Partilhar

Sinto que minha vida não tem sentido, o que posso fazer?

 
Por Marta Thomen Bastardas, Psicóloga. 29 outubro 2020
Sinto que minha vida não tem sentido, o que posso fazer?

Em determinados momentos de nossas vidas, todos nós já nos sentimos perdidos, invadidos por sentimentos de desesperança e sem vontade de realizar tudo aquilo que antes nos preenchia, poderíamos dizer que nos sentimos vazios, apagados, como se anda tivesse sentido. Sabemos que é um sentimento compartilhado por outras pessoas e que todos no sentimos assim alguma vez. Racionalmente, somos conscientes de que é temporário e um processo de aprendizagem, mas nossa parte emocional deseja sair desta angústia permanente.

Se durante sua vida, ou atualmente, você se sentiu assim e não soube como remediá-lo, continue lendo este artigo de Psicologia-Online, onde responderemos: sinto que minha vida não tem sentido, o que posso fazer? Contaremos algumas estratégias para poder superar estes períodos de vazio existencial temporários.

Qual é o sentido da vida?

O sentido da vida pode ser descoberto a partir de quatro construções: uma finalidade, significação, conexão e valor.

Em primeiro lugar, falamos do sentido como uma finalidade, a direção que queremos que nossa vida, uma orientação. Para que nossa vida possa ter sentido, esta deve ser dirigida para um fim, uma meta. Em segundo lugar, devemos dar a esta direção um significado, questionando se nesta direção há algo que nos atrai e nos leva em direção à ela. Em seguida, devemos estabelecer uma conexão deste significado, procurar uma causa ou uma razão, estabelecer uma causa que justifique o porquê de ser assim e não de outro modo, porque nada acontece sem um motivo. Finalmente, o sentido vislumbra um valor, isto é, o valor que damos a este significado é o que implica em acreditarmos que vale a pena.

O que acontece quando sua vida não tem sentido?

Normalmente, a constatação de que nossas vidas não fazem sentido nascem diante de certas situações "sem sentido", como a morte de um ente querido, uma decepção, um fracasso... determinados acontecimentos de crise que nos fazem sentir vazios e decepcionados. Quando percebemos que nossas vidas não fazem sentido e experimentamos estes sentimentos de vazio, nasce em nós um conjunto de emoções e ações que aumentam estas sensações:

  1. Tristeza: um sentimento de tristeza nos invade, sem saber decifrar o que realmente está te entristecendo, não conseguimos isolar um motivo. Esta tristeza nos leva a ter sentimentos de desesperança e vazio.
  2. Desconhecimento de si mesmo: percebemos que não nos conhecemos tão bem como acreditávamos, começamos a observar que estamos perdidos, que não sabemos como sair de tal situação, nos perguntamos: Quem somos? Para onde vamos? O que queremos fazer neste mundo? E parece que não encontramos resposta para nenhuma destas perguntas.
  3. Anedonia: você perde todo o interesse que antes tinha por aquelas atividades que davam prazer, perde o interesse nos relacionamentos, não tem prazer em nada. Por isso, nasce um sentimento de aborrecimento diante de todas as atitudes e você se angustia facilmente diante das coisas.
  4. Perda de responsabilidades: junto com o sentimento de anedonia e de tristeza, a pessoa perde todo o sentido de responsabilidade e deixa de se comprometer. Não observa em si mesma a possibilidade de crescimento, de se expandir como pessoa e, por isso, não arrisca nem vive novas experiências.
  5. Insatisfação: diante de todo este conjunto de fatores, a pessoa se sente insatisfeita com sua vida, mas não sabe como reorientá-la.
  6. Isolamento: os sentimentos de tristeza, a falta de interesse, de responsabilidades e compromisso, e a frustração diante da insatisfação com sua vida, conduzem para um maior isolamento social.

