Psicologia clínica

Transtornos de neurodesenvolvimento: tipos

 
Andrea Fernández García
Por Andrea Fernández García. 18 julho 2022
Transtornos de neurodesenvolvimento: tipos

É provável que se seu filho tem um transtorno, este se englobe nos transtornos do neurodesenvolvimento, já que são os que se diagnosticam com maior frequência durante a infância, ainda que também possam ser diagnosticados na adolescência ou na idade adulta.

Se você nota que seu/sua filho/a ou você mesmo/a tem dificuldade ou alterações na comunicação, muito mais dificuldades que os colegas na alfabetização ou a matemática, em realizar movimentos motores incontroláveis a priori, dificuldades de concentração, impulsividade e hiperatividade e dificuldades para se relacionar com os outros é muito possível que haja algum transtorno do neurodesenvolvimento.

Neste artigo de Psicologia-Online, te contaremos quais são os Transtornos de neurodesenvolvimento: tipos mais comuns, sintomas que cada um deles apresenta e qual é o melhor tratamento em cada caso.

Índice
  1. O que são os transtornos do desenvolvimento
  2. Deficiências intelectuais
  3. Transtornos da comunicação
  4. Transtorno do espectro autista (TEA)
  5. Transtorno por déficit de atenção com hiperatividade (TDAH)
  6. Transtorno específico da aprendizagem
  7. Transtornos motores
  8. Transtornos de tics

O que são os transtornos do desenvolvimento

Segundo a APA (American psychiatric association)[1], os transtornos do desenvolvimento são um grupo de condições de base neurológica que começam durante o período de desenvolvimento infantil. Frequentemente, se manifestam antes de que a criança comece a etapa escolar. Como consequência, isto produz deficiências no âmbito escolar, social, acadêmico ou ocupacional.

Deficiências intelectuais

Os sintomas que as pessoas com deficiências intelectuais manifestam são as seguintes:

  • Déficit no raciocínio.
  • Dificuldade para a resolução de problemas e planejamento.
  • Dificuldade no pensamento abstrato e realização de julgamentos.
  • Dificuldades na aprendizagem acadêmica e a partir de experiências.
  • Resultado inferior a um QI de 70 em testes de inteligência padronizados.
  • Dificuldade no cumprimento dos padrões socioculturais.
  • Déficit adaptativo que limite o funcionamento em uma ou mais atividades da vida cotidiana: comunicação, participação social e vida independente.

Tratamento das deficiências intelectuais

O tratamento dos transtornos do neurodesenvolvimento varia em função dos sintomas e características de cada um. Neste caso, a primeira coisa é realizar uma prevenção secundária, ou seja, iniciar a intervenção o mais cedo possível. É muito importante a detecção precoce das deficiências intelectuais para prevenir a aparição de patologias associadas, conseguir melhorias funcionais e possibilitar um ajuste adaptativo à pessoa e seu entorno.

De forma objetiva, nos casos de deficiência intelectual, a intervenção tem duas estratégias principais:

  1. Planejamento individualizado (PI) de apoio: as necessidades da pessoa foram avaliadas e se identificaram as metas e experiências de vida desejadas. Em seguida, se desenvolverá e implementará o plano individualizado. Por último, este estará supervisionado e em avaliação constante para poder realizar as modificações necessárias. Nestes casos, podemos encontrar desde PI nas escolas, adaptando o curriculum às necessidades da criança, até reforços externos como reeducações para melhorar suas capacidades intelectuais.
  2. Planejamento centrado na pessoa: é um processo de colaboração para ajudar a pessoa a encontrar os apoios e serviços necessários para alcançar uma qualidade maior de vida baseada em suas próprias preferências e valores com os seguintes objetivos primordiais:
  • Estar presente e participar na vida da comunidade.
  • Manter e criar vínculos de relações satisfatórias.
  • Expressar preferências e tomar decisões nas atividades da vida cotidiana.
  • Ter a oportunidade de desenvolver atividades com reconhecimento social e viver com dignidade.
  • Continuar desenvolvendo competências pessoais.
Transtornos de neurodesenvolvimento: tipos - Deficiências intelectuais

Transtornos da comunicação

Existem múltiplos transtornos de comunicação, logo os sintomas variam de acordo com cada transtorno específico. Em traços gerais, os sintomas mais frequentes dos transtornos da comunicação são:

