Partilhar

O que é a psicologia clínica: definição, história, objetivo e exemplos

 
Por Anna Badia Llobet, Psicóloga e redatora. 26 maio 2020
O que é a psicologia clínica: definição, história, objetivo e exemplos

O psicólogo clínico é uma figura em plena evolução. A psicologia vem mudando, crescendo e se dividindo em especialidades. Por esse motivo, às vezes é complexo diferenciar os (cada vez mais) ramos da psicologia. A psicologia clínica é uma das especialidades da psicologia e é caracterizada por se concentrar na saúde mental e no bem-estar psicológico das pessoas. Neste artigo de Psicologia-Online, explicamos o que é a psicologia clínica e detalhamos sua definição, seu objetivo, suas funções, exemplos de aspectos com os quais lida, as ferramentas que utiliza e os contextos em que são aplicadas, bem como a história da psicologia clínica e as principais diferenças que são encontradas entre a psicologia clínica e as demais especialidades da psicologia.

Também lhe pode interessar: Ramos da psicologia e suas definições

O que é a psicologia clínica: definição e objetivo

Atualmente, a psicologia clínica é uma disciplina científica e profissional definida como o ramo da psicologia responsável pela avaliação, explicação, diagnóstico, tratamento e prevenção dos transtornos mentais e da promoção do bem-estar psicológico.

Os objetivos da psicologia clínica são compreender, tratar e prevenir os problemas e transtornos psicológicos por meio da avaliação, diagnóstico e investigação. Seu principal objetivo é procurar, cuidar e melhorar a saúde em todos os níveis, desde uma perspectiva biopsicossocial das pessoas. Tudo isso é realizado através da aplicação dos conhecimentos, das habilidades, das técnicas e dos instrumentos da psicologia.

A psicologia clínica pode exercida em diferentes contextos, no entanto, as principais áreas continuam sendo os centros clínicos, os serviços de saúde mental e os hospitais gerais. Além disso, a psicologia é uma profissão que está continuamente evoluindo, ampliando suas funções e áreas de trabalho.

Psicologia clínica: funções e ferramentas

Funções da psicologia clínica

Atualmente são consideras funções da psicologia clínica:

  • Avaliar
  • Diagnosticar
  • Tratar, intervir, reabilitar
  • Aconselhar ou assessorar
  • Promover a saúde e prevenir
  • Pesquisar
  • Ensinar e supervisionar
  • Dirigir ou administrar sistemas de saúde

Ferramentas da psicologia clínica

Tais funções são desempenhadas por psicólogos clínicos e da saúde através de técnicas e procedimentos como as entrevistas, onde o profissional pergunta com o objetivo de reunir as informações necessárias para a avaliação. Essas entrevistas podem ser mais ou menos guiadas. As informações também são coletadas através da observação direta do profissional. Outra ferramenta são os testes, em geral, instrumentos psicométricos consistentes e validados para medir desde sintomas até capacidades em um paciente, embora existem muitos tipos de teste psicológicos. Também existem os registros psicofisiológicos que servem para medir as respostas fisiológicas do organismo. Utilizam-se também os autos relatórios, as pesquisas e exercícios nos quais o próprio paciente observa e registra seus pensamentos ou comportamentos. Depois de coletadas todas as informações, geralmente, são resumidas em um informe psicológico. O informe variará em função do destinatário, mas em geral, costuma incluir o motivo da consulta, as provas aplicadas durante o processo de avaliação com as pontuações e interpretações correspondentes e as conclusões com uma orientação diagnóstica.

