menu
Partilhar

Tipos de vícios e suas consequências

 
Por Bryan Longo. 17 dezembro 2020
Tipos de vícios e suas consequências

Um vício pode ser expresso ou definido de tantas formas que algumas vezes é bastante difícil distinguir e, sobretudo, reconhecer que existe um problema em nós ou em alguém próximo/a. Geralmente relacionamos o vício apenas ao consumo de alguma substância como o álcool, cannabis, opioides, alucinógenos, tabaco, estimulantes, inalantes, fármacos ansiolíticos e outros. Porém, partindo do conhecimento geral que a maioria tem do vício e da definição explicaremos neste post de Psicologia-Online os diferentes tipos de vícios e suas consequências.

Tipos de vícios mais comuns

Nos vícios se sabe que as pessoas perdem o controle do consumo, existindo muitas vezes um agravamento da qualidade de vida devidos às consequências negativas do comportamento viciante. Mas este consumo excessivo, prejudicial e dependente se manifesta em diferentes áreas, algumas delas são reconhecidas como objeto de estudo pela American Psychiatric Association, como é o caso do jogo patológico e o transtorno de jogo pela Internet. Ambas patologias apresentam sintomas muito parecidos aos de um vício em uma substância: tolerância, abstinência e ansiedade excessiva em relação ao jogo.

Lista de tipos de vícios

Quais tipos de vícios existem? Os tipos de vícios e dependências são os seguintes:

1. Vício em substâncias

O vício por consumo de substâncias é uma das mais conhecidas já que esta é uma das que publicamente pode gerar maiores e frequentes danos evidentes. Pelos sintomas fisiológicos devido a intoxicação (nistagmo, alteração motora, taquicardia, injeção conjuntival, insônia, alucinações ou ilusões e hiperatividade do sistema nervoso autônomo) os efeitos deste vício desenvolvem problemas graves e imediatos posteriores ao início de seu consumo ficando difícil de encobrir.

Os efeitos da intoxicação, sejam crônicos ou não, são muito difíceis de esconder ou inibir da mesma forma suas consequências: violência, acidentes, doenças físicas, problemas familiares e sociais, baixo rendimento profissional, indiscrições sociais e o não cumprimento de obrigações. Mesmo que algumas delas possam estar escondidas sob expectativas médicas esperadas, como o abuso de consumo de opioides receitados. No seguinte artigo encontrará mais informação sobre a classificação das drogas e seus efeitos segundo a OMS.

2. Vício em pessoas

O vício em pessoas geralmente conhecido como dependência, é alguém que, necessita ou é dependente de outra pessoa para se sentir segura e calma. Neste tipo de vício os estados emocionais dependem da outra pessoa (se ela se sente bem, eu também), existe uma constante e excessiva necessidade de ter por perto e sob controle o outro, cada vez é necessário partilhar mais tempo com o outro, investe grande parte do tempo pensando ou buscando uma maneira de estar com a outra pessoa. Eles não devem ser confundidos especificamente com relacionamentos de namorados, estas codependências também podem estar destinadas a familiares e amigos.

3. Vício em redes sociais

O vício nas redes sociais é um dos vícios que recentemente começou a refletir e conhecer melhor onde as pessoas passam a maior parte do dia navegando em uma ou várias redes sociais. Nestas podem estar vendo diferentes publicações, comentando, conversando com outras pessoas, subindo fotos, vendo vídeos, mas tudo isso com uma ansiedade intensa que não está presente no uso habitual destes espaços. As pessoas viciadas nas redes sociais sentem a necessidade de estar conectados a maior parte do tempo do dia, investindo grande tempo em estar navegando e em conseguir acesso a internet ou algum dispositivo onde possam navegar, apresentam descumprimento de suas responsabilidades por investir o tempo em suas redes sociais, apresentam sintomatologia ansiosa quando não podem navegar nas plataformas e começam a querer mais tempo do que usavam para navegar.

4. Jogo patológico

Outro tipo de vício é o jogo patológico, que se caracteriza pela necessidade de apostar quantidades de dinheiro cada vez maiores para conseguir o prazer desejado. O comportamento patológico se agrava em momentos de desconforto (depressão ou ansiedade). Não é menos frequente que os outros da lista neste artigo, porém, é um dos mais comuns, por sua mesma sintomatologia a pessoa com este vício costuma esconder e negar o problema.

5. Vício em jogos na Internet

O vício em jogos na Internet é o terceiro vício mais frequente depois do jogo patológico e os transtornos por consumo de substâncias manifestado no Manual Diagnóstico e Estatístico dos Transtornos Mentais DSM 5 (2013) como uma patologia, embora o transtorno do jogo na Internet ainda seja uma condição que requer mais estudos, ele apresenta sintomas equivalentes a um vício.

Este vício se caracteriza por um uso persistente e recorrente de Internet para participar de jogos, que com frequência acontecem com outros jogadores online e que causam uma deterioração ou desconforto clinicamente significativa. Neste vício aparecem sintomas de abstinência ao tirar os jogos da Internet (por exemplo, irritabilidade, ansiedade ou tristeza, mas não tem sintomas físicos de abstinência). Também apresenta tolerância (como uma necessidade de dedicar cada vez mais tempo em participar desses jogos).

A pessoa viciada expressa tentativas inúteis de controlar a participação em jogos da Internet e uma perda de interesse por hobbies que tinha antes. Continua com o uso excessivo dos jogos apesar de saber os problemas psicossociais associados que possam surgir ou agravar pela participação nestes.

Geralmente usa-se os jogos na Internet para fugir ou aliviar um afeto negativo (por exemplo, sentimentos de culpa, ansiedade, tristeza, vulnerabilidade).

