menu
Partilhar

O que é o condicionamento clássico e exemplos

 
Por Gianluca Francia, Psicólogo. 12 maio 2021
O que é o condicionamento clássico e exemplos

O modelo de condicionamento clássico tem sido amplamente utilizado na psicologia, em particular pelos comportamentalistas, para explicar os mecanismos por trás de alguns comportamentos humanos. Por exemplo, algumas formas de neurose ou fobia podem ser, de acordo com o mecanismo do acondicionamento clássico, geradas pela associação de um estímulo neutro com uma situação de ansiedade. Neste artigo de Psicologia-Online nos aprofundaremos em entender o que é o condicionamento clássico, com alguns exemplos a respeito.

Se você quer saber em que consiste o condicionamento clássico e quais são suas aplicações, assim como seus tipos e exemplos práticos, continue lendo.

Também lhe pode interessar: O que é assertividade e exemplos

O que é o condicionamento clássico

O condicionamento clássico pode ser definido como o processo pelo qual um estímulo não condicionado, que produz efeitos conhecidos, se associa a um estímulo neutro até o ponto em que o estímulo neutro produz efeitos muito similares aos do estímulo não condicionado. No final do processo, o estímulo neutro se denomina "estímulo condicionado" e seu efeito se denomina "condicionado".

Mais recentemente, foi se afirmando um novo enfoque (neopavloviano), de acordo com o qual o condicionamento clássico consiste na aprendizagem de associações entre acontecimentos que permitem ao indivíduo (e aos animais) antecipar e representar o ambiente exterior. Portanto, pode ser visto como a aquisição de um novo conhecimento sobre o mundo exterior e não simplesmente como a capacidade de ativar novos comportamentos.

Elementos, princípios e características do condicionamento clássico

É bastante conhecido o experimento através do qual Pavlov havia condicionado o seu cachorro a babar ao som de uma campainha. O mecanismo de acondicionamento consistia em submeter o cachorro a dois estímulos: o som da campainha e a administração de alimentos. O experimento canônico do condicionamento clássico pode ser esquematizado da seguinte forma:

  1. É dada comida ao cachorro, que começa a salivar: esta é a situação de partida, onde um estímulo natural (a comida) provoca uma resposta natural (a salivação).
  2. Começa o "condicionamento": o som de um timbre antes da apresentação da comida, que faz com que o cachorro babe. Um estímulo neutro (o som), que por si só não seria capaz de provocar a salivação, é percebido pelo cachorro poucos segundos antes de que o alimento seja dado a ele (o estímulo natural) que causa a salivação.
  3. Depois de um número de repetições, quando o cachorro ouve o timbre, começa a salivar, antes de que a comida seja dada: a aprendizagem aconteceu.

O cachorro aprendeu, por associação, que a comida vem após o som, e logo começa a salivar. O som se converteu em um estímulo que provoca uma resposta condicionada. Agora, a comida já não é o elemento que causa a salivação (que já ocorreu com o som), mas se converteu em um reforço. Sua função então se converte em confirmar e reforçar a resposta, logo depois do estímulo condicionado. Resumindo, os elementos do condicionamento clássico são:

  • Estímulo neutro (EN): estímulo sonoro ou luminoso.
  • Estímulo incondicional (EI): alimento.
  • Resposta incondicional (RI): salivação.
  • Estímulo condicionado (EC): estímulo sonoro ou luminoso.
  • Resposta condicionada (RC): salivação.

É evidente que, colocado nestes termos, o processo de aprendizagem não implica consciência, nem capacidade reflexiva. De fato, pode ser simplesmente a repetição dos estímulos o que induz um determinado comportamento que, por estar associado ao estímulo, se encontra condicionado. Deste ponto de vista, não importa se o cachorro é consciente ou não da relação que une a comida, o som da campainha e sua reação. A aprendizagem se produz no momento em que se cria uma associação entre estímulo e resposta. Para isso, devem ser cumpridas duas condições principais:

  1. A proximidade temporal entre as variáveis em jogo.
  2. A conexão entre as variáveis ser repetida pela quantidade necessária.

