Partilhar

Tipos de psicoterapia: técnicas e métodos

 
Por Gemma Adsuara Arrufat. Atualizado: 16 outubro 2020
Tipos de psicoterapia: técnicas e métodos

Muitos profissionais, como é o caso de Frank (1961), apontam que a eficácia das técnicas psicoterapêuticas é atribuída à capacidade que os terapeutas têm para modificar as expectativas dos pacientes à sua vontade. Ou seja, se um paciente dá credibilidade e validade a esse tipo de terapia, podem ser vistas no paciente mudanças superiores no paciente.

Devido a essa interação direta do terapeuta sobre a atitude do paciente, considera-se que, nas técnicas psicoterapêuticas, é muito mais complicado criar uma separação entre o profissional e a própria técnica.

Portanto, em Psicologia-Online, apresentaremos uma lista de tipos de psicoterapias, bem como uma explicação de sua metodologia e objetivos.

Tipos de psicoterapia que existem

Existem muitos tipos de terapia psicológica, dependendo da perspectiva e da metodologia utilizada para trabalhar. Quais são os diferentes tipos de psicoterapia? A seguir, listamos os principais tipos de terapia psicológica.

  1. Psicoterapia cognitiva
  2. Terapia psicanalítica
  3. Terapia psicodinâmica
  4. Terapia comportamental dialética
  5. Terapia cognitivo comportamental
  6. Psicoterapia racional emotiva
  7. Terapia Gestalt
  8. Psicoterapia dinâmica breve ou terapia breve estratégica
  9. Meditação, atenção plena ou mindfulness
  10. Terapia de aceitação e compromisso
  11. Logoterapia ou Psicoterapia experimental
  12. Terapia familiar sistêmica
  13. Terapia hipnótica
  14. Terapia de reminiscência
  15. Psicoterapia focal e integradora
  16. Psicoterapia por inibição recíproca

1. Terapia cognitiva

Para a realização dessa técnica, os profissionais partem da base da reestruturação cognitiva, pois muitos pacientes com transtornos psicológicos foram identificados como possuidores de pensamentos negativos e crenças pouco realistas. Essa terapia desenvolvida por Beck tem o objetivo de que os pacientes desenvolvam, graças à ajuda exercida pelo terapeuta, as habilidades necessárias para identificar e substituir esse tipo de pensamentos.

2. Terapia psicanalítica

Essa técnica foi desenvolvida pelo famoso psicanalista Sigmund Freud, com o objetivo de conseguir a resolução dos problemas psicológicos dos pacientes, partindo da base de suas fantasias, pensamentos e emoções mais reprimidas, ou seja, do mundo interior que escondem em si mesmos. Para os terapeutas seguidores dessa prática, o inconsciente de uma pessoa é de vital importância para determinar quais são as causas que originam o problema psicológico.

3. Terapia psicodinâmica

Trata-se de uma técnica que compartilha sua base com a terapia da psicanálise, no entanto, apresenta uma série de diferenças quanto ao seu desempenho. Estas são muito mais breves nas intervenções, bem como são caracterizadas por ter uma menor intensidade na intromissão do pensamento. Por outro lado, os focos do tratamento no qual o terapeuta deve se concentrar aumenta. Pode-se dizer que esse tipo de terapia tenta readaptar a terapia da psicanálise à atualidade.

4. Terapia cognitivo-comportamental

Trata-se de fazer com que o paciente entenda sua maneira de pensar em relação a si próprio, às outras pessoas e ao mundo ao seu redor. Tem o objetivo de ajudar a modificar certos pensamentos, bem como as ações ou comportamentos derivados deles. Essa terapia se concentra no aqui e agora que o paciente está vivendo nesse momento de sua vida. Aqui você pode ver o que é e quais técnicas a terapia cognitivo-comportamental utiliza.

5. Terapia comportamental dialética

Ela nasceu como alternativa à terapia cognitivo-comportamental diante daqueles pacientes que apresentam múltiplos diagnósticos no eixo da personalidade, pelo qual seu comportamento é muito difícil de controlar e tratar. Emprega técnicas como o treinamento em habilidades sociais, tarefas comportamentais, bem como a análise do comportamento, mas adicionando estratégias de aceitação à todas elas, com o objetivo de que o paciente incorpore a ideia de que há certos comportamentos que são aceitos pelo restante da sociedade e, portanto, existem outros que não são.

6. Psicoterapia racional emotiva

Desenvolvida por Albert Ellis, essa breve psicoterapia pretende conseguir uma mudança profunda e intensa nos pacientes, principalmente no que diz respeito ao nível emocional. Baseia-se em ajudar o sujeito a reconhecer os processos autodestrutivos que possui e sintonizar, através do uso da razão e da racionalidade, emoções mais apropriadas. É atribuída grande importância às emoções, nas quais uma má identificação delas pode levar a problemas psicológicos.

7. Terapia gestalt

Parte da ideia de que as coisas vivenciadas por cada indivíduo são formuladas de maneira individual. Ou seja, apesar de vivenciar o mesmo evento, duas pessoas podem dar a ele um significado mental completamente diferente. Portanto, se concentra mais em analisar e modificar a maneira como as coisas são vivenciadas, e não tanto no evento.

8. Psicoterapia dinâmica breve ou terapia breve estratégica

Parte da intenção de conhecer quais são os fatores que originam o comportamento desadaptado do paciente para, posteriormente, determinar os mecanismos terapêuticos mais adequados para sua resolução. É caracterizada por um curto período de tempo de sessão, pois apenas tenta diminuir os sintomas do paciente, não produzindo uma mudança profunda e estável nele.

