Psicologia clínica

Surto psicótico tem cura?

 
Alejandro Garcia Mingrone
Por Alejandro Garcia Mingrone. 25 abril 2023
Surto psicótico tem cura?

Um surto psicótico pode ser tratado e muitas pessoas conseguem se recuperar completamente combinando a tomada de medicamentos antipsicóticos com a terapia psicológica. Se você já passou por uma crise, provavelmente percebeu como as ideias começam a atormentar, a vida começa a ficar escura, sensações visuais, auditivas, perceptivas e táteis extremamente desconhecidas aparecem, bem como o medo de ser perseguido, mutilado, assassinado e/ou ofendido.

Diante dessas complexidades, é possível que você se pergunte se qualquer pessoa pode sofrer uma crise de saúde mental ou se é possível prevenir recaídas. Apesar das consequências negativas que os transtornos mentais podem acarretar, hoje em dia contamos com recursos para intervir nesse tipo de situação. Neste artigo de Psicologia-Online, responderemos à pergunta: surto psicótico tem cura?

Também lhe pode interessar: Sequelas de um surto psicótico

Índice

  1. Um surto psicótico tem cura?
  2. Como tratar um surto psicótico
  3. Quanto tempo leva para tratar um surto psicótico?
  4. Sequelas do surto psicótico

Um surto psicótico tem cura?

Embora o surto psicótico seja um período determinado que irá variar de acordo com cada pessoa, atualmente existem tratamentos para curar ou melhorar sua qualidade de vida. Antes de tudo, é primordial avaliar a gravidade do caso e as melhores alternativas ao implementar estratégias de atuação. Nesses casos, será necessário realizar acompanhamentos constantes da evolução do paciente após o surto psicótico.

Da mesma forma, é importante identificar e tratar qualquer transtorno subjacente que possa estar contribuindo para o surto psicótico, como a depressão ou ansiedade. Com um tratamento adequado e um acompanhamento cuidadoso, muitas pessoas podem voltar às suas vidas normais.

Cabe destacar que não apenas as emoções, pensamentos e comportamentos são afetados nesse ciclo; o corpo também sofre sérias perturbações na regulação de processos internos. Em outras palavras, o cérebro pode ser alterado como resultado de episódios de estresse e/ou ansiedade elevada.

Como tratar um surto psicótico

A partir das complexidades advindas de um surto psicótico, surgem tratamentos que podem representar avanços na vida daqueles que tenham passado por isso. A seguir, falaremos sobre como tratar um surto psicótico.

Terapia psicológica

Os tratamentos psicoterapêuticos são indispensáveis após ter passado por um surto psicótico. Independentemente do lugar onde seja realizado, esse tipo de abordagem fornecerá ferramentas para lidar de maneira mais fácil com situações de ansiedade, estresse, raiva e/ou incerteza que possam ter afetado a pessoa.

Por um lado, as terapias de curta duração enfatizam especialmente os sintomas atuais que são um obstáculo para progredir. Entre as mais conhecidas, destaca-se a terapia cognitivo-comportamental. Por outro lado, as terapias mais longas tentam localizar a origem dos conflitos por meio da lembrança de experiências infantis. Uma das correntes mais importantes é a psicanálise.

Medicação psiquiátrica

Para controlar ou reduzir os efeitos posteriores de um surto psicótico, o uso de medicamentos farmacológicos é uma das alternativas mais viáveis. No entanto, a supervisão de um profissional de saúde mental é imprescindível.

Surto psicótico tem cura? - Como tratar um surto psicótico

Quanto tempo leva para tratar um surto psicótico?

Antes de responder a esta pergunta, é preciso fazer alguns esclarecimentos. Em primeiro lugar, a duração do surto estará relacionada à gravidade do quadro clínico que a pessoa apresenta e aos recursos disponíveis para lidar com o episódio.

Por outro lado, não se pode deixar de lado a importância dos tratamentos que podem ser realizados para controlar as sequelas de um surto psicótico. Em geral, esse tipo de crise costuma passar em um mês, dependendo das variáveis mencionadas anteriormente.

Sequelas do surto psicótico

Para obter uma compreensão global do tema que estamos tratando, é necessário considerar os momentos posteriores a um episódio de crise. Nesta seção, abordaremos quais sequelas um surto psicótico pode deixar no indivíduo:

  • Lentidão: problemas na mobilidade corporal podem surgir. Isso pode ser observado por meio de movimentos lentos, rígidos e estereotipados que a pessoa realiza. Além disso, a área da linguagem também é afetada devido a uma dificuldade considerável para falar com eloquência. Por isso, pessoas que passaram por surtos psicóticos apresentam dificuldades para pensar e agir com rapidez;
  • Medo: em geral, as ideias delirantes e persistentes que surgem em um surto psicótico persistem ao longo do tempo. De fato, surge o medo de que certas situações se repitam e até mesmo de ter novamente uma crise do tipo;
  • Apatia: a necessidade de manter um distanciamento físico e emocional de outras pessoas é marcante nesses casos. Dessa forma, a apatia é vista como uma condição relevante devido à dificuldade de estabelecer laços sociais duradouros e estáveis.

Frente ao surgimento de algum sintoma e/ou sequela, recomenda-se fazer uma consulta com um profissional de saúde para obter aconselhamento.

Surto psicótico tem cura? - Sequelas do surto psicótico

Este artigo é meramente informativo, em Psicologia-Online não temos a capacidade de fazer um diagnóstico ou indicar um tratamento. Recomendamos que você consulte um psicólogo para que ele te aconselhe sobre o seu caso em particular.

Se pretende ler mais artigos parecidos a Surto psicótico tem cura?, recomendamos que entre na nossa categoria de Psicologia clínica.

Bibliografia
  • Ángulo Cruz, R., Umaña Álvarez, A., Arguedas Gourzong, E. (2009). Tratamiento famacológico de la psicosis en el adulto mayor. Revista Médica de Costa Rica y Centroamérica, 66 (587), 49-52.
  • Vispe Astola, A., Hernández González, M., Ruiz-Flores Bistuer, M., García Valdecasas Campelo, J. (2015). De la psicosis aguda al primer episodio psicótico: rumbo a la cronicidad. Revista de la Asociación Española de Neuropsiquiatría, 35 (128), 731-748.
Escrever comentário
O que lhe pareceu o artigo?
1 de 3
Surto psicótico tem cura?