Tipos de condicionamento clássico

Há vários tipos de condicionamento clássico:

  1. Reforço: quanto maior for a frequência de associação entre estímulo condicionado, estímulo incondicional e resposta incondicional, maior é a intensidade e regularidade da aparição das respostas condicionadas.
  2. Extinção: se o estímulo incondicional for omitido repetidamente, então a resposta condicionada perde intensidade até desaparecer.
  3. Recuperação espontânea: a extinção não implica a perda total da possibilidade de produzir a resposta condicionada, já que esta tende a reaparecer por um certo tempo mesmo se não se apresenta o estímulo incondicional.
  4. Generalização: a resposta condicionada é sensível à generalização do estímulo condicionado (por exemplo, o cachorro pode começar a salivar até mesmo ao ouvir sons diferentes do inicial).
  5. Discriminação: também é possível aprender a discriminar entre estímulos similares. Se somente o estímulo inicial é associada repetidamente com o estímulo incondicional (isto é, apenas o som original é seguido por comida), enquanto que outros sons similares não se associam com a presença de alimentos, então é observada uma extinção gradual e progressiva da resposta de salivação aos sons similares, enquanto se mantém a salivação como resposta ao som inicial.

Outro tipo de condicionamento é o operante. No seguinte artigo você pode ver o que é o condicionamento operante com exemplos.

Afinal, que importância o condicionamento clássico tem na vida cotidiana? No seguinte tópico veremos aplicações do condicionamento clássico.

Exemplos de condicionamento clássico

O condicionamento clássico pode se referir no homem à aprendizagem de respostas emocionais específicas, por exemplo, o medo ou até mesmo o desenvolvimento de fobias, nas quais o sujeito associa um estímulo neutro a um estímulo considerado assustador.

Os anunciantes, por outro lado, procuram aproveitar o acondicionamento clássico associando uma resposta (compra) à imagem de seus produtos, associando-os com estímulos agradáveis. Não é por acaso que os anúncios de produtos para a forma física, ao invés de imortalizar mulheres ou homens com um físico "generoso", não dão modelos esguios (estímulo agradável). Aproveitam-se da associação compra de produto com físico modelo.

  • Colocar uma música popular junto com os produtos nos anúncios para gerar sentimentos positivos e o gosto pelos produtos.
  • A música de Natal tocada na loja pode desencadear as doces recordações e hábitos de presentear e compartilhar na mente de um consumidor e, portanto, persuadi-lo a entrar na loja.
  • Os candidatos políticos procuram aparecer na televisão com uma música patriótica de fundo para despertar o sentimento patriótico dos eleitores.
  • A publicidade constante de um produto em espetáculos esportivos emocionantes pode levar o próprio produto a gerar uma resposta emocionante.
  • As pessoas que recebem quimioterapia frequentemente vomitam durante ou logo após o procedimento. Depois de várias sessões de quimioterapia, as pessoas começam a se sentir mal ao ver a sala de aplicação.
  • Ver comida te dará fome. Logo, toda vez que você for à cozinha, sentirá fome.
  • Se toda vez que você vê um filme de terror, você come uma caixa de balas, você descobrirá que ver as balas fará você ficar assustado.

Este artigo é meramente informativo, em Psicologia-Online não temos a capacidade de fazer um diagnóstico ou indicar um tratamento. Recomendamos que você consulte um psicólogo para que ele te aconselhe sobre o seu caso em particular.

Se pretende ler mais artigos parecidos a O que é o condicionamento clássico e exemplos, recomendamos que entre na nossa categoria de Psicologia cognitiva.

Bibliografia
  • Dalli, D., Romani, S. (2000). Il comportamento del consumatore. Acquisti e consumi in una prospettiva di marketing. Milán: Franco Angeli.
  • Mandolesi, L., Passafiume, D. (2004). Psicologia e psicobiologia dell’apprendimento. Milán: Springer-Verlag.
  • Miglioretti, M., Pravettoni, G. (et al.) (2002). Processi cognitivi e personalità. Introduzione alla psicologia. Milán: Franco Angeli.
  • ToiTogo (2018). I 10 migliori esempi solidi di Pavlov Classical Conditioning in Action. Disponível em: https://www.toitogo.it/2018/12/15/toitogo-it-i-10-migliori-esempi-solidi-di-pavlov-classical-conditioning-in-action/

Escrever comentário

O que lhe pareceu o artigo?

O que é o condicionamento clássico e exemplos
O que é o condicionamento clássico e exemplos

Voltar ao topo da página