Por outro lado, existe um grande número e variedade de técnicas e procedimentos utilizados na fase de intervenção. Algumas das mais comuns são:

  • As técnicas de modificação de comportamento, que incluem técnicas de exposição, baseadas no condicionamento operante, o condicionamento secreto, de autocontrole, aprendizado de habilidades e relaxamento.
  • A terapia cognitivo-comportamental, que compreende diferentes técnicas cognitivas (como, por exemplo, a terapia cognitiva de Beck) e técnicas de enfrentamento.
  • As técnicas de psicanálise, que incluem a interpretação, o esclarecimento, o confronto, a aliança, a transferência e a contratransferência que são aplicadas em diferentes variantes da terapia psicanalítica.
  • As técnicas da psicoterapia centrada na pessoa.
  • As técnicas da psicoterapia fenomenológica e da existência, como por exemplo a psicoterapia Gestalt.
  • As técnicas de terapia sistêmica baseadas nos relacionamentos a partir de uma visão holística e integradora.

História da psicologia clínica

A história da psicologia remonta a 1879, com o início da psicologia experimental no laboratório de Wilhelm Wund na Universidade de Lipzig. Durante a história da psicologia clínica e na atualidade, a psicologia experimental é um dos fundamentos e pilares mais importantes da psicologia clínica.

Outro fato importante na história da psicologia clínica ocorreu em 1885, destaca a psicologia das diferenças individuais. Nesse contexto, Francis Galton instaura pela primeira vez um centro para a medida mental.

Por outro lado, em 1896, Lighnet Witmer foi o primeiro em estabelecer formalmente a primeira clínica de psicologia, ou seja, um centro de psicologia clínica onde foram realizadas as avaliações para determinar diagnósticos e trabalhar de acordo com as diretrizes da psicologia científica. Nesse mesmo ano, Sigmund Freud, que já trabalhava em seu centro em Viena e fez sua teoria da personalidade, empregou pela primeira vez o termo "psicanálise".

A partir da clínica de Witmer e graças à ele, na Universidade de Pensilvânia começou a desenvolver a formação em psicologia clínica. Também fundou "The Psychological Clinical", a primeira revista na área.

Outro acontecimento importante na história da psicologia clínica é o fato de formar uma seção clínica dentro da American Psychological Association (APA).

O contexto da Primeira guerra Mundial empurrou a realização e implantação de testes psicológicos de personalidade e inteligência. A pesquisa avançou a psicologia clínica, que logo começou a estabelecer transtornos, causas e tratamentos.

Em 1930, as funções e os campos de aplicação da psicologia clínica foram ampliados e estendidos em locais como hospitais, prisões e outros. Em 1943, foi publicado um importante teste psicológico, o Minnesota Multiphasic Personality Inventory (MMPI).

A Segunda Guerra Mundial também provocou muito trabalho para os psicólogos clínicos, especialmente, com os veteranos de guerra. Nesse contexto foi definida a psicologia clínica como essa profissão que realiza o diagnóstico, tratamento e pesquisa dos transtornos mentais. Essa profissão foi reconhecida legalmente e um código de ética foi criado.

Em 1952 Hans Eysenck, autor de relevantes contribuições sobre as personalidades coletadas na teoria de Eysenck, escreve sobre os efeitos da psicoterapia. No mesmo amo, a American Psychiatric Association publica o primeiro Manual Diagnóstico e Estadístico dos Transtornos Mentais (DSM-I).

Nos anos seguintes, alguns autores importantes na história da psicologia clínica agregaram com suas contribuições. Por exemplo, Skinner publica suas pesquisas sobre comportamento e utiliza o termo "terapia comportamental" e também Beck formula um modelo psicológico da depressão, quem desenvolverá o instrumento mais conhecido e utilizado para detectar depressão: o teste de depressão de Beck (BDI).

Devido aos constantes avanços científicos, a psicologia clínica é um campo que se transformou e continua se transformando e que você precisa ser constantemente atualizada.

Diferenças entre psicologia e psicologia clínica

A psicologia clínica tem como particularidade a rigorosidade de suas ações, por isso, todos seus princípios, técnicas e instrumentos devem se basear na ciência. Embora caiba mencionar que atualmente a psicologia em geral é considerada uma ciência, especificamente, a ciência que estuda o comportamento humano através da cognição, da emoção e do comportamento. A diferença é que a psicologia clínica é aplicada principalmente nos transtornos mentais ou comportamentais.

