menu
Partilhar

A caixa de Skinner: em que consiste este experimento

 
Por Gianluca Francia, Psicólogo. 11 maio 2021
A caixa de Skinner: em que consiste este experimento
Imagem: Reprodução/Wikimedia Commons

Um aspecto muito importante da contribuição de Skinner está relacionado com sua paixão pela criação de meios técnicos inovadores. A ele se deve, de fato, a idealização da chamada "caixa de Skinner", uma jaula particular onde o animal experimental é submetido a procedimentos de condicionamento controlados e reproduzíveis. Sua difusão foi tão ampla que ainda hoje suas versões atualizadas fazem parte do arsenal cotidiano de quem faz pesquisa em psicologia animal. Neste artigo de Psicologia-Online entenderemos o que é a caixa de Skinner, e em que consiste este experimento na base do condicionamento operante.

Também lhe pode interessar: Vício em comida: sintomas e como tratar

O que é a caixa de Skinner

Skinner retomou os estudos de Ivan Pavlov e de Edward Lee Thorndike e os aprofundou: o trabalho de Thorndike sobre a aprendizagem "instrumental" foi logo ampliado por Skinner, que construiu outra caixa, a Skinner box, muito similar à "problem box": uma jaula na qual um rato de laboratório pode ativar um mecanismo dispensador de porções de comida, pressionando uma alavanca.

O aperfeiçoamento do procedimento e do aparato experimental, a Skinner Box, por parte do mesmo Skinner, permitiu ressaltar e quantificar a relação entre variáveis independentes (estímulos reforçadores negativos e positivos) com a variável dependente (frequência das respostas comportamentais) evitando a interferência de outras variáveis que haviam influenciado na relações surgidas dos aparatos experimentais preparados por Thorndike.

O experimento da caixa de Skinner

O experimento da caixa de Skinner (1938) é simples: um rato era colocado em uma jaula fechada e isolada acusticamente, de modo que o animal não fosse alcançado por estímulos externos. Na jaula havia uma pequena alavanca cuja pressão provocava a queda de uma porção de comida. Além disso, a alavanca estava conectada a um marcador externo: ao baixar a alavanca, o marcador marcava o papel que corria sobre uma polia, permitindo assim registrar a frequência com que se baixava a alavanca. Este dispositivo foi chamado "caixa de Skinner" (Skinner box).

Como funciona a caixa de Skinner? O rato inserido na jaula, explorando o entorno e movendo-se à vontade, pressiona a alavanca cedo ou tarde, provocando a queda da porção de comida. Algumas vezes, se observa que a pressão da alavanca se reduz regularmente. O rato pressiona a alavanca várias vezes em um curto período de tempo, e os intervalos entre as pressões coincidem com o tempo necessário para comer a porção de comida; depois do qual a alavanca não é pressionada durante certo período de tempo, porque o animal está saciado, logo, depois de um tempo, o rato se dirige decididamente à alavanca, começa a pressionar e a comer.

A seguir, veremos o objetivo da caixa de Skinner.

A caixa de Skinner: em que consiste este experimento - O experimento da caixa de Skinner

Objetivo da caixa de Skinner

Seu principal interesse foi compreender como o comportamento humano muda de acordo com o efeito: se há uma consequência agradável o sujeito tende a repetir o comportamento. Se, por outro lado, a resposta é desagradável, o sujeito tende a abandonar um comportamento.

Com a finalidade de estudar os comportamentos operantes, Skinner introduziu uma variação na jaula-problema que utilizava Thorndike: a Skinner box permitia de fato estudar sistematicamente os comportamentos dos animais (inicialmente ratos, e então quase exclusivamente pombos) em condições controladas. A jaula de Skinner nos permite avaliar como o reforço atua sobre a resposta operativa, examinando o aumento do ritmo com o qual se manifesta o comportamento. Seu interesse não residia na associação de estímulo incondicional e estímulo condicionado, como no caso de Pavlov, e sim na possibilidade de modificar a frequência de ocorrência de um comportamento surgido espontaneamente, administrando um reforço.

Teoria da caixa de Skinner

Nem sempre é possível identificar o estímulo que provoca uma resposta, ou nem sempre é um estímulo a provocar a resposta: nestes casos, segundo Skinner, é o vínculo associativo que se instaura entre resposta (comportamento) e reforço (consequência) que determina a aprendizagem e, portanto, a manutenção do comportamento.

Como se pode ver, não há nenhum estímulo inicial que empurra o rato a pressionar a alavanca: no entanto, uma vez que a alavanca tenha sido pressionada acidentalmente, a apresentação da comida reforça a ação que determinou sua dose. A aprendizagem então é "deslocada" na relação entre "ação" (que Skinner e os comportamentalistas seguem indicando como "resposta") e "reforço", o que faz com que este comportamento inicialmente aleatório seja mantido pelo sujeito.

Neste artigo, você encontrará mais informações sobre a teoria de Skinner.

Skinner e o condicionamento operante

Skinner considera este paradigma uma forma de condicionamento, e o chama de "condicionamento operante" para ressaltar a diferença com o condicionamento de Pavlov, que se denomina "responsivo". Neste último caso, a resposta é provocada por um estímulo e o reforço se correlaciona com o estímulo; no condicionamento skinneriano, por outro lado, é a resposta que determina o reforço e, portanto, a resposta é "operante", visto que não há um estímulo que a determina. Se um comportamento operante rapidamente adquire uma relação com um estímulo anterior, então pode se converter em um "comportamento operante discriminado".

Aqui você pode ver a definição e exemplos de condicionamento operante.

Este artigo é meramente informativo, em Psicologia-Online não temos a capacidade de fazer um diagnóstico ou indicar um tratamento. Recomendamos que você consulte um psicólogo para que ele te aconselhe sobre o seu caso em particular.

Se pretende ler mais artigos parecidos a A caixa de Skinner: em que consiste este experimento, recomendamos que entre na nossa categoria de Psicologia clínica.

Bibliografia
  • Mandolesi, L., Passafiume, D. (2004). Psicología y psicobiología del aprendizaje . Milán: Springer-Verlag.
  • Petta, AM, Aragona, M. (2015). Perspectivas de la psicología moderna . Roma: Asociación Cruce de Diálogos.

Escrever comentário

O que lhe pareceu o artigo?

A caixa de Skinner: em que consiste este experimento
Imagem: Reprodução/Wikimedia Commons
1 de 2
A caixa de Skinner: em que consiste este experimento

Voltar ao topo da página