menu
Partilhar

Lóbulo temporal: função, áreas, características e lesões

 
Por Vivian Lupo. 28 outubro 2021
Lóbulo temporal: função, áreas, características e lesões

O lóbulo temporal é uma parte do cérebro responsável por muitas funções relacionadas com a audição e linguagem. Também desempenha tarefas visuais importantes, além de regular emoções. Quer saber cada detalhe do lóbulo temporal? Como, por exemplo, o que controla o lóbulo temporal esquerdo ou quais são as funções do lóbulo temporal direito. Neste artigo de Psicologia-Online, falaremos das funções, áreas e características do lóbulo temporal e também sobre as lesões que podem ocorrer.

O que é lóbulo temporal

Os lóbulos estão nos hemisférios direito e esquerdo do cérebro. Assim, cada lado de nosso cérebro possui quatro lóbulos, são eles: lóbulo frontal, lóbulo temporal, lóbulo parietal e lóbulo occipital.

O lóbulo temporal é a segunda maior estrutura do cérebro, a primeira é o lóbulo frontal. Ocupa aproximadamente um quarto do córtex cerebral.

Outra das características do lóbulo temporal mais importantes é que estabelece conexões com o sistema límbico. Mas, o que é o sistema límbico? É um sistema que é responsável pelas emoções e comportamentos sociais, está diretamente relacionado com a natureza afetiva das percepções sensoriais.

Lóbulo temporal: função, áreas, características e lesões - O que é lóbulo temporal

Função do lóbulo temporal

O lóbulo temporal está localizado nas laterais da cabeça, por trás do frontal. Qual é a função do lóbulo temporal? Suas habilidades fundamentais são:

  • Memória
  • Reconhecimento
  • Afetividade

São os lóbulos temporais as regiões do cérebro encarregadas de receber e regular os estímulos sensitivos, a linguagem, a memória, a informação do olfato.

São responsáveis, também, pela capacidade que as pessoas têm de reconhecer objetos e rostos, emoções, atenção, parte da aprendizagem, afeto, leitura e escrita.

O lóbulo temporal está localizado em uma região em que também se encontra o córtex primário da audição do cérebro. Por isso, é capaz de controlar a linguagem auditiva e os sistemas de compreensão de fala.

Áreas do lóbulo temporal

O lóbulo temporal é uma das partes do cérebro e está dividido em diferentes áreas. A seguir, veremos quais são as áreas do lóbulo temporal e que controla cada parte do lóbulo temporal:

Córtex auditivo

  • Trabalha no processo de audição
  • Percebe sons
  • Realiza codificação, decodificação e interpretação da informação auditiva

Temporal medial

  • Participa da memória e reconhecimento
  • Processa a informação e ajuda a passar da memória a curto prazo para a de longo prazo
  • O hemisfério esquerdo se encarrega da informação verbal
  • O hemisfério direito armazena padrões visuais

Área de associação:

  • Intervém nas percepções, na memória e nos sentimentos
  • Participa da memória e aprendizagem
  • Regulação do comportamento sexual
  • Manutenção da estabilidade emocional

Giro supramarginal

  • Participa no reconhecimento tátil
  • Participa na linguagem
  • Capacidade de fazer com que o indivíduo reconheça o relevo das letras através dos dedos e associá-las a sons

Giro angular

  • Permite a associação da informação visual com a auditiva
  • Permite produzir uma mudança no tipo de dados com os trabalha no cérebro

Área de Wernicke

  • Processamento e compreensão da linguagem
  • Permite a comunicação verbal entre indivíduos

No seguinte artigo, você encontrará mais informações sobre a Área de Wernicke, sua localização e funções.

Córtex do sulco temporal

  • Trabalha na informação auditiva e visual

Lesões no lóbulo temporal

As lesões que podem ocorrer no lóbulo temporal e que produzem uma série de sintomas relacionados com suas funções são:

  • AVC
  • Tumores
  • Traumatismos cranioencefálicos
  • Danos no córtex cerebral que afetem o lóbulo temporal
  • Transtornos neurológicos específicos

O que acontece se o lóbulo temporal for danificado? As consequências de tais lesões são as seguintes:

  • Surdez
  • Problemas de audição
  • Alucinações auditivas
  • Perda de memória
  • Mudanças de personalidade
  • Apraxia motora
  • Déficit de resposta a estímulos sensitivos
  • Afasia de Wernicke
  • Alterações de Aprendizagem
  • Afetação na leitura: em pessoas com lesões no giro angular, a leitura geralmente fica afetada, sendo muito lenta ou inexistente.

Convulsões do lóbulo temporal

Podemos citar as convulsões do lóbulo temporal, também nomeadas de convulsões focais com alteração de consciência. É chamada assim porque algumas pessoas continuam conscientes do que ocorre, mesmo que durante convulsões mais intensas, podem parecer conscientes, mas não estão.

Os lóbulos temporais processam as emoções e são importantes para memórias a curto prazo, assim, alguns sintomas da convulsão do lóbulo temporal podem se relacionar com estas funções.

As causas dessas convulsões ainda são desconhecidas, mas estudos indicam que podem ser por um defeito anatômico ou uma cicatriz no lóbulo temporal.

Tais convulsões do lóbulo temporal se tratam com medicamentos. E, para indivíduos que não respondem à medicação, a cirurgia pode ser uma alternativa.

Epilepsia do lóbulo temporal

Também podemos fazer menção à epilepsia do lóbulo temporal que geralmente começa ao redor dos 10 anos de idade até a adolescência, mas pode se desenvolver em qualquer idade sempre e quando exista uma lesão estrutural no lóbulo temporal.

Na epilepsia do lóbulo temporal ocorrem crises focais:

  • Se o indivíduo permanece consciente durante a crise, então esta leva o nome de crise focal consciente.
  • Do mesmo modo, se o indivíduo perde a consciência durante a crise, chama-se de crise focal com alteração da consciência. Essas crises são descritas como uma sensação ou vivências especiais, inclui sensações de ter vivido previamente a situação atual, um odor, sabor, som ou visão, uma emoção, náuseas ou sensação de elevação no abdômen. O indivíduo que apresenta uma alteração de consciência na crise pode ficar olhando ou esfregando as mãos.

A epilepsia do lóbulo temporal pode ser causada por infecções, lesões e tumores cerebrais, bem como fatores genéticos ou mudanças na estrutura cerebral. Pode ser diagnosticada com uma análise de sangue, um eletroencefalograma ou técnicas de diagnóstico por imagem.

Este artigo é meramente informativo, em Psicologia-Online não temos a capacidade de fazer um diagnóstico ou indicar um tratamento. Recomendamos que você consulte um psicólogo para que ele te aconselhe sobre o seu caso em particular.

Se pretende ler mais artigos parecidos a Lóbulo temporal: função, áreas, características e lesões, recomendamos que entre na nossa categoria de Neuropsicologia.

Bibliografia
  • Harry, M.D.T.C., (2017). Epilepsia de lóbulo temporal. Recuperado de: https://kidshealth.org/es/parents/temporal-lobe-epilepsy.html
  • Pérez, J., Martí, A., Herrera, M., Bottan, J., Burneo, J. (2020). Epilepsia del lóbulo temporal plus: revisión. Recuperado de: https://www.neurologia.com/articulo/2020339

Escrever comentário

O que lhe pareceu o artigo?

Lóbulo temporal: função, áreas, características e lesões
1 de 2
Lóbulo temporal: função, áreas, características e lesões

Voltar ao topo da página