Psicologia clínica

O transtorno bipolar piora com a idade?

 
Susana Martinez
Por Susana Martinez. 18 maio 2023
O transtorno bipolar piora com a idade?

Em geral, não se pode dizer que o transtorno bipolar necessariamente se agrave com a idade, mas é possível experimentar mudanças na frequência e gravidade dos episódios à medida que as pessoas envelhecem. O transtorno bipolar é uma doença mental caracterizada por episódios de mudanças drásticas no estado de humor, que vão desde a mania até a depressão.

Embora afete pessoas de todas as idades, há algumas dúvidas sobre como o transtorno bipolar se altera à medida que as pessoas ficam mais velhas. De fato, uma das principais preocupações é se o transtorno bipolar piora com a idade. Neste artigo de Psicologia-Online, discutiremos a evolução do transtorno bipolar nas diferentes fases da vida, desde a infância até a velhice, e explicaremos os sintomas mais comuns em cada fase.

Também lhe pode interessar: Como lidar com pessoas bipolares no amor
Índice
  1. O transtorno bipolar piora com a idade?
  2. Evolução do transtorno bipolar pela idade
  3. O transtorno bipolar afeta a expectativa de vida?

O transtorno bipolar piora com a idade?

O transtorno bipolar é uma doença crônica que afeta o estado de humor das pessoas e é caracterizada por episódios de mania e depressão. A gravidade dos episódios pode variar ao longo do tempo e dependerá de vários fatores, como a gravidade do transtorno, adesão ao tratamento, apoio social e estilo de vida.

Em geral, não se pode dizer que o transtorno bipolar piore com a idade. No entanto, é possível que indivíduos com transtorno bipolar experimentem mudanças na frequência, duração e gravidade de seus episódios à medida que vão ficando mais velhos. Por exemplo, é possível que os episódios de mania sejam menos frequentes, mas mais graves em pessoas mais velhas com transtorno bipolar.

Também é importante levar em consideração que pessoas mais velhas podem estar tomando outros medicamentos que podem interagir com os medicamentos para o transtorno bipolar, o que pode afetar a eficácia do tratamento. Por essa razão, é importante que pessoas mais velhas com transtorno bipolar trabalhem em profunda colaboração com seu médico para gerenciar a doença e ajustar seu tratamento conforme necessário.

Evolução do transtorno bipolar pela idade

Embora o transtorno bipolar possa surgir em qualquer idade, os sintomas e sua gravidade podem variar de acordo com a fase da vida em que se manifesta. A seguir, veremos se o transtorno bipolar piora com a idade:

Infância

Durante a infância, o transtorno bipolar geralmente é difícil de detectar e diagnosticar. Crianças com esse transtorno podem apresentar os seguintes sintomas:

  • Humor persistente e irritável;
  • Agitação;
  • Agressividade e impulsividade;
  • Mudanças abruptas de humor;
  • Problemas de sono;
  • Dificuldade em se concentrar nas tarefas escolares.

Frequentemente, nessa idade, o transtorno bipolar é confundido com outros transtornos, como o transtorno de déficit de atenção e hiperatividade (TDAH).

Adolescência

É comum questionar como é uma pessoa bipolar durante a adolescência. Nessa fase, esse transtorno se manifesta com episódios de depressão e mania, nos quais ocorrem os seguintes sintomas:

  • Comportamentos de risco;
  • Mudanças rápidas de humor;
  • Irritabilidade.;
  • Insônia;
  • Fadiga;
  • Dificuldade em prestar atenção ou se concentrar, devido à dificuldade em seguir regras.

É uma fase complicada para estabelecer um diagnóstico, pois é difícil distinguir o comportamento próprio do transtorno das mudanças emocionais que o adolescente vivencia. É importante destacar que, devido ao transtorno bipolar, há um maior risco de o adolescente ter dificuldades em estabelecer relacionamentos interpessoais e ser propenso a pensamentos suicidas nos episódios depressivos.

Fase adulta

Na idade adulta, os sintomas do transtorno bipolar podem se manifestar de maneira similar às etapas descritas anteriormente, mas podem se tornar mais intensos e frequentes. Especificamente, costumam se manifestar da seguinte forma:

  • Episódios de mania e depressão;
  • Distúrbios do sono;
  • Problemas no trabalho ou problemas financeiros;
  • Problemas nos relacionamentos interpessoais;
  • Risco de comorbidade com outros transtornos mentais, como transtornos de ansiedade e abuso de substâncias.

Velhice

Durante a velhice de uma pessoa com transtorno bipolar, os sintomas podem piorar devido a mudanças fisiológicas e a uma maior prevalência de comorbidades médicas e psiquiátricas. Então, quais características uma pessoa bipolar apresenta nesta etapa da vida?

  • Mudanças de humor mais intensas do que na juventude;
  • Problemas cognitivos;
  • Problemas físicos;
  • Isolamento social;
  • Dificuldades para dormir.

