Partilhar

Córtex cerebral - áreas e funções corticais

 
Por Equipe editorial. Atualizado: 22 julho 2019
Córtex cerebral - áreas e funções corticais

O córtex cerebral é a parte mais nova, evolutivamente falando, e maior em tamanho do cérebro. É dessa região que ocorre a percepção, a imaginação, o pensamento, o juízo e a decisão. Nos mamíferos, ela também representa uma peça-chave na memória, na atenção, na cognição, na consciência e na linguagem. Por isso, nesse artigo completo de Psicologia-Online, vamos te mostrar o que é córtex cerebral - áreas e funções corticais com ilustrações explicativas.

O que é córtex cerebral

O córtex cerebral é, antes de mais nada, uma fina camada de substância cinzenta que cobre uma infinidade de vias de substância branca. Essa camada está fortemente dobrada em si mesma e, por isso, se fosse estendida ocuparia uma área equivalente a 2500 cm². Essa capa contém cerca de 10 bilhões de neurônios, que realizam cerca de 50 trilhões de sinapses. Essas dobras têm "cristas", que são chamados giros, e "vales", que são chamados sulcos.

Córtex cerebral: função e anatomia geral

Alguns dos sulcos são bastante pronunciados e longos e são considerados como os limites entre as quatro áreas dos dois hemisférios cerebrais: os lóbulos ou lobos cerebrais. A parte frontal mais remota do cérebro se chama lobo frontal, extremamente importante por ser responsável pelos movimentos voluntários e pelo planejamento, além de também ser indispensável para a personalidade e a inteligência.

Na parte posterior do lobo frontal, e ao longo do sulco que o separa do lobo parietal, existe uma área chamada córtex motor. Em estudos com pacientes que realizaram procedimentos cirúrgicos no cérebro, um estímulo de áreas do córtex motor com pequenas descargas elétricas gerava movimentos no corpo. Com isso, foi possível para investigadores formular um mapa completo e bastante preciso do nosso córtex motor. As partes mais baixas dele controlam os músculos da boca e do rosto. Já as partes do córtex motor próximas à parte superior da cabeça controlam as pernas e os pés.

Abaixo do lobo frontal está o lobo parietal, que em latim significa parede. Esse lóbulo inclui uma área chamada córtex somatossensorial, justo debaixo do sulco que separa este lobo do frontal. Novamente, ao estimularem os pontos dessa área, os médicos perceberam que seus pacientes descreviam a sensação de estarem sendo tocados em várias partes do corpo. Igual ao córtex motor, é possível traçar um mapa do córtex somatossensorial com as partes dele que afetam a boca e o rosto e também as pernas e os pé, por exemplo.

Depois do lobo parietal temos o lobo temporal, no qual se encontra o córtex auditivo. Como seu nome indica, essa área está intimamente ligada com os ouvidos e especializada com a audição. Ele está próximo das conexões do lóbulo temporal com os lobos parietal e frontal. Já na parte traseira da cabeça está o lobo occipital. E na parte traseira desse lóbulo está o córtex visual, que recebe a informação dos olhos e é especializado, como se pode imaginar, pela visão.

Por fim, as áreas dos lobos cerebrais que não são especializados fazem parte do córtex de associação. Além de conectar as regiões do córtex sensorial e motor, acredita-se que essas partes do córtex são onde nossos processos de pensamento acontecem e muitas memórias são finalmente armazenadas. Assim, confira a seguir uma ilustração para que você consiga visualizar melhor as principais partes do córtex cerebral.

Para saber mais sobre os lobos cerebrais, não deixe de ler a nossa matéria O que é sistema nervoso central: anatomia e funções.

Córtex cerebral - áreas e funções corticais - O que é córtex cerebral

Córtex cerebral: função das camadas

O córtex cerebral conta com 6 camadas principais. A seguir, iremos explicar com mais detalhes todas elas, ordenadas desde a mais superficial até a mais interna:

