Partilhar

Teoria da aprendizagem social de Bandura

 
Por Bryan Longo. 14 agosto 2020
Teoria da aprendizagem social de Bandura

A maioria de nós, em algum momento de nossa vida, passou pela situação onde alguém apontou ou apenas mencionou o que temos de parecido com nossos pais. Esta semelhança destaca a premissa de que a origem dos comportamentos não se dá somente por fatores biológicos, mas também pela exposição ou introdução de estímulos externos «nosso ambiente em geral» (família, amigos, programas de televisão ou conteúdo online e cultural). A teoria da aprendizagem social de Bandura é explicada neste artigo de Psicologia-Online.

Bandura e behaviorismo

Albert Bandura nasceu no Canadá, em 1925. Psicólogo e escritor que foi influenciado pela leitura ou referência da obra Aprendizagem Social e Imitação de Miller e Dollard (1941). Uma de suas principais ideias é que as teorias do condicionamento não explicam completamente a aquisição e realização de um comportamento.

No início de 1950, Bandura iniciou um programa de investigação dos fatores que influenciavam ou influenciam no comportamento social.

Bandura afirma que a observação permite às pessoas aprender sem precisar praticar nenhum comportamento. A ideia principal da teoria social é a suposição de que as pessoas aprendem através da observação do comportamento de outras pessoas, nesse sentido, Bandura discorda de Skinner, que sustentava que o comportamento nascido das experiências próprias é o elemento básico da psicologia. Aqui você pode ler a teoria de B.F. Skinner.

Ele também expõe que o reforço não é fundamental para a aprendizagem: mesmo que o reforço facilite a aprendizagem, afirma que não é uma condição necessária para a mesma.

Em que consiste a teoria da aprendizagem social de Bandura

Albert Bandura, partidário de um enfoque social cognitivo, argumenta sobre o comportamento humano na interação entre o sujeito e seu entorno.

Este autor expõe a aprendizagem por observação, na qual cada um de nós tem um repertório de pessoas que tomamos como referência em diferentes âmbitos de nossas vidas (pais, professores, pessoas públicas, amigos). Neste enfoque, é eleito um modelo; depois, passamos para a observação e, por último, memorizamos e observamos se será útil para nós imitar ou não.

Um modelo e a observação não bastam para que o comportamento seja praticado; o modelo deve ser atrativo e de interesse para a pessoa que está modelando. Isto ocorre graças à capacidade de vermos a nós mesmos nos comportamentos dos outros.

Os 4 passos no processo de modelagem da teoria de Bandura

  1. Atenção: a atenção do modelador ou aprendiz deve se focar no modelo, caso contrário a aprendizagem será interrompida.
  2. Memória: o indivíduo deve reter o que observou para depois executá-lo.
  3. Reprodução: o comportamento é iniciado e a pessoa deve ser capaz de imitá-lo, não necessariamente igual, mas deve realizá-lo.
  4. Motivação: nesta parte é necessário conhecer o que levou a pessoa à realização do comportamento. O que deseja conseguir com a imitação? Talvez queira chegar ao mesmo estado de seu modelo.

A motivação é um passo ou aspecto chave no momento de iniciar a aprendizagem do que se quer imitar. É indispensável que existam razões ou motivos para querer aprender algo, caso contrário, é difícil manter o foco da atenção, a retenção e reprodução dos comportamentos.

Razões da aprendizagem segundo a teoria de Bandura

Segundo Bandura, existem vários motivos para querermos aprender algo. A seguir, os diferentes tipos de motivos que a teoria da aprendizagem social expõe:

  1. Recompensa ou punição passadas (reforço passado/ behaviorismo clássico), acontece quando realizamos um comportamento e recebemos algo bom em troca. Voltaremos a reproduzi-lo se existir a mesma recompensa.
  2. Reforço ou punição prometidos (incentivos), expectativas do que se quer conseguir. São todos aqueles possíveis benefícios futuros que nos motivam a querer aprender.
  3. Reforço ou punição vicários, o que observamos que o modelo com o qual aprendemos conseguiu.

As motivações negativas (punições) mencionadas também podem existir e nos levam a não imitar determinado comportamento: 1. castigo passado; 2. castigo prometido (ameaças) e 3. castigo vicário.

Esta teoria exposta por Bandura, nos ensina então que o entorno em que nos desenvolvemos potencializa ou debilita o desenvolvimento de nossas habilidades e também depende de que possamos nos mobilizar em diferentes entornos ou contextos sociais, o que nos permite ter mais diversidade de aprendizagem e desenvolver diferentes habilidades dependendo do entorno que selecionarmos.

A essência da aprendizagem por observação é a imitação; mas também implica somar e subtrair do comportamento observado e generalizar a partir desta observação; em outras palavras, implica processos cognitivos e não consiste apenas em mimética ou repetição simples. É algo mais que a repetição ou imitar as atitudes de outras pessoas, implica a representação simbólica de informação e armazenamento para situações futuras.

Fatores que determinam a aprendizagem modelada de Bandura

Segundo Albert Bandura, os fatores que determinam a aprendizagem são:

  1. As características do modelo: as pessoas tendem a observar mais as pessoas de nível social alto do que as de nível baixo, as competentes do que as não qualificadas e ainda mais as que possuem certo poder.
  2. As características do observador: estas são as que influenciam a probabilidade de que se produza imitação. Geralmente, as pessoas de posições sociais baixas tendem a imitar com frequência o comportamento ou, até mesmo, apresentar ausência de auto-identificação ou da percepção de ser um ser individual com características próprias, o que leva à repetição contínua de modelos.

Teoria da aprendizagem social de Bandura: exemplos

A teoria de Bandura expõe que a aprendizagem é conseguida através de processos imitativos cognitivos: copiar ou evitar certos comportamentos.

Por exemplo:

  • Uma criança que observa seus pais discutindo, os imita, processa em seu comportamento e reflete em seu entorno.
  • Ver alguém queimar a mão em um fogão fará com que futuramente essa pessoa não aproxime a mão do fogo.
  • Se um companheiro é um bom estudante e obtém sucesso, é provável que imitemos este comportamento.
Teoria da aprendizagem social de Bandura - Teoria da aprendizagem social de Bandura: exemplos

Livros sobre a teoria de Bandura

Albert Bandura escreveu diferentes livros sobre sua teoria:

  • Aprendizagem social e desenvolvimento da personalidade (1963)
  • Agressão: análise da aprendizagem social (1973)
  • Teoria da aprendizagem social (1977)
  • Fundamentos sociais do pensamento e da ação: uma teoria cognitivo social (1986)

Este artigo é meramente informativo, em Psicologia-Online não temos a capacidade de fazer um diagnóstico ou indicar um tratamento. Recomendamos que você consulte um psicólogo para que ele te aconselhe sobre o seu caso em particular.

Se pretende ler mais artigos parecidos a Teoria da aprendizagem social de Bandura, recomendamos que entre na nossa categoria de Psicologia cognitiva.

Bibliografia

Celedonio Castanedo. (2008). Seis enfoques psicoterapeuticos. Editorial El Manual Moderno. México.

Escrever comentário sobre Teoria da aprendizagem social de Bandura

O que lhe pareceu o artigo?

Teoria da aprendizagem social de Bandura
1 de 2
Teoria da aprendizagem social de Bandura

Voltar ao topo da página