menu
Partilhar

Hormônio da tristeza: qual é, onde é produzido e como funciona

 
Por Andrea Fernández García. 4 janeiro 2022
Hormônio da tristeza: qual é, onde é produzido e como funciona

O hormônio da tristeza não é um especificamente. Há vários hormônios que intervêm na formação de emoções. Não é unicamente um que está envolvido no processo, mas há vários implicados, como por exemplo as monoaminas como a noradrenalina e a serotonina.

Muitos estudos defendem que a depressão se deve a um baixo nível de atividade de uma ou várias sinapses monoaminérgicas, mesmo que outros acreditem ser mais importante a implicação da dopamina e outros hormônios, como a oxitocina e os opiáceos na regulação da tristeza como emoção.

Estudos mais recentes apontam a hipótese glutamatérgica da depressão, na qual participam neurotransmissores como glutamato e GABA. Já que seria muito demorado falar de todos eles, neste artigo de Psicologia-Online, mencionaremos aqueles que mostraram estar mais relacionados com o hormônio da tristeza, onde é produzido e como funciona.

Também lhe pode interessar: Como funciona o cérebro humano

Onde é produzido o hormônio da tristeza

Qual o hormônio da tristeza? Nos focaremos naqueles que demonstraram uma implicação direta na depressão. Sendo assim, se você se pergunta quais hormônios afetam o estado de humor, estes são monoaminas, mais especificamente a noradrenalina e, sobretudo a serotonina e as glutamatérgicas, como glutamato e GABA.

Todos os hormônios mencionados se sintetizam nos neurônios, especificamente no núcleo, e se distribuem por todo o corpo através do potencial de ação, uma espécie de corrente elétrica que move a informação de um neurônio a outro.

Nos tópicos seguintes, veremos como se produz o hormônio da tristeza mediante monoaminas e glutamatérgicas.

Como se produz o hormônio da tristeza através de monoaminas

Alguns dos hormônios vinculados ao sentimento de tristeza são as monoaminas, especificamente a noradrenalina e a serotonina. A seguir, veremos como se sintetizam para ser chamados hormônios da tristeza.

Noradrenalina

Para entender porque a noradrenalina é um hormônio que causa tristeza, vamos te mostrar o processo mediante o qual se sintetiza a noradrenalina em nosso organismo:

  1. A noradrenalina é uma catecolamina sintetizada a partir da tirosina.
  2. A noradrenalina entra nos neurônios catecolaminérgicos através de um mecanismo de transporte que não é específico, mas que é compartilhado por outros aminoácidos.
  3. Uma vez dentro do neurônio, na presença da enzima tirosina hidroxilada, se converte em L-DOPA, um passo limitante que é muito difícil de produzir. Este, na presença da enzima aromática descarboxilase, converte-se em dopamina, um neurotransmissor.
  4. Uma vez que a dopamina se sintetiza, se introduz dentro das vesículas sinápticas e, para chegar à noradrenalina, se necessita a enzima dopamina-beta-descarboxilase.
  5. A inativação da noradrenalina tem lugar, principalmente, pela recaptação das enzimas liberadas que voltam a entrar utilizando um mecanismo específico de transporte de alta afinidade para cada uma delas.
  6. Uma vez dentro da varicosidade, uma parte delas será degradada pelo MAO (monoamina oxidase) e outra parte entrará nas vesículas para ser utilizada de novo posteriormente. Outra parte será degradada antes de entrar na célula, estes passaram ao sangue e foram eliminados através da urina.

Serotonina

Para determinar que a serotonina é um hormônio encarregado da tristeza, veremos como é sintetizada em nosso corpo a partir do aminoácido triptofano.

  1. O triptofano entra nos neurônios serotoninérgicos mediante um transportador que não é específico para o triptofano.
  2. Uma vez dentro do neurônio, o triptofano é convertido em 5-hidróxido-triptofano se transforma em 5-hidroxitriptamina (serotonina).
  3. A serotonina é armazenada no interior das vesículas sinápticas e é liberada quando os canais de cálcio se abrem na chegada do potencial de ação.
  4. A inibição da serotonina é exclusiva por recaptação, um transportador que reconhece especificamente a serotonina e introduzirá a serotonina dentro do neurônio pré-sináptico.
  5. Grande parte da serotonina será degrada pelo MAO, que degrada qualquer monoamina que esteja livre no citosol. Antes de ser degradada, uma parte poderia entrar no interior das vesículas e poderá ser reutilizada como neurotransmissor. Neste artigo, te contamos com mais detalhe o que são os neurotransmissores e como são classificados.
  6. Os produtos resultantes da degradação passarão ao sangue e serão eliminados pela urina.
Hormônio da tristeza: qual é, onde é produzido e como funciona - Como se produz o hormônio da tristeza através de monoaminas

