menu
Partilhar

Ondas cerebrais: tipos e frequências

 
Por Alejandro Garcia Mingrone. 16 setembro 2022
Ondas cerebrais: tipos e frequências

O cérebro é um dos elementos mais importantes para garantir o funcionamento adequado de nossas funções vitais. Na verdade, é tão importante que qualquer problema neste órgão poderia interferir em nossa vida diária. A medicina tem se interessado em entender como funciona em detalhes, conduzindo centenas de investigações com o objetivo de tornar visíveis os principais mecanismos em funcionamento nos processos que realiza.

A complexidade da mente humana pode nos levar a limites inimagináveis. Por esta razão, as pesquisas sobre ela continuam até hoje. Neste artigo de Psicologia-Online lhe forneceremos informações sobre os tipos de ondas cerebrais.

Também lhe pode interessar: Como relaxar a amígdala cerebral

O que são as ondas cerebrais

Antes de explicar o que são ondas cerebrais, é importante entender como ocorre a comunicação neuronal. Em geral, os neurônios no cérebro se conectam entre si através de um processo chamado sinapses, que envolve a transmissão de informações por substâncias químicas. Este procedimento é repetido cada vez que dois neurônios se comunicam através de suas terminações.

Desta forma, a sinapse dá origem a ondas cerebrais, que consistem em impulsos elétricos de intensidades variáveis. Da mesma forma, este fato denota diferenças na velocidade do processamento de informações, já que algumas ondas cerebrais podem ser mais rápidas e outras mais lentas.

Ondas cerebrais: tipos e frequências - O que são as ondas cerebrais

Ondas Gama

As ondas cerebrais gama são os impulsos elétricos com a maior frequência. De modo geral, a onda cerebral gama varia de 25 a 100 hz, embora sua frequência mais comum seja de 40 hz.

As ondas gama estão associadas à percepção de estímulos durante os estados de consciência, pois nestes casos a possibilidade de focalizar a atenção é maior do que em outras situações. Por sua vez, este tipo de onda cerebral permite o processamento de informações ligadas a tarefas de considerável demanda cognitiva.

Ondas Beta

Estas ondas cerebrais não são tão intensas quanto as ondas gama. No entanto, sua frequência varia de 12 a 33 Hz de intensidade. Para que servem as ondas beta? Ondas cerebrais beta ocorrem quando são feitas atividades de alto funcionamento cognitivo que requerem destrezas e habilidades específicas.

Além disso, um alto foco de atenção aparece aqui, pois é necessário um alto grau de concentração por parte da pessoa. Exemplos de tais atividades poderiam ser falar em público ou fazer um discurso, entre outros.

Ondas Alfa

As ondas alfa são sinais elétricos que têm uma frequência intermediária, com uma intensidade entre 8 e 13 Hz. Para que servem as ondas alfa? Ao contrário das ondas cerebrais explicadas acima, as ondas alfa ocorrem em estados de relaxamento mental e corporal.

Por esta razão, a principal função deste tipo de onda cerebral é dar avisos de tranquilidade em certas situações que o exijam. Desta forma, as ondas alfa podem ocorrer, por exemplo, em momentos de meditação ou durante atividades reativas.

Ondas Theta

Qual a frequência theta? Este tipo de onda cerebral tem uma intensidade inferior às mencionadas acima, com uma variação geral de 3,5 a 7,5 ou 8 hz. As ondas teta promovem o relaxamento corporal e são responsáveis por intervir nos momentos anteriores ao adormecimento.

Por esta razão, o funcionamento das ondas theta é vital para prolongar os momentos de relaxamento ao longo da vida.

Ondas cerebrais: tipos e frequências - Ondas Theta

Ondas Delta

Finalmente, as ondas delta são o tipo mais baixo de ondas cerebrais. Estes sinais elétricos têm uma frequência baixa, oscilando entre 1 e 3 hz, resultando em momentos de profundo relaxamento mental e corporal nas pessoas.

As ondas delta afetam muitas funções vitais que são realizadas involuntariamente, tais como a regulação da frequência cardíaca, pressão arterial, frequência respiratória ou o ciclo do sono profundo, entre outras. As ondas delta podem, portanto, estar relacionadas indiretamente com a diminuição do alerta produzido pelo corpo em situações estressantes.

Ondas cerebrais: tipos e frequências - Ondas Delta

Este artigo é meramente informativo, em Psicologia-Online não temos a capacidade de fazer um diagnóstico ou indicar um tratamento. Recomendamos que você consulte um psicólogo para que ele te aconselhe sobre o seu caso em particular.

Se pretende ler mais artigos parecidos a Ondas cerebrais: tipos e frequências, recomendamos que entre na nossa categoria de Neuropsicologia.

Bibliografia
  • Barrera, R. (2017). EvoEEG: un estudio basado en el análisis de las ondas cerebrales mediante una interfaz cerebro-computadora. Centro de Investigación Científica y de Educación Superior de Ensenada, Baja California.
  • Consejo Superior de Investigaciones Científicas. El cerebro se sirve de distintos ritmos de ondas lentas y rápidas para adaptarse a las demandas cognitivas. Recuperado de: https://www.csic.es/sites/default/files/11agosto2020cerebro_ondas.pdf
  • García Rodríguez, A. E. (2015). Análisis de ondas cerebrales para determinar emociones a partir de estímulos visuales. Universidad Veracruzana. Facultad de Estadística e Informática.

Escrever comentário

O que lhe pareceu o artigo?
Ondas cerebrais: tipos e frequências
1 de 4
Ondas cerebrais: tipos e frequências

Voltar ao topo da página