Psicologia social

Raciocínio lógico-dedutivo: características, tipos e exemplos

 
Gianluca Francia
Por Gianluca Francia, Psicólogo. 7 novembro 2022
Raciocínio lógico-dedutivo: características, tipos e exemplos

Quando você sente que chegou a uma conclusão graças a elementos que te proporcionaram dados genéricos, mas claramente destinados a levarem a este tipo de solução, trata-se de um processo de raciocínio lógico-dedutivo. Os elementos deste pensamento estão tão conectados entre si que através de uma série de considerações lógicas se chega a conclusões e princípios que confirmam a premissa, mas não fornecem informações novas.

Neste artigo de Psicologia-Online te explicaremos em profundidade o Raciocínio lógico-dedutivo: características, tipos e exemplos.

Índice

  1. O que é raciocínio lógico-dedutivo
  2. Características do raciocínio dedutivo
  3. Tipos de raciocínio dedutivo
  4. Exemplos de raciocínio dedutivo
  5. Diferença entre raciocínio dedutivo e indutivo

O que é raciocínio lógico-dedutivo

O que é o raciocínio lógico-dedutivo? O método dedutivo ou dedução é o procedimento racional que permite chegar a uma conclusão de premissas mais genéricas nas quais essa conclusão se encontra implícita.

O termo significa literalmente «conduzir desde», porque provém do latim "de", que se traduz como desde, preposição que indica procedência, ou movimento de descida de cima para baixo, e "ducere", que quer dizer conduzir.

No seguinte artigo você encontrará os Tipos de raciocínio e suas características.

Características do raciocínio dedutivo

A introdução do conceito de dedução ou método dedutivo se deve a Aristóteles, que a identificou substancialmente com o silogismo. Este método parte de postulados e premissas que, através de uma série de rigorosas concatenações lógicas, procede até determinações mais particulares relativas à realidade tangível. Os raciocínios dedutivos são, portanto, raciocínios nos quais as premissas, se verdadeiras, garantem a verdade da conclusão.

Desta forma, a conclusão de um raciocínio dedutivo correto não pode ser falsa, supondo que suas premissas sejam verdadeiras. Isto é o que significa etiquetar um raciocínio como "válido" na lógica. Assim, a estrutura de um raciocínio dedutivo é um aspecto fundamental a se ter em conta na hora de realizar estes tipos de raciocínios.

Raciocínio lógico-dedutivo: características, tipos e exemplos - Características do raciocínio dedutivo

Tipos de raciocínio dedutivo

Quais são os tipos de raciocínio dedutivo? As formas típicas de raciocínio dedutivo são o silogismo e o raciocínio condicional (se...então). A estrutura do silogismo é constituída por duas premissas e uma conclusão, esta última unida às primeiras por uma relação de necessidade lógica. As premissas podem ser:

  • Universais afirmativas: todos os x são y.
  • Universais negativas: sem x e y.
  • Particulares positivas: alguns x e y.
  • Particulares negativas: alguns x não são y.

Exemplos de silogismo

Os silogismos se caracterizam pelos 16 modos nos quais podem se combinar as estruturas das premissas e pelas quatro figuras que pode assumir o termo médio, que está presente em ambas as premissas, mas não aparece na conclusão. A seguir, te mostraremos um exemplo de silogismo:

  • Todos os homens são mortais;
  • Todos os gregos são homens;
  • Todos os gregos são mortais.

No entanto, há casos nos quais o silogismo inválido é facilmente reconhecível:

  • Todos os franceses são homens;
  • Todos os espanhóis são homens;
  • Todos os espanhóis são franceses.

Por outro lado, também existem outros casos em que é mais difícil detectar um silogismo inválido, já que a conclusão é factualmente correta:

  • Todos os espanhóis amam o futebol;
  • Todos os madrilenos amam o futebol;
  • Todos os madrilenos são espanhóis.