Tipos de vícios e suas consequências - Lista de tipos de vícios

Consequência dos vícios

Uma das consequências mais importantes dentro dos vícios e dependências são os transtornos mentais induzidos por substâncias/medicamentos que são síndromes graves e geralmente temporárias, embora possam chegar a se tornar persistentes e se desenvolvem como consequência do abuso de substâncias ou medicamentos. Alguns dos transtornos mentais que podem aparecer como consequência do abuso podem ser os seguintes e devem ser avaliados com muito cuidado no diagnóstico diferencial pelo profissional clínico:

  1. Transtornos psicótico induzido por substâncias/medicamentos;
  2. Transtorno bipolar induzido por substâncias/medicamentos;
  3. Transtorno depressivo induzido por uma substância/medicamento;
  4. Transtorno de ansiedade induzido por substâncias/medicamentos;
  5. Transtorno obsessivo-compulsivo induzido por substâncias/medicamentos;
  6. Transtorno do sono induzido por substâncias/medicamentos;
  7. Insuficiência sexual induzida por substâncias/medicamentos;
  8. Algum transtorno neurocognitivo por consumo de substâncias/medicamentos.

Como os vícios afetam? A deterioração de vícios de qualquer tipo mencionado acima pode ter consequências graves, tais como:

  • Deterioração no trabalho ou desempenho acadêmico;
  • Indiscrições sociais;
  • Problemas interpessoais;
  • Descumprimento das responsabilidades;
  • Acidentes de trânsito;
  • Brigas pelo comportamento extrovertido;
  • Comportamentos de alto risco(por exemplo, ter relações sexuais sem proteção);
  • Condução imprudente;
  • Dose excessiva da medicação ou de substância;
  • Colocar em risco ou perder relações importantes com a família ou amigos;
  • Podem se envolver em roubos ou prostituição com o objetivo de adquirir as substâncias;
  • Deficiências neurocognitivas;
  • Doenças físicas;
  • Aumento do risco de infecção por HIV ou alguma outra doença de transmissão sexual com injeções intravenosas usadas e com as relações sexuais sem proteção.

De forma geral, essas são e as consequências mais comuns, entretanto, o padrão varia de acordo com o tipo de vício em particular.

Tipos de vícios e suas consequências - Consequência dos vícios

Tipos de terapias psicológicas para vícios

Dois tipos de terapia psicológica para vícios são explicados abaixo:

Psicanálise: terapia de intervenção aos vícios

Na psicanálise se observa o conflito psíquico, a história, as dificuldades internas e a simbolização do sujeito. A consciência da doença não implica reconhecer-se como uma pessoa viciada, e sim em explorar e articular na linguagem as dificuldades internas que levaram a pessoa a consumir ou se expor a determinadas atividades de uma maneira compulsiva. O interesse da psicanálise é que a pessoa se reconheça como um sujeito ou como uma pessoa que é mais que um viciado; é desejável que a pessoa não se defina pelo objeto inerte que consume, e sim pelo significado que tem na sua história e suas palavras.

Nessa abordagem psicanalítica, o objetivo não é que a pessoa abandone o consumo, mas que seja capaz de reconhecer seus conflitos internos.

Joseph J. Sandler (1986) menciona que quando uma pessoa diz ser um viciado, teria que se perguntar sobre seu discurso. O abuso do consumo é um sintoma para a psicanálise, que transmitirá mediante compreensão analítica. O sintoma aqui é o desejo de consumir e é aqui onde se deve formar um conhecimento da pessoa que sofre, fazendo perguntas que o ajudam no seu entendimento:

  • O que te faz querer consumir?
  • Que humores, emoções, situações estimulam seu desejo de consumir?

As dificuldades destas pessoas se manifestam ao não ter a capacidade de articular em linguagem as dificuldades internas que os levaram ao consumo obsessivo. Apresentam dificuldades para ser conscientes ou se dar conta do que estão sentindo, assim como para refletir sobre seu mundo interno.

O desenvolvimento da estrutura e funções do cérebro estão condicionados pela interação que ocorrem entre genes e a experiência, cada experiência de criação afeta de forma direta o modo em que se ativam os genes. Deve levar em consideração que o que o cérebro da criança precisa, são interações recíprocas com sua rede primária de apoio e não uma massiva estimulação sensorial.

Terapia comportamental para viciados

Na terapia comportamental se propõe três tipos de técnicas de intervenção derivados de diferentes modelos de aprendizagem:

  • As técnicas de exposição a pistas derivadas do condicionamento clássico
  • Os programas de treinamento de habilidades ou prevenção de recaídas baseados nos princípios da aprendizagem social
  • Os programas de manejo de contingências derivados dos princípios do condicionamento operante

Essas três abordagens não devem ser entendidas como estratégias exclusivas ou independentes, mas como técnicas complementares que devem ser integradas aos programas de tratamentos disponíveis.

Este artigo é meramente informativo, em Psicologia-Online não temos a capacidade de fazer um diagnóstico ou indicar um tratamento. Recomendamos que você consulte um psicólogo para que ele te aconselhe sobre o seu caso em particular.

Se pretende ler mais artigos parecidos a Tipos de vícios e suas consequências, recomendamos que entre na nossa categoria de Dependências.

Bibliografia
  • American Psychiatric Association. (2013). Manual diagnóstico y estadístico de los trastornos mentales (DSM 5). Editorial Panamericana.
  • Joseph J. Sandler. (1986). El paciente y el analista: el marco clínico del psicoanálisis. Editorial Paidos, Barcelona.

Escrever comentário

O que lhe pareceu o artigo?

Tipos de vícios e suas consequências
1 de 3
Tipos de vícios e suas consequências

Voltar ao topo da página