Como o hormônio da tristeza é produzido por via glutamatérgica

Como vimos, o hormônio da tristeza possui muitos nomes, pois na formação das emoções diferentes tipos de hormônios intervêm. Alguns deles são os glutamatérgicos, como o glutamato e os GABA. Descubra como são sintetizados os hormônios da tristeza.

Glutamato

Um neurotransmissor, cuja síntese do glutamato somente pode ocorrer se há reservas de glutamina, já que esta é sua precursora. Enquanto está sendo fabricado, o mesmo é capaz de regular sua própria síntese, de forma que o glutamato inibe a glutamina por um processo chamado inibição do produto final.

Especificamente, o glutamato se armazena em vesículas sinápticas e se libera quando se abrem os canais de cálcio. Seu efeito é produzido na membrana pós-sináptica e é desativada para a recaptação neuronal, mas a maior quantidade entra no interior das células da glia vizinhas por um transporte ativo.

O glutamato que entra nas células da glia se converterá pela ação da enzima glutamina sintetizada e servirá para voltar a formar mais glutamato.

GABA

O GABA é sintetizado a partir do glutamato descarboxilase dos neurônios GABAérgicos. Esta síntese ocorrer no botão terminal. Uma vez sintetizado, se armazenam dentro das vesículas sinápticas quando chegam ao potencial de ação por exocitose. É inativada por recaptação do botão terminal e glial a partir de marcadores de alta afinidade que reconhecem especificamente o GABA e o transportam dentro da célula.

Como funciona o hormônio da tristeza

A presença ou não dos hormônios mencionados anteriormente, junto com outros, regulará a expressão emocional fazendo que se apresentem estados de tristeza em maior ou menor medida.

Até agora sempre se acreditou que a serotonina poderia ser a que apresentava uma maior implicação nos estados de humor e em comportamentos agressivos ou regulação da dor, entre outras funções, como a regulação da ingestão de carboidratos ou do ciclo sono-vigília.

Portanto, a serotonina estaria estreitamente relacionada com transtornos clínicos como a depressão. É por isso que sua administração é utilizada em tratamentos farmacológicos. Também é certo que pareceria ter uma maior relevância a enzima MAO, já que é a que regula também os hormônios como a dopamina, noradrenalina e adrenalina, implicadas nos processos de prazer. Descubra as diferenças entre adrenalina e noradrenalina.

Ultimamente, foi demonstrada a importância do glutamato no tratamento da depressão e a tristeza, sendo os opioides endógenos um potencial objeto de estudo em sua implicação na tristeza, de forma que os baixos níveis destes possam potencializar expressões emocionais negativas.

Este artigo é meramente informativo, em Psicologia-Online não temos a capacidade de fazer um diagnóstico ou indicar um tratamento. Recomendamos que você consulte um psicólogo para que ele te aconselhe sobre o seu caso em particular.

Se pretende ler mais artigos parecidos a Hormônio da tristeza: qual é, onde é produzido e como funciona, recomendamos que entre na nossa categoria de Neuropsicologia.

Bibliografia
  • American psychiatric association, (2014). Manual diagnóstico y estadístico de los trastornos mentales DSM – 5. Madrid, España. Editorial medica panamericana.
  • Belloch, A., Sandín, B., Ramos, F., (2009). Manual de psicopatología, volumen II. Madrid. McGraw Hill / Interamericana de España, S.A.U.
  • Carlson, N. R. (2014). Fisiologia de la conducta. Madrid. Pearson Education, S.A.
  • Ferré, N. (2019). Psicofarmacología. Universitat Autònoma de Barcelona.7Portell, A. (2015). Substèancies transmissores. Universitat Autònoma de Barcelona.

Escrever comentário

O que lhe pareceu o artigo?
Hormônio da tristeza: qual é, onde é produzido e como funciona
1 de 2
Hormônio da tristeza: qual é, onde é produzido e como funciona

Voltar ao topo da página