  • Dificuldade em aspectos de produção, principalmente na função motora.
  • Aparição tardia da linguagem.
  • Dislalias.
  • Alteração motora que envolve os órgãos bucofonatórios.
  • Dificuldades na produção do som devido a alguma alteração anatômica do aparato bucofonatório.
  • Disfemia ou gagueira.
  • Alteração da compreensão da linguagem.
  • Incapacidade massiva de fluência.
  • Conversa dificilmente inteligível.
  • Dificuldade para pronunciar palavras.
  • Dificuldades em habilidades comunicativas.
  • Dificuldades na construção de frases ou do discurso em geral.

Na hora de realizar o tratamento deste tipo de transtornos do neurodesenvolvimento é preciso ir ao terapeuta da fala. O objetivo é oferecer ferramentas à criança para se comunicar apesar de suas dificuldades e trabalhar os aspectos específicos que estão alterados. Além disso, existem alguns tratamentos, como o programa Hanen, que ensinam aos pais a melhorar as habilidades da linguagem de seus filhos.

Transtorno do espectro autista (TEA)

As pessoas com transtorno do espectro autista apresentam os seguintes sintomas:

  • Alterações qualitativas na interação social.
  • Dificuldades de reciprocidade emocional.
  • Alterações qualitativas na comunicação.
  • Presença de linguagem estereotipada.
  • Limitação em jogo simbólico.
  • Padrões de comportamentos restringidos, repetitivos e estereotipados.

Tratamento do transtorno do espectro autista

Os programas de intervenção para o tratamento do TEA incluem teorias baseadas na psicologia evolutiva e do desenvolvimento, assim como da aprendizagem e da modificação de comportamento. Destacamos as seguintes recomendações:

  • O tratamento deve ser iniciado o quanto antes.
  • Implementar programas psicoeducativos de certa intensidade (15-20 horas por semana quando a criança é de baixo funcionamento).
  • Treinar pais e/ou cuidadores diretos.
  • Definir objetivos de trabalho dirigidos à funcionalidade, buscando gerar aprendizados em diferentes contextos e pessoas.
  • Dar apoio acadêmico.
  • Trabalhar as dificuldades de comunicação.
  • Treinar as habilidades sociais.
  • Fomentar a autonomia pessoal.
  • Reduzir os problemas de comportamento com formação dos pais.
Transtornos de neurodesenvolvimento: tipos - Transtorno do espectro autista (TEA)

Transtorno por déficit de atenção com hiperatividade (TDAH)

Dentro dos transtornos do neurodesenvolvimento também encontramos o transtorno por déficit de atenção com hiperatividade (TDAH). Os principais sintomas desta condição são:

  • Dificuldades para prestar atenção.
  • Impulsividade.
  • Hiperatividade.

Se você quer saber mais sobre este transtorno e seus sintomas mais detalhadamente, consulte os seguintes artigos sobre TDAH na escola e Tipos de TDAH.

Tratamento do TDAH

O tratamento do TDAH mais eficiente é um tratamento multimodal ou multidisciplinar que combina a terapia farmacológica, psicológica e psicopedagógica. Portanto, é importante abordar os seguintes aspectos:

  • Psicoeducação do transtorno e/ou transtornos ou problemas associados.
  • Treinamento de pais para controlar o comportamento de seus filhos, seja individualmente ou em grupo.
  • Intervenção psicológica dirigida à criança.
  • Aplicação de técnicas cognitivo-comportamentais em ambientes lúdicos.
  • Treinamento em memória de trabalho.
  • Intervenção escolar, realizando as adaptações pertinentes.
  • Intervenção psicopedagógica tratando os déficits associados, assim como estratégias e técnicas de estudo e organização e planejamento.
  • Tratamento farmacológico.

Transtorno específico da aprendizagem

Os sintomas característicos do transtorno específico da aprendizagem são:

  • Dislexia: dificuldades na alfabetização. Neste artigo, te mostraremos exercícios para detectar a dislexia.
  • Discalculia: dificuldade em matemática.
  • Transtorno da aprendizagem não verbal: alteração de algumas funções motoras, dificuldades para a percepção e organização da informação visual, problemas de interação social, falta de consciência do tempo, dificuldades em aspectos pragmáticos da linguagem e repercussão acadêmica visível, sobretudo, no grafismo, leitura, matemáticas, plástica e educação física.

