menu
Partilhar

Tipos de delírios

 
Por Alejandro Garcia Mingrone. 22 novembro 2023
Tipos de delírios

A presença de delírios em quadros clínicos graves costuma ser uma das principais razões para consulta em consultórios psiquiátricos e psicológicos. Frequentemente, essas estruturas mentais complexas podem representar um sério risco para o desenvolvimento da vida cotidiana. Nesse sentido, muitas pessoas relatam sensações estranhas e paradoxais no corpo que se tornam indescritíveis. Além disso, a persistência de ideias inverossímeis que não podem ser comprovadas na realidade é um aspecto preocupante tanto para os pacientes que sofrem quanto para os profissionais de saúde mental. A necessidade de ajudar aqueles que estão enfrentando esse tipo de problema nos convida a repensar conceitos e a desenvolver novas formas de compreensão.

Neste artigo de Psicologia-Online, forneceremos informações sobre os 5 tipos de delírios e suas características.

O que são delírios

Os delírios são crenças firmes, rígidas e inabaláveis sobre diferentes aspectos da realidade que podem ser mantidas ao longo do tempo. Ao contrário da dúvida, o traço distintivo dos delírios é a certeza, o que lhes confere um caráter de incontestável veracidade. Em outras palavras, a pessoa com delírios carece de uma reflexão profunda e apropriada sobre o pensamento, chegando a conclusões que não podem ser questionadas por ninguém.

Embora haja evidência empírica de que as ideias delirantes não são verdadeiras, sua natureza inabalável impede que percam valor com o tempo. Por isso, o aspecto crucial que se destaca está relacionado à interpretação dos eventos da realidade. Não se trata de não haver motivos para adotar uma crença específica, mas sim que o processamento das informações provenientes da realidade está distorcido.

Diferença entre delírio e alucinação

Com base no que foi dito anteriormente, é importante estabelecer as diferenças entre delírio e alucinação. Por um lado, os delírios estão baseados na percepção de objetos, pessoas ou situações reais. Por exemplo, acreditar firmemente que está sendo seguido por agentes secretos, apesar da ausência de provas reais que o respaldem.

Por outro lado, as alucinações podem assumir várias formas e têm como foco principal a percepção de coisas ou pessoas que não existem na realidade. Na prática, tratam-se de imagens, odores e/ou sons que não existem. Um exemplo de alucinação seria ouvir vozes que falam ou comentam coisas sem que haja qualquer fonte externa que emita esses sons. Você pode encontrar mais informações em nosso artigo sobre diferença entre delírio e alucinação.

Tipos de delírios - O que são delírios

Mania de perseguição

Nesse tipo de delírio, a pessoa mantém uma crença equivocada e persistente de que está sendo perseguida, vigiada, ou que um indivíduo, grupo ou entidade está conspirando contra ela, apesar da ausência de provas reais que respaldem essa crença. Por esse motivo, aqueles que sofrem dessa condição acreditam que sofrerão algum dano prejudicial. Esse tipo de delírio pode manifestar-se em qualquer momento da vida.

A título de exemplo, as pessoas com mania de perseguição sentem-se perseguidas enquanto caminham pela rua, entram em suas casas, participam de eventos sociais, trabalham para uma empresa, entre outras situações.

Delírio de grandeza

Esse tipo de delírio consiste na exacerbação de traços pessoais que entram em jogo tanto nas relações sociais quanto na vida cotidiana. Esses sentimentos de grandeza podem abranger a personalidade, o corpo ou qualquer ação empreendida em um momento específico que adquire uma importância considerável.

Por exemplo, uma pessoa que sofre de um delírio de grandeza pode acreditar que salvará a humanidade com poderes mágicos, será o mensageiro de Deus, entre outras ideias grandiosas.

Delírio somático

A ideia predominante nesse tipo de delírio é a presença de uma doença. Mesmo que a pessoa busque assistência médica e realize exames que descartem sua crença, o delírio somático torna-se impossível de evitar. Como resultado, é comum ocorrer atritos entre médicos e pacientes com essas características, pois essas ideias costumam ser desconsideradas.

Em contrapartida, a pessoa que sofre de um delírio somático pode tomar ações prejudiciais contra profissionais da saúde se suas necessidades não forem atendidas.

Síndrome de Otelo

A síndrome de Otelo envolve a certeza de que a pessoa amada tem um amante e, portanto, está sendo infiel. Assim como nos delírios anteriores, pode haver falta de evidência na realidade que respalde essa crença. No entanto, as pessoas que manifestam ciúmes exacerbados têm sua imagem alterada e tentam se afirmar diante disso.

Em outras palavras, tanto homens quanto mulheres que sofrem da síndrome de Otelo têm a convicção de que alguém tomará o lugar deles e procuram maneiras de evitar essas situações. Em casos graves, podem até tentar agir violentamente contra a pessoa que acreditam ser o amante. Confira mais informações sobre o assunto no artigo "Síndrome de Otelo: o que é, sintomas e tratamento".

Tipos de delírios - Síndrome de Otelo

Síndrome de Clérambault

A síndrome de Clérambault é um distúrbio da percepção em que a pessoa tem a crença delirante e fixa de que outra pessoa, geralmente de um status social mais elevado ou uma figura pública, está apaixonada por ela. Por esse motivo, podem tomar ações destinadas a chamar a atenção dessa pessoa em particular. Apesar de parecer que a síndrome de Otelo, por sua vez, se concentra na admiração por uma figura específica, na realidade, trata-se de uma superestimação pessoal.

Esse tipo de delírio frequentemente pode ter um componente sexual ou romântico, e a pessoa afetada pode experimentar angústia significativa devido a essa crença equivocada. Em tais casos, podem aparecer sem aviso na porta da casa de uma figura pública, enviar cartas de forma incontrolável, entre outras ações.

Este artigo é meramente informativo, em Psicologia-Online não temos a capacidade de fazer um diagnóstico ou indicar um tratamento. Recomendamos que você consulte um psicólogo para que ele te aconselhe sobre o seu caso em particular.

Se pretende ler mais artigos parecidos a Tipos de delírios, recomendamos que entre na nossa categoria de Psicologia clínica.

Bibliografia
  • Diez Patricio, A. (2010). Creencia y delirio. Revista de la Asociación Española de Neuropsiquiatría, 31 (109), 71-91.

Escrever comentário

O que lhe pareceu o artigo?
Tipos de delírios
1 de 3
Tipos de delírios

Voltar ao topo da página