  1. Camada molecular: também chamada de camada plexiforme, é a camada mais superficial do córtex cerebral. Trata-se de uma camada sináptica composta por uma densa rede de fibras nervosas, as quais se derivam de dendritos de células piramidais e fusiformes e de axônios das células de Martinotti e estreladas (ou granuladas). Por ser a capa mais externa, nela são estabelecidas muitas sinapses entre neurônios.
  2. Camada granular externa: se localiza debaixo da capa molecular e, nela, se encontram muitas células estreladas. Os dendritos das células e os axônios se infiltram entre as camadas mais profundas, fazendo com que essa camada esteja interconectada com as distintas partes do córtex.
  3. Camada piramidal externa: é formada por células piramidais e tem uma forma irregular com um tamanho que vai aumentando desde a superfície até a parte mais profunda. As células piramidais dirigem seus axônios até outras partes do córtex em forma de fibras de projeção, associação ou comissurais (inter-hemisféricas).
  4. Camada granular interna: essa camada é composta de células estreladas, as quais se dispõem de maneira compacta. Possui a Lâmina externa de Baillarger, que são fibras ordenadas de forma horizontal.
  5. Camada piramidal interna: também chamada de camada ganglionar, possui células piramidais de tamanho mediano e grande. Possui uma grande quantidade de fibras ordenadas de maneira horizontal que formam a Lâmina interna de Baillarger.
  6. Camada multiforme: é formada por células fusiformes e também possui células piramidais modificadas, que contam com um corpo triangular ou oval. As fibras nervosas dessa camada do córtex cerebral ingressam na substância branca subjacente conectando-as com as regiões intermediárias. As células fusiformes derivam a informação até o córtex, o tálamo e os núcleos da base.

Córtex cerebral e os hemisférios cerebrais

Se você observar o cérebro desde cima, é possível ver que há uma divisão no meio do órgão. Esta dá origem aos dois hemisférios cerebrais. Essas metades estão intimamente unidas por um arco de substância branca chamado corpo caloso e contam com especializações distintas.

Hemisférios cerebrais: funções e diferenças

O hemisfério esquerdo do cérebro está relacionado com a parte direita do corpo e o hemisfério direito, com a esquerda. A parte direita de cada retina, que vê as coisas à esquerda do ponto de fixação, se encontra no hemisfério esquerdo. Isso significa que, se você estiver com o olhar fixo em um ponto e alguém te mostra rapidamente algo a sua esquerda, é o hemisfério direito que recebe a informação. Já se alguém te mostra algo pela sua direita, por sua vez, é o esquerdo que recebe a informação.

Mas os dois hemisférios são responsáveis por outras funções. O hemisfério esquerdo é o responsável pela linguagem e por sistemas semelhantes, como o do pensamento lógico e matemático. Já o direito está mais relacionado com a orientação espacial, o reconhecimento de pessoas e a imagem corporal. Ele também governa nossa capacidade de apreciar arte e música.

Algumas das pesquisas mais interessantes sobre os hemisférios foram realizadas pelo neurobiólogo Roger Sperry, que trabalhou com pacientes que fizeram uma delicada cirurgia no cérebro para controlar a epilepsia.

Sperry projetava imagens em duas partes de uma tela e pedia que os pacientes falassem o que tinham visto em uma delas e pegassem com uma mão o outro objeto projetado na tela diretamente de uma caixa. Assim, se ele mostrava uma bola na parte esquerda da tela e um lápis na direita, a pessoa poderia dizer a palavra "lápis", usando os centros de linguagem do hemisfério esquerdo, e pegar uma bola na caixa com a mão esquerda, usando o hemisfério esquerdo do cérebro.

Córtex cerebral - áreas e funções corticais - Córtex cerebral e os hemisférios cerebrais

Hemisférios cerebrais e experiências sobre epilepsia

Acredita-se que, em alguns casos, a epilepsia severa pode ser quase eliminada realizando um corte no corpo caloso. Assim, de certa forma, as pessoas com a patologia nesse nível e que fizerem essa operação realmente têm dois cérebros - ou dois córtex, para sermos mais exatos.

Por exemplo, Sperry descobriu que, após essa operação cirúrgica, se algo era posto na mão direita dessas pessoas, elas podiam dizer qual era o objeto. No entanto, se o mesmo fosse colocado na mão esquerda, os pacientes não conseguiam deduzir o que estavam segurando.

Isso pode ser explicado facilmente pelo fato de que a sensação de um objeto na mão direita é interpretada pelo hemisfério esquerdo do cérebro e, já que essa zona é responsável, entre outras coisas, pela linguagem, as informações conseguiam ser interpretadas pelo indivíduo. Porém, a sensação do mesmo objeto na mão esquerda é interpretada pelo hemisfério direito, que não é responsável pela linguagem. Assim, com os dois hemisférios cerebrais separados, a sensação do objeto na mão esquerda não conseguia passar do hemisfério direito ao esquerdo e, por isso, não era compreendida pelo córtex cerebral.