Tratamento do transtorno específico da aprendizagem

O tratamento variará substancialmente em função do transtorno da aprendizagem que pretendemos tratar. De forma geral, é preciso fazer adaptações na escola e trabalhar com reeducações com o objetivo de compensar as dificuldades associadas a cada transtorno em particular e potencializar seus pontos fortes. Vejamos como focar o tratamento segundo o tipo de transtorno da aprendizagem que se tenha:

  • Dislexia: é importante realizar adaptações escolares e uma boa reeducação na alfabetização com o objetivo de melhorar a leitura mecânica, mesmo que a criança já se encontre no último ciclo de idade escolar, o objetivo deverá ser buscar estratégias compensatórias. Neste artigo você verá como ajudar uma criança com dislexia.
  • Discalculia: realizar reeducações com o objetivo de reforçar o raciocínio lógico. Não se centrando unicamente nas capacidades e habilidades relacionadas com a resolução de problemas e operações matemáticas, mas também trabalhar o conceito de número, séries, classificações, igualdades, uso de estratégias de trabalho e prática.
  • Transtorno da aprendizagem não verbal: é preciso trabalhar a autoestima, além das capacidades e habilidades nas quais se apresente maior dificuldade.
Transtornos de neurodesenvolvimento: tipos - Transtorno específico da aprendizagem

Transtornos motores

Outro grupo de transtornos do neurodesenvolvimento muito comuns são os transtornos motores. Os sintomas deste tipo de condições geralmente são os seguintes.

  • Alterações na coordenação.
  • Comportamentos motores repetitivos: agitar as mãos, mexer o corpo, bater na cabeça, se morder ou se bater.
  • Déficit na execução e aquisição de habilidades motoras.
  • Falta de jeito, lentidão ou inexatidão na execução de movimentos.

O tratamento dos transtornos motores deve ser feito por um fisioterapeuta em coordenação com outros profissionais que ele ou ela acredita ser conveniente.

Transtornos de tics

Os transtornos de tics são um dos grupos de transtornos do neurodesenvolvimento mais comuns nos quais se manifestam os seguintes sintomas:

  • Presença de tics motores simples: piscadas, caretas, movimentos do nariz ou da boca, movimentos com a cabeça, elevação de ombros ou contrações das extremidades.
  • Presença de tics motores complexos: tocar objetos ou pessoas, dar um passo atrás, esticar braços e pernas simultaneamente, realizar gestos obscenos ou socialmente inadequados ou repetir o movimento observado em outra pessoa.
  • Presença de tics fônicos simples: limpar a garganta, tossir, inspirar pelo nariz ou som gutural.
  • Presença de tics fônicos complexos: repetir a última palavra ou frase pronunciada por outra pessoa, repetir uma mesma palavra ou frase reiteradamente, verbalizar palavras obscenas ou socialmente inadequadas, mudar o sotaque ou a entonação do discurso.

O melhor tratamento para os transtornos de tics é a psicoeducação e o monitoramento dos sintomas, seguido de um tratamento específico dos transtornos comórbidos e um treinamento de reversão do hábito e técnica de exposição e prevenção de resposta como técnicas psicológicas. Em última instância, é possível realizar tratamento farmacológico e, se este também não funciona, terá que aplicar estimulação cerebral profunda.

Transtornos de neurodesenvolvimento: tipos - Transtornos de tics

Este artigo é meramente informativo, em Psicologia-Online não temos a capacidade de fazer um diagnóstico ou indicar um tratamento. Recomendamos que você consulte um psicólogo para que ele te aconselhe sobre o seu caso em particular.

Se pretende ler mais artigos parecidos a Transtornos de neurodesenvolvimento: tipos, recomendamos que entre na nossa categoria de Psicologia clínica.

Referências
  1. American psychiatric association, (2014). Manual diagnóstico y estadístico de los trastornos mentales DSM – 5. Madrid, España. Editorial medica panamericana.
Bibliografia
  • Ezpeleta, L. y Toro, J. (coords.) (2016). Psicopatología del desarrollo. Madrid: Ed. Pirámide.
Escrever comentário
O que lhe pareceu o artigo?
1 de 5
Transtornos de neurodesenvolvimento: tipos