O que piora o transtorno bipolar? Idosos com transtorno bipolar podem experimentar sintomas semelhantes e ter dificuldades em aderir ao tratamento, devido a problemas de memória ou efeitos colaterais dos medicamentos.

O transtorno bipolar piora com a idade? - Evolução do transtorno bipolar pela idade

O transtorno bipolar afeta a expectativa de vida?

Sendo uma doença mental crônica, o transtorno bipolar pode ter um impacto significativo na qualidade de vida das pessoas que vivem com ele, bem como em sua expectativa de vida. Em geral, foi comprovado que pessoas com transtorno bipolar têm uma expectativa de vida menor do que a população em geral, mas isso se deve a muitos fatores, não apenas à doença em si.

Estudos têm mostrado que pessoas com transtorno bipolar têm um maior risco de desenvolver problemas crônicos, como doenças cardiovasculares, obesidade, diabetes, doenças pulmonares e derrames.

Essas doenças podem ser o resultado direto do transtorno bipolar, bem como de fatores ligados ao estilo de vida, como consumo de álcool, tabagismo, dieta pouco saudável ou falta de exercício. Além disso, pessoas com transtorno bipolar também têm um risco aumentado de suicídio e automutilação, o que pode reduzir sua expectativa de vida.

O tratamento do transtorno bipolar afeta a expectativa de vida?

O tratamento do transtorno bipolar também pode afetar a expectativa de vida dos bipolares. Alguns medicamentos usados são eficazes no controle dos sintomas, mas podem ter efeitos colaterais a longo prazo. Aqui estão alguns exemplos:

  • Medicamentos antipsicóticos: podem aumentar o risco de obesidade, diabetes e doenças cardiovasculares;
  • Medicamentos estabilizadores de humor, como o lítio, podem ter efeitos tóxicos nos rins e na tireoide, o que pode reduzir a expectativa de vida.

Além disso, o transtorno bipolar também pode afetar a adesão ao tratamento e ao cuidado médico adequado. Nesse sentido, pessoas com transtorno bipolar podem ter dificuldades em manter um regime de tratamento consistente, devido à natureza flutuante da doença. Isso pode levar a recaídas, aumentar o risco de complicações de saúde e diminuição da expectativa de vida.

Em resumo, o transtorno bipolar pode ter um impacto significativo na expectativa de vida das pessoas afetadas. Adotar um estilo de vida saudável, que inclua uma dieta equilibrada, exercícios regulares e uma boa rede de apoio pode ajudar a reduzir o risco de desenvolver doenças crônicas e melhorar a qualidade de vida.

O transtorno bipolar piora com a idade? - O transtorno bipolar afeta a expectativa de vida?

Este artigo é meramente informativo, em Psicologia-Online não temos a capacidade de fazer um diagnóstico ou indicar um tratamento. Recomendamos que você consulte um psicólogo para que ele te aconselhe sobre o seu caso em particular.

Se pretende ler mais artigos parecidos a O transtorno bipolar piora com a idade?, recomendamos que entre na nossa categoria de Psicologia clínica.

Bibliografia
  • Bobes, J., Ruiz, J. S., Montes, J. F. A., Mostaza, J. M., Rico-Villademoros, F., y Vieta, E. (2008). Consenso Español de Salud Física del Paciente con Trastorno Bipolar. Revista de Psiquiatría y Salud Mental, 1(1), 26-37. https://doi.org/10.1016/s1888-9891(08)72513-8
  • Fernández, A., Fernández, E., Arístegui, M., y González, M. A. (2006). Caso Clínico Trastorno bipolar en la infancia: a propósito de un caso. Dialnet. https://dialnet.unirioja.es/servlet/articulo?codigo=4830363
  • López, J., & Agüera-Ortiz, L. F. (2015). Comorbilidad médica y criterios de uso de antipsicóticos en ancianos. Dialnet. https://dialnet.unirioja.es/servlet/articulo?codigo=6846624
  • Palacios-Cruz, L., Arias-Caballero, A., Cortés, F., Peña-Olvera, F., Feria, M., Cárdenas, M., Apiquian-Guitart, R., Cabrera-Lagunes, A., Berlanga, C., Fresán, A., y Heinze-Martin, G. (2013). Asociación de los trastornos externalizados y la edad de inicio en pacientes con trastorno bipolar tipo I y II: ¿Son los síntomas de los trastornos externalizados predictores de una edad de inicio más temprano? Dialnet. https://dialnet.unirioja.es/servlet/articulo?codigo=7442582
  • Restrepo, A. M., y Acevedo, V. E. (2009). Evaluación del funcionamiento de una familia con un adolescente con Trastorno Afectivo Bipolar. Dialnet. https://dialnet.unirioja.es/servlet/articulo?codigo=3091362
Escrever comentário
O que lhe pareceu o artigo?
1 de 3
O transtorno bipolar piora com a idade?