Atualmente, costuma-se ter em dúvida se as funções cerebrais estão realmente separadas pelos hemisférios ou se se encontram repartidas por todo o córtex cerebral.

Córtex cerebral e linguagem

Como já dissemos anteriormente, a linguagem é uma função predominantemente do hemisfério esquerdo. No entanto, o hemisfério direito também acaba sendo responsável por parte da linguagem conseguindo ter, por exemplo, uma boa compreensão de insultos e palavrões. Além disso, se um indivíduo sofre de um dano cerebral no hemisfério esquerdo no começo da vida, o hemisfério direito acaba se apoderando da função da linguagem. Para algumas pessoas, funções relacionadas à linguagem também podem ser encontradas no lado direito do cérebro ou em ambos.

Com isso, é interessante considerar que, assim como nos seres humanos, nos macacos e gorilas o hemisfério esquerdo parece ser mais sensível aos chamados da sua própria espécie, já que, ao ouvi-los, os animais direcionam seu ouvido direito ao som. E alguns pássaros, como os canários, também contam com uma especialização hemisférica, ou seja, com uma maior habilidade para determinada função cognitiva - nesse caso a linguagem - por um dos hemisférios cerebrais - nesse caso também o hemisfério esquerdo.

Outro fator muito importante na hora de se estudar a função da linguagem no cérebro e sua relação com o córtex cerebral são os chamados centros de linguagem. Um dos principais é conhecido como a área de Broca, em homenagem ao cientista francês Paul Broca, que descobriu primeiro a região. Ela está localizada na parte inferior do lobo frontal esquerdo. Um paciente que teve um dano cerebral nessa área tem sua capacidade de se expressar reduzida e, em casos mais graves, pode até perder a capacidade de falar como um todo, o que é chamado de afasia de Broca.

Outro centro de linguagem importante é a área de Wernicke, que está próxima a de Broca, porém no lobo temporal, ao lado do córtex auditivo. É nessa região que entendemos o significado da linguagem e, se um dano cerebral a atingir, resultará em uma afasia de Wernicke, na qual o indivíduo tem dificuldade de compreender o que está sendo dito para ele. Ocasionalmente, é possível que uma pessoa tenha sofrido um dano nas conexões entre as áreas de Broca e Wernicke, o que gera uma afasia de condução. Indivíduos com esse problema podem entender e produzir linguagem bem, no entanto não conseguem repetir o que acabaram de escutar.

Já o giro angular é outra região muito importante para o entendimento da linguagem. Ele se encontra entre a área de Wernicke e serve como conexão entre os centros de linguagem o córtex visual. Se essa área estiver danificada, a pessoa sofrerá de alexia, como é chamada a incapacidade para ler, e de agrafia, incapacidade para escrever.

Córtex cerebral - áreas e funções corticais - Córtex cerebral e linguagem

Córtex cerebral: imagens

Se você quiser saber mais sobre as funções do córtex cerebral e a anatomia do sistema nervoso, leia o nosso artigo de Psicologia-Online sobre as partes do cérebro e suas funções. Além disso, confira outras duas ilustrações sobre o córtex cerebral para que você possa observar e estudar melhor essa parte tão importante do nosso organismo.

Imagens: Snowbrains e Pinterest

Este artigo é meramente informativo, em Psicologia-Online não temos a capacidade de fazer um diagnóstico ou indicar um tratamento. Recomendamos que você consulte um psicólogo para que ele te aconselhe sobre o seu caso em particular.

Se pretende ler mais artigos parecidos a Córtex cerebral - áreas e funções corticais, recomendamos que entre na nossa categoria de Psicologia cognitiva.

Referências
  1. Myers, R. E., & Sperry, R. W. Interhemispheric communication through the corpus callosum: mnemonic carry-over between the hemispheres. AMA Archives of Neurology & Psychiatry, 80(3), 298-303, 1958.
Bibliografia
  • Restrepo, F. J. L. Funciones ejecutivas: aspectos clínicos. Revista Neuropsicología, Neuropsiquiatría y Neurociencias, 8(1), 59-76, 2008.

Fotos de Córtex cerebral - áreas e funções corticais

Escrever comentário sobre Córtex cerebral - áreas e funções corticais

O que lhe pareceu o artigo?

Córtex cerebral - áreas e funções corticais
1 de 6
Córtex cerebral - áreas e funções corticais

Voltar ao topo da página