menu
Partilhar

Diferenças entre condicionamento clássico e operante

 
Por Gianluca Francia, Psicólogo. 10 maio 2021
Diferenças entre condicionamento clássico e operante

Entre as escolas de pensamentos próprias da psicologia, o comportamentalismo tem a aprendizagem como aspecto preponderante das próprias pesquisas e como fundamento das próprias teorizações. O condicionamento clássico e o condicionamento operante representam as duas principais formas de aprendizagem associativa. O primeiro é uma forma de aprendizagem implícita associativa e consiste na associação de dois estímulos, um estímulo incondicional e um condicionamento. No segundo, o operante, descoberto pela primeira vez pelo psicólogo E. Thorndike no início do século XX e aprofundado pelo comportamentalista B. F. Skinner, o indivíduo aprende a associar uma resposta a um estímulo altamente significativo para ele.

Neste artigo de Psicologia-Online veremos então quais são as diferenças entre condicionamento clássico e o operante com exemplos de ambas vertentes.

Também lhe pode interessar: Diferença entre delírio e alucinação

O que é o condicionamento clássico?

Nos primeiros anos do século XX, Ivan Pavlov, um estudioso russo, estava pesquisando sobre a salivação dos animais, querendo descobrir sua função e composição. Durante os experimentos que estava realizando, notou que os cachorros, seus sujeitos experimentais, começavam a salivar quando ouviam-no chegar, até mesmo antes de ver a comida. Este fenômeno o intrigou: como podiam saber que, depois dos passos de Pavlov, chegaria uma comida, o que justificaria a salivação? Impulsionado por esta incógnita, começou a investigar neste sentido e descobriu o condicionamento clássico, também chamado aprendizagem associativa. Graças a isto recebeu o Prêmio Nobel.

Princípios do condicionamento clássico

Pavlov, então, observando o comportamento dos cachorros em seus estudos de fisiologia, chegou a teorizar os princípios do condicionamento clássico:

  • Um estímulo incondicional provoca uma resposta incondicional.
  • Se ao estímulo incondicional se adiciona um estímulo condicionado, depois de algumas estimulações, será uma resposta diante da mera apresentação do estímulo condicionado. Esta resposta é a resposta condicionada.

Este mecanismo explica a aquisição de comportamentos primários como o medo da dor, a fome, etc. Seu uso permite a indução de reações de alarme (aceleração cardíaca, ativação do sistema nervoso, etc.) mas é inadequado para construir comportamentos articulados, como a eliminação do perigo e a prevenção do risco.

Exemplos de condicionamento clássico

Estes são alguns outros exemplos de condicionamento clássico na vida cotidiana:

  • A visão ou o odor de uma comida em particular te faz sentir náuseas.
  • A visão ou o odor de uma comida que te lembra de sua infância te faz sentir esfomeado e excitado.
  • Sonhar com como o telefone ou um despertador toca te deixa alerta ou ansioso.
  • Um odor familiar te faz feliz porque te lembra alguém que você gosta.
  • Estar em seu quarto com luzes suaves te faz sentir sonolento.
  • Acordar na metade da noite te faz pensar que você tem que usar o banheiro para urinar.
  • Escutar algumas canções que te recordam velhos amigos/experiência te faz se sentir emocional.
  • O pensamento ou a visão de álcool, cigarros ou outro medicamento te causam desejo se você desenvolveu um vício. Os consumidores de drogas também podem ter desejos quando se encontram em um entorno relacionado com a droga ou perto de pessoas que associam níveis máximos anteriores.

O que é o condicionamento operante?

Graças ao condicionamento clássico, o sujeito pode chegar a propor uma resposta reflexiva como consequência de um estímulo, inicialmente neutro e, portanto, condicionado de nossa escolha. No entanto, o limite deste procedimento se refere ao fato de que a resposta em si não é nova, mas já estava presente antes da condicionalidade como resposta a um estímulo incondicional. Como se pode aprender um novo comportamento através do condicionamento?

Princípios do condicionamento operante

No famoso experimento da Skinner box, idealizado pelo estudioso homônimo, o rato dentro da jaula era livre para se mover aleatoriamente. Em um dado momento, o rato ativou uma alavanca projetada pra deixar cair comida quando pressionada. Em pouco tempo o animal começou a repetir o comportamento repetidamente: havia aprendido que era o meio para obter uma vantagem chamada reforço. A aprendizagem deste tipo se deve a um condicionamento que Skinner chama operativo, isto é, influenciado pelas consequências. Neste artigo, te contamos o que é o condicionamento operante.