Erros no método dedutivo

O mais clássico dos problemas de raciocínio dedutivo se caracteriza pelo silogismo condicional, expressado por uma premissa maior de tipo "se p então q" e uma premissa menor representada pela afirmação ou negação de antecedente e consequente: "p", "não-q", "q" e "não-p". Consequentemente, existem quatro silogismos condicionais.

A maioria das pesquisas sobre o raciocínio condicional demonstraram que as pessoas tendem a cair em falácias e possuem mais dificuldades para aceitar como válida a conclusão do modus tollens, mas não têm grandes problemas com temas em forma modus ponens.

A presença de falácias e outros tipos de erros fez com que o raciocínio dedutivo se converte em um tema de interesse, especialmente nas últimas décadas, quando começaram a questionar as habilidades do raciocínio humano.

Raciocínio lógico-dedutivo: características, tipos e exemplos - Tipos de raciocínio dedutivo

Exemplos de raciocínio dedutivo

Uma disciplina típica que utiliza o pensamento dedutivo para chegar às soluções é a matemática. O matemático chega à conclusão racional de que se sabe que a soma dos ângulos internos de um triângulo é igual a 180 graus e conhece as medidas de dois dos três, será capaz de deduzir a amplitude do terceiro ângulo, sem que um triângulo assim tenha alguma vez se apresentado diante de seus olhos.

Neste sentido, se diz que o raciocínio dedutivo é um raciocínio capaz de expressar um juízo sobre a realidade examinada inclusive antes de experimentar essa realidade. Voltando ao exemplo do triângulo, cada um de nós pode dizer que se a amplitude de dois ângulos é de 60 graus, então o terceiro também será de 60 graus, independentemente de se o terceiro ângulo foi medido com um transferidor.

Diferença entre raciocínio dedutivo e indutivo

Este processo do conhecimento, que para definir com seu termo específico chamaremos gnosiológico, é oposto ao raciocínio indutivo. Ambos os termos têm suas raízes na língua latina, indução que deriva precisamente de "ducere" (conduzir), precedido pelo sufixo "in" e que indica um pensamento que se baseia na experiência. Graças à realidade sensível, os dados são introduzidos no intelecto e este os elabora para sacar uma lei abstrata, já não a priori, mas julgando a realidade depois da experiência.

O método dedutivo, diferente do raciocínio indutivo, parte de um axioma, um princípio ou pensamento que se considera uma verdade absoluta que não necessariamente deve ser submetido a verificação. Disto se deduzem, através de um raciocínio, as consequências específicas que resultam válidas enquanto as premissas o sejam. Deste modo, se as premissas são desmentidas ou se demonstra que não são reais, entraria em colapso toda a validade do raciocínio. Este detalhe é a principal crítica atual do método, que todavia continua se debatendo entre filósofos da ciência e talvez nunca se encontrará uma verdade absoluta e universal.

Este artigo é meramente informativo, em Psicologia-Online não temos a capacidade de fazer um diagnóstico ou indicar um tratamento. Recomendamos que você consulte um psicólogo para que ele te aconselhe sobre o seu caso em particular.

Se pretende ler mais artigos parecidos a Raciocínio lógico-dedutivo: características, tipos e exemplos, recomendamos que entre na nossa categoria de Psicologia social.

Bibliografia
  • Ruotolo, F. (2022). Pensiero, ragionamento e decisione. Recuperado de: https://www.psicologia.unicampania.it/images/FIT_24_CFU/materiali/PsicologiaGenerale/Gruppo4/Pensiero_ragionamento_e_decisione.pdf
  • Unicusano (2018). Ragionamento deduttivo: ecco come funziona. Recuperado de: https://aosta.unicusano.it/studiare-a-aosta/ragionamento-deduttivo/
Escrever comentário
O que lhe pareceu o artigo?
1 de 3
Raciocínio lógico-dedutivo: características, tipos e exemplos