9. Meditação, atenção plena ou mindfulness

Essa técnica é empregada como método para aumentar a consciência que as pessoas têm sobre tudo ao seu redor, para que desta forma possam responder com mais habilidade a todos aqueles processos mentais que podem contribuir no desenvolvimento de transtornos psicológicos e comportamentais. Aqui você encontrará o que é e o mindfulness na psicologia.

10. Terapia de aceitação e compromisso

Essa terapia, diferentemente de muitas outras, não se baseia na mudança ou redução dos pensamentos e sensações incômodas que podem interferir na vida de um sujeito, mas tenta alterar sua função e gerar nele uma flexibilidade na hora de regular seu comportamento. Busca gerar no paciente um desenvolvimento de sua consciência plena, o que lhe permite agir de maneira valiosa.

11. Logoterapia ou psicoterapia experimental

A logoterapia, desenvolvida por Frankl, concentra toda sua atenção no significado da existência humana, partindo da busca de uma visão integral do ser humano, o qual é considerado como um ser único. Trata-se de uma terapia existencial onde os problemas do indivíduo são dados pelo vazio existencial que este sente.

12. Terapia familiar sistêmica

As pessoas são consideradas como partes de um sistema familiar onde os problemas psicológicos dos indivíduos são produzidos por problemas nas relações entre os integrantes de tais sistemas. Com essa técnica, o objetivo é reformular a maneira pela qual o indivíduo se percebe dentro de tal sistema para identificar quais são as causas de seus problemas.

13. Terapia hipnótica

Pretende-se induzir no paciente um estado de transe ou sono parcial (hoje em dia conhecido por todos os profissionais como estado de alta sugestionabilidade) para que se conecte de una forma mais intensa com seus pensamentos mais emocionais e primitivos.

14. Terapia de reminiscência

Criada para ser realizada em pacientes com demência, essa terapia consiste em falar sobre a própria experiência vital, com o objetivo de compartilhar lembranças e refletir sobre o passado. Tem o objetivo de estimular a memória episódica autobiográfica em pessoas adultas para, deste modo, reduzir a deterioração cerebral.

15. Psicoterapia focal e integradora

Mais uma vez, encontramos uma psicoterapia baseada na psicanálise, no entanto, ela tem um foco sobre o qual o terapeuta concentrará toda sua atenção na hora de ajudar o paciente. Esse foco é considerado a base do conflito do paciente, devido ao qual os sintomas ansiosos e psicológicos que ele apresenta se desenvolveram.

16. Psicoterapia por inibição recíproca

Neste tipo de psicoterapia, o terapeuta ajuda o paciente a desenvolver respostas adequadas a estímulos que provocam atitudes ou respostas indesejadas nele. Para isso, utiliza-se a aplicação de respostas incompatíveis que impossibilitam ao sujeito realizar o comportamento não adaptativo que costuma realizar.

Que tipo de terapia eu preciso?

Neste ponto, é normal se perguntar qual tipo de terapia é melhor ou que tipo de psicoterapia é a que você precisa. Cada pessoa é completamente diferente, assim como cada transtorno, portanto, a partir daqui não podemos nos aventurar a determinar qual é o tipo de terapia que se adequaria a cada pessoa.

Além disso, deve-se levar em consideração que muitas dessas psicoterapias não possuem uma evidência científica real, portanto sua validade e confiabilidade pode ser afetada consideravelmente. O que pode ser crucial na hora de escolher um tipo ou outro de terapia.

Portanto, nossa recomendação é que você procure um profissional especializado e discuta seu problema, pois ele ou ela poderá desenvolver um plano de tratamento de acordo com suas necessidades.

Este artigo é meramente informativo, em Psicologia-Online não temos a capacidade de fazer um diagnóstico ou indicar um tratamento. Recomendamos que você consulte um psicólogo para que ele te aconselhe sobre o seu caso em particular.

Se pretende ler mais artigos parecidos a Tipos de psicoterapia: técnicas e métodos, recomendamos que entre na nossa categoria de Psicologia clínica.

Bibliografia
  • Ackerman, N. (1970). Teoría y práctica de la terapia familiar. Buenos Aires: Proteo.
  • Gempeler, J. (2008). Terapia conductual dialéctica. Revista colombiana de psiquiatría, 37(1), 136-148.
  • Haley, J. (1974). Tratamiento de la familia. Barcelona: Toray.
  • Mañas, I. (2009). Mindfulness (Atención Plena): La meditación en psicología clínica. Gaceta de psicología, 50, 13-29.
  • McNamee, S. y Gergen, K.J. (1996). La terapia como construcción social. Barcelona: Paidós.
  • Morejón, A. R., & BEYEBACH, M. (1994). Terapia sistémica breve: Trabajando con los recursos de las personas. M. Garrido y J. García (Comps.), Psicoterapia: Modelos contemporáneos y aplicaciones, 241-290.
  • O’Hanlon, W. H. (1989). Raices profundas. Principios básicos de la terapia y de la hipnosis de Milton Erickson. Buenos Aires: Paidós.
  • Polo, J. V. P., & Díaz, D. E. P. (2011). Terapia cognitiva-conductual (TCC) Como tratamiento para la depresión: Una revisión del estado del arte. Duazary, 8(2), 251-257.
  • Soriano, M. C. L., & Salas, M. S. V. (2006). La terapia de aceptación y compromiso (ACT). Fundamentos, características y evidencia. Papeles del psicólogo, 27(2), 79-91.

Escrever comentário sobre Tipos de psicoterapia: técnicas e métodos

O que lhe pareceu o artigo?

Tipos de psicoterapia: técnicas e métodos
Tipos de psicoterapia: técnicas e métodos

Voltar ao topo da página