Exemplos de condicionamento operante

O condicionamento é algo que pode continuar durante toda a vida de uma pessoa, porque a aprendizagem do comportamento não termina em certa idade. Estes são alguns exemplos de comportamento operante observável em crianças e adultos:

  • Uma criança aprende a limpar seu quarto depois de ter sido premiado com o tempo de TV toda vez que o faz. É um reforço positivo.
  • Depois de bater em um colega de classe, a criança se senta separada e não é permitido a ela falar com ninguém. Deste modo, não voltará a bater no colega. É um castigo positivo.
  • Uma pessoa que decide tomar um caminho diferente durante o passeio matutino para evitar um aterro sanitário e assim aumenta a velocidade de corrida e a distância percorrida. É um reforço negativo.
  • Uma pessoa para de incomodar sua namorada sobre um tema depois que ela pede para essa pessoa se cale. É um castigo negativo.

Diferenças entre condicionamento clássico e operante

Vejamos quais são as principais diferenças entre condicionamento clássico e operante:

  • Princípios gerais: o condicionamento clássico é um tipo de aprendizagem que generaliza a associação entre dois estímulos, isto é, um indica a aparição do outro. Por outro lado, o condicionamento operante afirma que os organismos vivos aprendem a se comportar de uma maneira particular devido às consequências que seguiram seu comportamento passado.
  • Processo de condicionamento: no condicionamento clássico, o processo de condicionamento no qual o experimentador aprende a associar dois estímulos sobre a base das respostas involuntárias que se produzem antes dele. Já no condicionamento operante, o comportamento do organismo se modificará em função das consequências que se produzam posteriormente.
  • Tipos de comportamentos: o condicionamento clássico se baseia em comportamentos involuntários ou reflexivos, em essência, respostas fisiológicas e emocionais do organismo como pensamentos, emoções e sentimentos. Em outro extremo, o condicionamento operativo se baseia no comportamento voluntário, isto é, nas respostas ativas do organismo.
  • Controle das respostas condicionadas: no condicionamento clássico, as respostas do corpo estão sob o controle do estímulo, enquanto que no condicionamento operante as respostas são controladas pelo corpo.
  • Definição de estímulo: o condicionamento clássico define o estímulo condicionado e o incondicional, já o condicionamento operante não define o estímulo condicionado, isto é, pode ser generalizado.
  • Papel do organismo: quando se trata da ocorrência do estímulo incondicional, este é controlado pelo pesquisador e, portanto, o organismo desempenha um papel passivo. De forma contrária, a aparição do reforço está sob o controle do organismo e, portanto, o organismo atua ativamente.

Este artigo é meramente informativo, em Psicologia-Online não temos a capacidade de fazer um diagnóstico ou indicar um tratamento. Recomendamos que você consulte um psicólogo para que ele te aconselhe sobre o seu caso em particular.

Se pretende ler mais artigos parecidos a Diferenças entre condicionamento clássico e operante, recomendamos que entre na nossa categoria de Psicologia clínica.

Bibliografia
  • DRDERAMUS (2021). Condizionamento classico: come funziona + potenziali benefici. Disponível em: https://it.drderamus.com/classical-conditioning-1050
  • Isaia, R. (2007). Elementi di Psicologia Generale. Padua: Primiceri Editore.
  • Mandolesi, L., Passafiume, D. (2004). Psicologia e psicobiologia dell’apprendimento. Milán: Springer-Verlag.
  • Miglioretti, M., Pravettoni, G. (et al.) (2002). Processi cognitivi e personalità. Introduzione alla psicologia. Milán: Franco Angeli.
  • Sawakinome (2020). Differenza tra condizionamento classico e condizionamento operante. Disponível em: https://it.sawakinome.com/articles/business/difference-between-classical-conditioning-and-operant-conditioning.html

Escrever comentário

O que lhe pareceu o artigo?

Diferenças entre condicionamento clássico e operante
Diferenças entre condicionamento clássico e operante

Voltar ao topo da página