O que fazer quando a vida não tem mais sentido

O descobrimento do sentido de nossas vidas requer um grande trabalho, pode ser um trabalho para toda uma vida, com a necessidade de uma grande introspecção. Quando isto é feito, encontramos nossa razão de ser, nosso ikigai, o qual nos outorga felicidade e motivação em nosso dia a dia. O fato dessa busca ser um caminho tão grande, não quer dizer que o caminho não seja pleno e não nos permita saborear a felicidade e a motivação. Devemos encontrar aqueles fatos que nos fazem sentir que a vida vale a pena, que nos preenchem de autorrealização, mas como posso alcançar isso?

1. Dedique tempo para pensar em você

Quando foi a última vez que você pensou em quais são seus sentimentos, seus desejos, seus defeitos, suas virtudes, ...? Nos encontramos na sociedade líquida, como foi bem descrito por Zygmunt Bauman, e passamos por ela na ponta dos pés, imersos em mudanças constantes e rodeados de numerosos estímulos que nos impedem de parar e pensarmos em nós mesmos. Não podemos alcançar nosso sentido se não pudermos parar e pensar em nós mesmos, por isso, o primeiro passo é parar para nos conhecermos.

2. Analise o vazio

Quando as coisas no trabalho não funcionam, por exemplo, se nos sentimos incomodados com nosso/a chefe, nos perguntamos o que pode ter acontecido, que situação gerou este distanciamento, o que poderia fazer para mudar isso,... Nesta circunstância deve-se atuar da mesma forma. Devemos nos perguntar há quanto tempo estamos sentindo este vazio, que coisas não estão funcionando como desejaríamos em nossa vida, porque isto apareceu de repente, se antes não acontecia, o que causou e o que está mantendo esta situação.

3. Mude

Se a resposta à pergunta anterior está em sua vida, se você acredita que o motivo que te leva a este vazio é que você não gosta de como está vivendo, comece por perguntar o que mudaria em sua vida hoje para poder começar a viver em plenitude, qual é o sonho que você sempre sonhou em alcançar? O que você poderia começar a fazer para conseguir?

Por outro lado, não podemos esperar que nossa vida seja diferente se não nos esforçamos para isso. Para conquistar coisas diferentes, devemos mudar nossa forma de fazer as coisas. Arrisque-se com novas experiências e aprendizados.

4. Responsabilize-se por si mesmo

Devemos ser conscientes de que a primeira atitude para poder conseguir nossos sonhos e o sentido de nossas vidas, é nos fazermos responsáveis por nós mesmos. É importante se fazer responsável das consequências de nossas ações e liderar com independência, porque a autoliderança nos ajudará a dar sentido para nossa vida.

5. Comunique-se

O isolamento favorece todos estes sentimentos de tristeza e desânimo, todos somos seres sociais e precisamos do outro para viver com plenitude e nos sentirmos preenchidos e felizes. Aproveite suas relações para fomentar os sentimentos de afetividade, amor e felicidade.

Este artigo é meramente informativo, em Psicologia-Online não temos a capacidade de fazer um diagnóstico ou indicar um tratamento. Recomendamos que você consulte um psicólogo para que ele te aconselhe sobre o seu caso em particular.

Se pretende ler mais artigos parecidos a Sinto que minha vida não tem sentido, o que posso fazer?, recomendamos que entre na nossa categoria de Crescimento pessoal e autoajuda.

Bibliografia
  • Cabello, P. (2000). El sentido de la vida. Pharos, 7, 6.
  • Gil, F & Breitbart, W. (2012). Psicoterapia centrada en el sentido: “vivir con sentido”. Estudio piloto. Psicooncología, 10, 233-245.
  • Grodin, J. (2012). Hablar del sentido de la vida. Utopía y Praxis Latinoamericana, 17, 71-78.
  • Frankl, V. (2004). El hombre en busca del sentido. Herder Editorial: Barcelona.

Escrever comentário

O que lhe pareceu o artigo?

Sinto que minha vida não tem sentido, o que posso fazer?
Sinto que minha vida não tem sentido, o que posso fazer?

Voltar ao topo da página