Este termo foi cunhado no ano de 1970 pela psicóloga estadunidense Dorothy Tennov, que afirmou que as pessoas possuem emoções fascinantes pelo/a companheiro/a, sobretudo nos primeiros momentos da relação.

Por outro lado, como no primeiro momento não soa tão exagerado o fato de estar cativado por alguém e seus sintomas não são conhecidos, a limerência geralmente passa despercebida. No entanto, há uma sutil diferença entre amor e limerência. A seguir, te mostraremos os principais sinais para saber que você está caindo na limerência e não no amor equilibrado e sadio.

Presença de pensamentos obsessivos e intrusivos ao longo do dia

Se seus pensamentos sobre seu/sua companheiro/a te consomem o dia todo e até mesmo te impedem de pegar no sono, pode ser que esteja diante de um dos principais sintomas da limerência. Dessa forma, pode ser que também fantasie e deseje de maneira obsessiva estar com a pessoa amada, até o ponto de imaginar um futuro juntos, mesmo que leve pouco tempo em uma relação.

Isto se diferencia do amor, já que os momentos que vivem não criam uma conexão emocional verdadeira por estar constantemente em um estado de ansiedade que não permite a solidez na relação.

 

Dependência emocional excessiva

Outro dos sintomas da limerência é que terá um forte anseio de que correspondam seus sentimentos com a mesma força que você os experimenta. No entanto, lembre-se de que cada realidade é diferente e os sentimentos não podem ser forçadas.

Quando você tem limerência, experimenta um estado de ansiedade permanente, similar ao que as pessoas que possuem alguma dependência emocional ou vício sentem. Inclusive pode experimentar mudanças bruscas de humor, depressão, raiva e está em uma vigília constante porque pensa que em qualquer momento vão te abandonar.

Limerência: como identificar se tenho - Dependência emocional excessiva

Necessidade compulsiva de que sintam o mesmo por você

Se você está passando por um estado de limerência, é possível que precise que seu/sua companheiro/a sempre expresse que sente o mesmo por você. Por isso, a cada momento pedirá sinais ou provas de amor para que essa pessoa te demonstre seus sentimentos.

Este tipo de ações é improdutivo porque o desespero intenso por forçar que os sentimentos dessa outra pessoa sejam recíprocos geralmente causa desconforto.

Perde sua própria essência

A fantasia é o que preenche a maior parte do tempo nos relacionamentos de uma pessoa com limerência, e assim se perde a essência e a noção da realidade. Da mesma forma, ao criar uma visão da realidade tão limitada, a relação não se aprofunda e se torna muito vulnerável.

Trata-se de um estado de ilusão permanente que se baseia em uma versão fantasiosa construída e que se afasta da verdadeira satisfação das necessidades pessoais.

Medo excessivo da rejeição

Com a limerência se manifestam sintomas físicos e somáticos diante da menor forma de rejeição e a pessoa tende a hiperventilar, sente tremores, taquicardias e ansiedade permanente. Estes sintomas limitam o fortalecimento do casal, visto que criam um clima incômodo e negativo entre ambas as partes.

Se você quer saber mais sobre este tema pode ler o artigo como superar o medo da rejeição.

Limerência: como identificar se tenho - Medo excessivo da rejeição

Foco obsessivo permanente

Quer conhecer outro dos traços da limerência? A obsessão permanente é um dos traços mais característicos da limerência. É usual que os pequenos detalhes da rotina diária se convertam em focos de obsessão e queira saber o que seu/sua companheiro/a está fazendo o tempo todo, com quem fala e que queira ter controle absoluto de sua rotina diária.

Os ciúmes também são um traço da limerência, já que sempre estará pensando que seu/sua parceiro/a irá te substituir por outra pessoa.

A vida real acontece em segundo plano

Com a limerência, as pessoas perdem o foco de sua própria vida e começam a falhar em outras áreas a nível pessoal, familiar e profissional. Toda sua energia se centra em estar com seu/sua companheiro/a, sendo que é provável que descuide de suas obrigações.

De fato, em alguns casos chegam a considerar que a vida real tira tempo que poderia estar nos braços do amado e começa a se tornar uma obsessão que pode impedir o sucesso em outros aspectos.

Procura a validação de seu/sua companheiro/a para tudo

A limerência faz com que a única coisa importante para você seja a aprovação de seu/sua companheiro/a. Assim, não existe reciprocidade nos sentimentos, mas um anseio constante por se sentir aprovado/a que esconderá sua própria personalidade.

Por outro lado, tampouco te importará conhecer a história nem as emoções de seu/sua companheiro/a e acabará deixando-as passar batido sem se dar conta disso.

Idealização excessiva

Outro dos traços da limerência é que a pessoa coloca seu/sua parceiro/a em um pedestal, o que pode impedi-la de ver algum sinal negativo ou perigoso de seu comportamento. A idealização é construída a partir da fantasia do que quer ver e não da realidade coerente. Por isso, pode ser algo perigoso que te afasta da realidade.

Limerência: como identificar se tenho - Idealização excessiva

Comportamentos compulsivos permanentes

Como existe o medo permanente ao abandono, a limerência leva a desenvolver comportamentos compulsivos como mensagens e chamadas permanentes, conversações intermináveis para averiguar a rotina do/a parceiro/a, entre outras coisas incômodas e irritantes.

Falta de controle emocional e ideias suicidas

Este é um dos traços mais perigosos e complicados da limerência, já que as pessoas que sofrem com ela sentem que não podem viver sem seu ser amado. Este fato por provocar uma depressão profunda e, no pior dos casos, ideias suicidas.

Além disso, nestes casos o controle das emoções é muito escasso, portanto, surgem discussões, estresse e atitudes compulsivas constantes.

Este artigo é meramente informativo, em Psicologia-Online não temos a capacidade de fazer um diagnóstico ou indicar um tratamento. Recomendamos que você consulte um psicólogo para que ele te aconselhe sobre o seu caso em particular.

Se pretende ler mais artigos parecidos a Limerência: como identificar se tenho, recomendamos que entre na nossa categoria de Sentimentos.

Bibliografia
  • Fisher, H. E., Aron, A., Mashek, D., Li, H., & Brown, L. L. Fisher et al 2002 Sistemas cerebrales de Lujuria, Atracción y Apego.
  • Vicente, A. B. I. Un viaje transgeneracional a través del vínculo de pareja.
Escrever comentário
O que lhe pareceu o artigo?
1 de 4
Limerência: como identificar se tenho