Partilhar

O que é o funcionalismo em psicologia: características, teoria e autores

 
Por Gemma Adsuara Arrufat. Atualizado: 16 outubro 2020
O que é o funcionalismo em psicologia: características, teoria e autores

Descrever uma escola psicológica em sua totalidade e em detalhes pode ser uma tarefa árdua, pois dentro da mesma corrente poderiam coexistir diferentes mentalidades entre autores. Além disso, também vale ressaltar que, para conhecer cada escola perfeitamente, é preciso voltar aos seus antecessores, o que ainda complica um pouco mais as coisas.

No entanto, em Psicologia-Online, queremos fornecer nossa ajuda para que você conheça um pouco mais sobre a história da psicologia. Portanto, este artigo apresenta uma das escolas mais conhecidas por todos os psicólogos. Descubra as características, a teoria e os autores do funcionalismo.

Também lhe pode interessar: O que é psicologia positiva

O que é o funcionalismo na psicologia

A escola do funcionalismo é considerada a combinação da ciência, da preocupação pelo prático, da ênfase no indivíduo e da teoria da evolução. Ela tem seu início no final do século XIX.

O início formal do funcionalismo começou com a publicação do livro Princípios de Psicologia, de James. Essa escola é anterior ao estruturalismo de Titchener e evolui paralelamente a esta, no entanto, obtém muito mais seguidores e acaba por desbancá-la.

O funcionalismo considera a consciência das pessoas como uma corrente que muda constantemente. Ela tem as características de ser pessoal (reflete as experiências particulares de cada um) e contínua (não pode ser dividida para sua análise).

Os autores dessa corrente, pelo interesse particular que têm em conhecer a razão dos processos mentais, começam a se preocupar com a motivação. Ou seja, se preocupam em conhecer aquilo que nos leva a agir para satisfazer nossas necessidades.

Características do funcionalismo em psicologia

A psicologia funcionalista possuía diversos temas de interesse:

  1. Se opôs ao que considerava a busca inútil de elementos da consciência.
  2. Pretendem conhecer a função da mente em vez de proporcionar uma descrição estática dela. Consideram que os processos mentais têm como função ajudar o organismo a se adaptar ao ambiente.
  3. Consideram a psicologia uma ciência prática e procuram aplicar suas descobertas na melhoria da vida.
  4. Tem grande interesse na razão dos processos mentais. Pretendem conhecer como a vontade de um organismo age de maneira diferente no mesmo ambiente à medida que as necessidades do indivíduo mudam.
  5. Consideram a introspecção como uma das muitas ferramentas válidas de pesquisa.
  6. Valorizam as diferenças individuais: estão mais interessados no que diferencia os organismos do que no que eles têm em comum.
  7. Todos os funcionalistas são influenciados, em maior ou menor grau, por James, que por sua vez foi influenciado pela teoria da evolução de Darwin.

Teoria do funcionalismo na psicologia: princípios

Para os funcionalistas, as suposições relativas à mente derivavam da teoria da evolução e seu objetivo era conhecer o funcionamento da mente e do comportamento na tentativa de ajudar o organismo a se adaptar ao ambiente. Para isso, as ferramentas de pesquisa incluíram tudo que possuía um valor informativo, inclusive a introspecção, o estudo do comportamento animal e o estudo das doenças mentais.

O criador dessa corrente considerava que se uma ideia funcionava, era válida. Ou seja, afirmava que o único critério que deveria ser empregado para julgar uma ideia era a utilidade da mesma. James indicou que, ao empregar o método científico na psicologia, era completamente necessário supor que todo comportamento dos homens estava determinado.

Esse pensamento é conhecido como pragmatismo, onde qualquer crença, comportamento ou pensamento deve ser julgado por suas consequências. Através desse pensamento, delimitou dois tipos diferentes de mentalidades:

  • Mentalidade terna: caracterizada por serem pessoas otimistas, religiosas e dogmáticas.
  • Mentalidade difícil: pessoas empiristas, ateus e pessimistas.

No entanto, para ele, o pragmatismo consistia no comprometimento de ambas as mentalidades, em aceitar o melhor de ambas e usá-las da melhor maneira possível, de acordo com as circunstâncias que se apresentam.

O funcionalismo tinha a ideia central de que grande parte do comportamento, tanto animal como a humana, estava governada pelo instinto. E por isso foi proposta a teoria da emoção de James-Lange, uma das principais teorias da emoção, a qual alterava a tradicional afirmação de que a emoção era o resultado da percepção.

Para os autores dessa corrente, primeiro ocorre a percepção de um evento, o que resultará em uma reação corporal e, finalmente, a emoção será experimentada. Em termos de exemplo: se vemos um urso, para James, o processo que realizamos é: primeiro notamos a presença do urso o urso, depois corremos e, finalmente, ficamos assustados.

Essa teoria foi posteriormente criticada pelos behavioristas porque não estava baseada em experimentos controlados, portanto, suas teorias tinham pouco poder preditivo.

Autores do funcionalismo na psicologia

Os principais representantes dessa corrente psicológica são:

  • William James: considerado como o precursor da psicologia do funcionalismo. Além disso, também foi o promotor do pragmatismo aplicado na psicologia.
  • Harvey A. Carr: promotor do funcionalismo como uma escola do pensamento na psicologia estadunidense.
  • James Rowland Angell: foi um dos principais expoentes da psicologia funcional.
  • John Dewey: sua base funcionalista residia em sua queixa em relação às rígidas distinções que eram usadas para fazer entre sensações, pensamento e atos. Para ele, existia uma diferença entre estímulo e resposta, no entanto, essa deveria ser funcional e não existencial.

Este artigo é meramente informativo, em Psicologia-Online não temos a capacidade de fazer um diagnóstico ou indicar um tratamento. Recomendamos que você consulte um psicólogo para que ele te aconselhe sobre o seu caso em particular.

Se pretende ler mais artigos parecidos a O que é o funcionalismo em psicologia: características, teoria e autores, recomendamos que entre na nossa categoria de Emoções.

Bibliografia
  • Cervantes, R. (2016). Aportaciones a la psicología funcionalista. Universidad Vizcaya.
  • Gonzalez, J. (2015). Historia de la Psicología. Universidad Jaume I.
  • Sos, R. (2015). Historia de la Psicología. Universidad Jaume I.

Escrever comentário sobre O que é o funcionalismo em psicologia: características, teoria e autores

O que lhe pareceu o artigo?

O que é o funcionalismo em psicologia: características, teoria e autores
O que é o funcionalismo em psicologia: características, teoria e autores

Voltar ao topo da página