A psicologia é uma disciplina muito mais ampla que a psicologia clínica e essa última consiste em uma especialização dentro da primeira. Tal especialização é considerada a mais relevante, pois o volume de profissionais desse ramo é muito maior que o de qualquer outra especialização que existe na atualidade.

As especialidades de psicologia que existem são, entre outras:

  • Psicologia clínica
  • Psicologia da saúde
  • Psicoterapia
  • Aconselhamento psicológico
  • Psicologia da educação
  • Psicologia forense
  • Neuropsicologia
  • Psicologia social
  • Psicologia do trabalho
  • Psicologia do esporte
  • Ensino e pesquisa da psicologia
  • Psicologia infantil e da adolescência
  • Psicologia rodoviária
  • Gerontopsicologia
  • Psicologia da família
  • Psicologia de emergências e catástrofes

O fato de existirem essas especialidades não significa que sejam creditadas e reconhecidas, além disso, existem grandes diferenças entre elas.

A diferença entre a psicologia clínica e as outras especialidades é que o objeto de estudo dessa é a pessoa e suas condições mentais. Normalmente, se concentra na saúde mental e nos problemas psicológicos individualmente, mas também no nível de relacionamento amoroso ou familiar.

Outra diferença consiste na formação prévia do exercício da profissão. Isso é regulado de maneira diferente de acordo com o país ou a organização em que está localizado, mas em geral, a psicologia clínica requer uma formação maior e mais especializada nessa área. Na Espanha, um psicólogo é um graduado em Psicologia, uma pessoa que realizou a carreira universitária de Psicologia. No entanto, para a especialidade de psicologia clínica e da saúde, um psicólogo deve ter também o título de Psicólogo Especialista em Psicologia Clínica (PEPC), obtido através de uma formação de 4 anos, acessado por meio de oposições, como Psicólogo Interno Residente (PIR) ou o título de Mestre Universitário em Psicologia Geral da Saúde (MUPGS) que inclui uma parte teórica e uma parte prática em centros de saúde.

Existe até uma diferença entre a psicologia clínica e a psicologia da saúde, e, embora a clínica seja especializada nos transtornos clínicos mentais, a psicologia da saúde atende aos fenômenos e problemas psicológicos em relação à saúde em geral.

Psicologia clínica: exemplos de aspectos abordados

A seguir, estão alguns exemplos dos problemas com que a psicologia clínica lida principalmente:

  • Transtornos ou problemas na infância
  • Transtornos ou problemas na adolescência
  • Transtornos ou problemas do estado de ânimo
  • Transtornos ou sintomas de ansiedade
  • Transtornos da personalidade
  • Transtornos do sono
  • Transtornos alimentar
  • Transtornos adaptativos
  • Transtornos associados à doença médica
  • Transtornos ou problemas sexuais
  • Transtornos cognitivos
  • Transtornos relacionados com o uso de substâncias

Este artigo é meramente informativo, em Psicologia-Online não temos a capacidade de fazer um diagnóstico ou indicar um tratamento. Recomendamos que você consulte um psicólogo para que ele te aconselhe sobre o seu caso em particular.

Se pretende ler mais artigos parecidos a O que é a psicologia clínica: definição, história, objetivo e exemplos, recomendamos que entre na nossa categoria de Psicologia clínica.

Bibliografia
  • Sánchez, P. (2008). Psicología clínica. Editorial El Manual Moderno.
  • Jarne, A., Vilalta, R. J., Arch, M., Guardia, J., & Pérez , A. (2012). Especialidades y acreditaciones en Psicología. Papeles del Psicólogo, 33(2)
  • Jiménez, P. F. (1985). Definición del psicólogo clínico y funciones que desempeña. Papeles del psicólogo, (20), 1.

Escrever comentário sobre O que é a psicologia clínica: definição, história, objetivo e exemplos

O que lhe pareceu o artigo?

O que é a psicologia clínica: definição, história, objetivo e exemplos
O que é a psicologia clínica: definição, história, objetivo e exemplos

Voltar ao topo da página