Partilhar

Insegurança no relacionamento: o que fazer

 
Por Claudia Pradas Gallardo. 24 novembro 2020
Insegurança no relacionamento: o que fazer

Praticamente todos nós já experimentamos alguma insegurança em algum momento da nossa vida. Não é estranho sentir que não podemos alcançar um objetivo ou que não seremos bom o suficiente para alcançar nossas metas. No entanto, o segredo é aprender a superar estas inseguranças e encontrar as ferramentas necessárias para fortalecer nossa autoestima.

Viver com insegurança pode chegar a ser muito prejudicial e destrutivo, não só para nós e sim para todas as pessoas nas quais nos relacionamos, em especial dentro de uma dinâmica de casal. Se quiserem saber o que fazer diante da insegurança no relacionamento, continue lendo este artigo de Psicologia-Online.

Também lhe pode interessar: Como reacender a paixão no relacionamento

Como superar a insegurança no relacionamento

O sentimento de insegurança costuma nascer da imagem que temos sobre quem somos e de como nos comportamos com o mundo que nos rodeia. Se sentimos que não somos suficiente para os demais, provavelmente nos comportamos de um modo inseguro e com medo da vida, o truque para superar este sentimento de insegurança consiste em superar os pequenos desafios do dia-a-dia. Para saber o que fazer diante a insegurança no relacionamento, oferecemos os seguintes concelhos:

  • Analise seus atos de maneira objetiva: apesar de parecer muito complicado, é necessário visualizar o que fazemos sem emitir nenhum tipo de julgamento sobre nós. Criticar nosso atos e nos castigar continuamente por não fazer as coisas impecavelmente não fortalece nossa segurança e autoestima.
  • Detecte as crenças limitantes: uma crença limitante é aquela que nos impede de seguir em frente, podemos reconhece-la como aquela voz que se repete dentro de nós e nos diz que não podemos fazer nada, que tudo é bastante complicado e que não somos suficiente.
  • Lembre-se das suas fortalezas e tudo que você já conseguiu: uma vez detectadas este tipo de crenças, devemos destruí-las mediante mensagens positivas e crenças positivas sobre nós. Recordar tudo aquilo que nos fizeram mais fortes é um exercício muito útil para conseguir destruir pensamentos inseguros.
  • Pratique a reestruturação cognitiva: esta terapia tem como objetivo identificar e mudar os pensamentos negativos. Neste caso, seria muito útil praticar a reestruturação cognitiva para eliminar aquelas ideias de insuficiência e mudá-las por pensamentos que nos ajudam a ser mais seguros diante da vida e dos desafios que esta nos propõe.

O vídeo abaixo publicado no nosso canal do YouTube dá algumas dicas sobre como lidar com a sua própria insegurança:

Por que sinto insegurança no relacionamento?

A insegurança emocional na relação costuma atingir mais as mulheres do que em homens. Este fenómeno pode ser devido as fortes pressões sociais que a mulher recebe na nossa cultura e pela educação que recebemos. Não devemos nos sentir culpados das nossas inseguranças, o segredo é identificar a razão de base e trabalhar para construir uma relação saudável e livre de inseguranças.

Influência dos estilos de apego

Segundo as teorias e investigações de Ainsworth, existem dois grandes tipos de apego: o seguro e o inseguro. Dentro do estilo inseguro, encontramos três subtipos diferentes: o apego evitativo, o ambivalente e o desorganizado.

É possível que um estilo de apego emocional inseguro considera relações inseguras, as pessoas que cresceram debaixo deste estilo educativo, é muito provável que desenvolvam uma imagem pessoal cheia de desconfiança e insegurança para si mesmo. Por outro lado, um estilo de apego seguro fortalece nossa autoestima e nos ajuda a crescer sem ansiedades e inseguranças relacionadas com nosso ambiente social.

Baixa autoestima e insegurança

Outras razões de base pela qual nos sentimos inseguros está relacionada com a baixa autoestima. Ter uma má imagem de nós pode implicar medo de perder uma pessoa, sentimentos de inferioridade, ansiedade, apego emocional e dependência. É importante trabalhar nossa autoestima para poder superar a insegurança emocional.

O primeiro passo para superar a insegurança emocional é detectá-la em nossas dinâmicas de casal, uma vez que vemos como nos comportamos de maneira insegura, teremos que fazer pequenos exercícios que tenham como objetivo fortalecer nossas habilidades sociais e a capacidade de nos relacionar de uma maneira saudável e segura.

O apego emocional no casal

Os laços de apego não têm que se comportar mal de maneira direta. O ser humano é um animal social e, por essa mesma razão, nos relacionamos com os demais por puro instinto de sobrevivência. O laço de apego nasce no mesmo momento que nascemos e vai se formando ao redor das pessoas que nós consideramos importantes na nossa vida. No entanto, existe uma clara diferença entre um apego saudável e um apego tóxico.

Uma relação de casal saudável é aquela baseada na confiança, a gratidão e os cuidados entre ambas partes do casal. Por outro lado, o apego tóxico é aquele que se define por causar uma forte dependência, altos e baixos emocionais e problemas dentro das mesmas dinâmicas de casal.

Dependência emocional de casal

Para definir esta situação, é primordial detectar os primeiros sinais da dependência emocional do casal: medo, ciúmes, inseguranças constantes, necessidades de controle... Uma vez confirmada a situação de dependência, é muito importante trabalhar um por um todos os fatores que nos levaram a ser pessoas pouco saudáveis em uma relação, para saber como, te convidamos a ler o seguinte artigo sobre como superar a dependência emocional do casal.

Este artigo é meramente informativo, em Psicologia-Online não temos a capacidade de fazer um diagnóstico ou indicar um tratamento. Recomendamos que você consulte um psicólogo para que ele te aconselhe sobre o seu caso em particular.

Se pretende ler mais artigos parecidos a Insegurança no relacionamento: o que fazer, recomendamos que entre na nossa categoria de Terapia de casal.

Escrever comentário

O que lhe pareceu o artigo?

Insegurança no relacionamento: o que fazer
Insegurança no relacionamento: o que fazer

Voltar ao topo da página